Ci­da­de uni­ver­si­tá­ria lu­ta con­tra le­ga­do es­cra­vo­cra­ta e atrai ra­di­cais

Folha De S.Paulo - - Mundo - HAWES SPEN­CER SHERYL GAY STOLBERG

Um mês após um co­mí­cio da Ku Klux Klan ter­mi­nar com a po­lí­cia usan­do gás la­cri­mo­gê­neo pa­ra con­ter os manifestantes e seus opo­nen­tes, Char­lot­tes­vil­le, uma ci­da­de uni­ver­si­tá­ria cal­ma no meio do Es­ta­do ame­ri­ca­no da Vir­gí­nia, pa­re­ce si­ti­a­da.

Cen­te­nas de pes­so­as acor­re­ram pa­ra o protesto con­vo­ca­do por ul­tra­na­ci­o­na­lis­tas bran­cos con­tra a de­ci­são de re­ti­rar de um par­que lo­cal a es­tá­tua do ge­ne­ral Ro­bert E. Lee, que co­man­dou os Es­ta­dos Con­fe­de­ra­dos con­tra o Nor­te abo­li­ci­o­nis­ta na Guerra Ci­vil (1861-65), ou pa­ra se ma­ni­fes­tar con­tra ele.

Char­lot­tes­vil­le, que tem co­mo pe­ça cen­tral a Uni­ver­si­da­de da Vir­gí­nia, fun­da­da em 1819 pe­lo pre­si­den­te Tho­mas Jef­fer­son (1801-09), é uma ci­da­de de per­fil pro­gres­sis­ta on­de qua­se 80% do elei­to­ra­do vo­tou na de­mo­cra­ta Hil­lary Clin­ton nas elei­ções pre­si­den­ci­ais do ano pas­sa­do.

Mas é, tam­bém, uma ci­da­de en­tra­nha­da na his­tó­ria do Sul dos EUA que ain­da lu­ta con­tra o le­ga­do es­cra­vo­cra­ta.

Se­gun­do Ja­la­ne Sch­midt, pro­fes­so­ra de es­tu­dos re­li­gi­o­sos na uni­ver­si­da­de, 52% dos mo­ra­do­res de Char­lot­tes­vil­le e do con­da­do on­de ela es­tá, ou 14 mil pes­so­as, fo­ram es­cra­vos na Guerra Ci­vil.

Jef­fer­son, cu­ja pro­pri­e­da­de ru­ral fi­ca­va a pou­cos quilô­me­tros da­li e ain­da é ado­ra­do pe­la po­pu­la­ção da ci­da­de, tam­bém ti­nha es­cra­vos.

Hoje os afro-ame­ri­ca­nos per­fa­zem 19% da po­pu­la­ção, e a gen­tri­fi­ca­ção —que traz pes­so­as de mai­or ren­da pa­ra áre­as an­tes de­gra­da­das ou es­que­ci­das, em­pur­ran­do os pre­ços dos imó­veis pa­ra ci­ma— tem ex­pul­sa­do vá­ri­os da ci­da­de, diz Sch­midt.

O em­ba­te so­bre a es­tá­tua de Lee em um par­que que le­va­va seu no­me e foi re­cen­te­men­te re­ba­ti­za­do co­mo Par­que da Eman­ci­pa­ção re­a­briu ve­lhas fe­ri­das e trou­xe à to­na a ten­são ra­ci­al la­ten­te.

Eu­ge­ne Wil­li­ams, 89, ex-líder do bra­ço lo­cal na As­so­ci­a­ção Ame­ri­ca­na pa­ra o Pro­gres­so das Pes­so­as de Cor, um dos mais tra­di­ci­o­nais gru­pos ati­vis­tas do país, ain­da se lem­bra de qu­an­do não po­dia co­mer nos res­tau­ran­tes da ci­da­de. Ele é a fa­vor da ma­nu­ten­ção da es­tá­tua pa­ra que as pes­so­as se lem­brem da se­gre­ga­ção ra­ci­al que vi­go­rou ali.

“Es­ta es­tá­tua tem uma li­ção a nos en­si­nar”, diz.

O em­ba­te atraiu a aten­ção de dois ul­tra­na­ci­o­na­lis­tas bran­cos que es­tu­dam na Uni­ver­si­da­de da Vir­gí­nia, Ri­chard Spen­cer e Ja­son Kes­s­ler. Em maio, Spen­cer, que ga­nhou no­to­ri­e­da­de após a elei­ção de Do­nald Trump, li­de­rou uma ma­ni­fes­ta­ção com to­chas em pu­nho, um sím­bo­lo da per­se­gui­ção aos negros, em tor­no da es­tá­tua eques­tre.

No protesto da Ku Klux Klan em 8 de ju­lho, a po­lí­cia es­ta­du­al usou gás-pi­men­ta pa­ra dis­per­sar a mul­ti­dão.

Kes­s­ler, que or­ga­ni­zou o ato des­te sá­ba­do e se in­ti­tu­la um “de­fen­sor dos bran­cos”, afir­mou em en­tre­vis­ta que seu ob­je­ti­vo é “de­ses­tig­ma­ti­zar a de­fe­sa das pes­so­as bran­cas pa­ra que elas pos­sam lu­tar por seus in­te­res­ses as­sim co­mo qual­quer ou­tro gru­po”.

As au­to­ri­da­des mu­ni­ci­pais ha­vi­am ne­ga­do per­mis­são pa­ra o ato no par­que. A As­so­ci­a­ção Ame­ri­ca­na pa­ra as Li­ber­da­des Ci­vis (Aclu), po­rém, en­trou com uma queixa em no­me de Kes­s­ler pa­ra que ele pu­des­se man­ter sua ma­ni­fes­ta­ção con­for­me pla­ne­ja­do.

Guar­das pro­te­gem es­tá­tua do gal. Lee em Char­lot­tes­vil­le

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.