Ban­co trava a dro­ga le­ga­li­za­da

Folha De S.Paulo - - Mundo - CLÓVIS ROSSI CO­LU­NIS­TAS DES­TA SE­MA­NA se­gun­da: Jai­me Spitz­covsky; quin­ta: Clóvis Rossi; do­min­go: Clóvis Rossi

A PIONEIRA ini­ci­a­ti­va uru­guaia de le­ga­li­zar a ma­co­nha, na­tu­ral­men­te po­lê­mi­ca, es­tá en­fren­tan­do obs­tá­cu­los vindos de um agen­te ines­pe­ra­do, a ban­ca. Ou, mais exa­ta­men­te, do ban­co San­tan­der.

O te­le­jor­nal “Te­le­no­che” informou que a far­má­cia Pi­tá­go­ras de Mal­vín dei­xa­ria de ven­der can­na­bis por­que o San­tan­der can­ce­lou sua con­ta por ser um dos es­ta­be­le­ci­men­tos re­gis­tra­dos pa­ra a co­mer­ci­a­li­za­ção da dro­ga. A ori­en­ta­ção veio da ma­triz do ban­co na Es­pa­nha, se­gun­do “El Ob­ser­va­dor”, e não da di­re­ção uru­guaia do ban­co. A ale­ga­ção é a de que as far­má­ci­as que ven­dem ma­co­nha po­dem ser even­tu­al­men­te usa­das pa­ra la­va­gem de di­nhei­ro.

Ou­tros ban­cos es­tão ava­li­an­do a si­tu­a­ção, en­tre eles o bra­si­lei­ro Itaú, e, se se­gui­rem o San­tan­der, es­ta­rá em gra­ve ris­co um mo­de­lo que me­re­ce uma chan­ce de ser tes­ta­do. Can­ce­la­das as con­tas, in­vi­a­bi­li­za­se o fun­ci­o­na­men­to das far­má­ci­as e, por ex­ten­são, todo o es­que­ma de le­ga­li­za­ção da can­na­bis, em vi­gor des­de 19 de ju­lho —pou­co mais de 20 di­as, por­tan­to. A ale­ga­ção do San­tan­der, se for com­pro­va­da, atin­ge o co­ra­ção do pro­gra­ma, que se apoia pre­ci­sa­men­te na pre­mis­sa de que é pre­ci­so afas­tar o cri­me or­ga­ni­za­do da ór­bi­ta das dro­gas.

Não sei se o pro­je­to uru­guaio é o ca­mi­nho ide­al, mas sei —e to­dos sa­bem— que fra­cas­sou re­don­da­men­te o en­fo­que po­li­ci­al-mi­li­tar ado­ta­do nos ou­tros paí­ses, Bra­sil in­clu­si­ve. O con­su­mo só faz au­men­tar e, com ele, aumenta a cri­mi­na­li­da­de que gi­ra em tor­no das dro­gas.

Lo­go, ca­be mo­ni­to­rar de per­to a ex­pe­ri­ên­cia uru­guaia pa­ra sa­ber se é apli­cá­vel em ou­tros paí­ses, quais os de­fei­tos que even­tu­al­men­te tem e co­mo sa­ná-los. O governo uru­guaio ne­ga que o de­fei­to apon­ta­do pe­lo San­tan­der se­ja real. Mil­ton Ro­ma­ni, que che­fi­ou a Jun­ta Nacional de Dro­gas até 2016 e, nes­sa con­di­ção, foi o gran­de ar­qui­te­to do pro­gra­ma de le­ga­li­za­ção que aca­ba de en­trar em vi­gor, diz que, an­tes de­la, hou­ve ou­tra re­gu­la­men­ta­ção, exa­ta­men­te so­bre la­va­gem de di­nhei­ro. Ga­ran­te que fo­ram fe­cha­dos to­dos os ca­nais que fa­zi­am do Uru­guai, de fa­to, um paraíso pa­ra a la­va­gem de di­nhei­ro.

A le­ga­li­za­ção da can­na­bis pro­vo­cou um se­gun­do efei­to no cri­me: o “Mo­ni­tor Can­na­bis” da Fa­cul­da­de de Ci­ên­ci­as So­ci­ais cal­cu­la que, no es­tá­gio atu­al do pro­gra­ma, o nar­co­trá­fi­co per­deu 27% do mer­ca­do —nú­me­ro ex­pres­si­vo pa­ra ape­nas 20 di­as. Já o di­re­tor da Po­lí­cia Nacional, Ma­rio Laye­ra, faz ques­tão de lem­brar que os 11.508 uru­guai­os de­vi­da­men­te re­gis­tra­dos co­mo com­pra­do­res (até 7 de agos­to) não es­tão pre­ci­san­do co­me­ter um de­li­to pa­ra con­se­guir a do­se de con­su­mo pes­so­al nem pre­ci­sam fre­quen­tar lu­ga­res in­se­gu­ros co­mo as bo­cas de ven­da.

Ao nú­me­ro de re­gis­tra­dos co­mo con­su­mi­do­res ca­be acres­cen­tar 6.963 cul­ti­va­do­res. “Es­se nú­me­ro (qua­se 20 mil no to­tal) é de enor­me im­por­tân­cia”, diz Ro­ma­ni. Ex­pli­ca: “De­mons­tra a con­fi­an­ça dos usuá­ri­os no sis­te­ma, na lei e no Es­ta­do. Se eles pre­fe­ris­sem con­ti­nu­ar com­pran­do do nar­co­trá­fi­co, o mo­de­lo es­ta­va aca­ba­do”. É evi­den­te que é ce­do de­mais pa­ra que es­sas sau­dá­veis cons­ta­ta­ções re­pre­sen­tem um ates­ta­do de­fi­ni­ti­vo de êxi­to do mo­de­lo. Mas é obri­ga­tó­rio acom­pa­nhar a evo­lu­ção do pro­gra­ma por­que já sa­be­mos no que dá o seu con­trá­rio.

Sur­ge um ines­pe­ra­do obs­tá­cu­lo pa­ra o pi­o­nei­ro pro­je­to do Uru­guai que o Bra­sil de­ve­ria mo­ni­to­rar

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.