Vi­si­tas a uma clí­ni­ca pa­ra dependentes de opiá­ce­os em

Folha De S.Paulo - - Mundo -

Ohio, a uma es­co­la de Rho­de Is­land, a uma mon­ta­do­ra per­to de De­troit, um tour em uma re­ser­va in­dí­ge­na em Mon­ta­na e um jan­tar com re­fu­gi­a­dos so­ma­lis em Min­ne­a­po­lis.

A agen­da que já in­clui pas­sa­gens por mais de 20 Es­ta­dos des­de ja­nei­ro po­de­ria ser a de um can­di­da­to em cam­pa­nha pe­la Ca­sa Bran­ca, mas é, ofi­ci­al­men­te, par­te do de­sa­fio au­toim­pos­to pe­lo fun­da­dor do Fa­ce­bo­ok, Mark Zuc­ker­berg, nes­te ano.

A in­ten­sa pro­gra­ma­ção e as pos­ta­gens em sua re­de exal­tan­do ca­da pa­ra­da de­ram iní­cio a rumores de uma can­di­da­tu­ra de Zuc­ker­berg, 33, à Pre­si­dên­cia em 2020.

As es­pe­cu­la­ções ga­nha­ram cor­po com a con­tra­ta­ção do es­tra­te­gis­ta-chefe da cam­pa­nha de Hil­lary Clin­ton, Jo­el Be­nen­son, pa­ra tra­ba­lhar na Ini­ci­a­ti­va Chan Zuc­ker­berg, fundação so­ci­al to­ca­da por ele e a mu­lher, Pris­cil­la Chan.

Tam­bém in­te­gra a or­ga­ni­za­ção, cri­a­da em de­zem­bro de 2015, Da­vid Plouf­fe, o gu­ru de Ba­rack Oba­ma na vi­to­ri­o­sa cam­pa­nha de 2008.

A me­ta de Zuc­ker­berg pa­ra o ano é per­cor­rer 30 dos 50 Es­ta­dos do país pa­ra “es­cu­tar” os ame­ri­ca­nos —na­da po­de­ria se pa­re­cer mais com uma ca­ra­va­na po­lí­ti­ca.

“A tec­no­lo­gia e a glo­ba­li­za­ção cri­a­ram mui­tos be­ne­fí­ci­os, mas pa­ra mui­ta gen­te tam­bém tor­na­ram a vi­da mais de­sa­fi­a­do­ra. Pre­ci­sa­mos achar uma for­ma de mu­dar o jo­go pa­ra que fun­ci­o­ne pa­ra todo mundo”, es­cre­veu Zuc­ker­berg ao jus­ti­fi­car a tur­nê.

Al­gu­mas pes­qui­sas pa­ra 2020 já in­clu­em seu no­me, co­mo uma fei­ta em ju­lho pe­lo Pu­blic Po­licy Pol­ling, li­ga­do aos de­mo­cra­tas, com 836 elei­to­res e mar­gem de er­ro de 3,4%. Se­gun­do o le­van­ta­men­to, se a elei­ção fos­se hoje, Zuc­ker­berg em­pa­ta­ria com Trump com 40% dos vo­tos.

“Nes­te mo­men­to, não há ra­zão pa­ra Zuc­ker­berg não con­cor­rer. Ele é uma im­por­tan­te fi­gu­ra nos ne­gó­ci­os e nas mí­di­as so­ci­ais, e re­pre­sen­ta uma voz no­va no ce­ná­rio po­li­ti­co”, diz Ju­li­an Ze­li­zer, pro­fes­sor da Uni­ver­si­da­de Prin­ce­ton es­pe­ci­a­lis­ta em his­tó­ri­ca po­lí­ti­ca ame­ri­ca­na.

Ape­sar de não ser fi­li­a­do a ne­nhum par­ti­do, Zuc­ker­berg res­sal­ta po­si­ções co­mo o apoio à co­mu­ni­da­de LGBT, aos re­fu­gi­a­dos e imi­gran­tes e à pro­du­ção de ener­gia lim­pa.

Mes­mo não sen­do crí­ti­co cons­tan­te de Trump, po­si­ci­o­na-se con­tra me­di­das co­mo o de­cre­to que ve­ta­va tem­po­ra­ri­a­men­te a en­tra­da de re­fu­gi­a­dos e de ci­da­dãos de se­te paí­ses de mai­o­ria mu­çul­ma­na e a proi­bi­ção de trans­gê­ne­ros nas For­ças Ar­ma­das.

“To­dos de­ve­ri­am po­der ser­vir seu país, não im­por­ta quem se­jam”, es­cre­veu em seu per­fil na re­de. A men­sa­gem te­ve 652 mil cur­ti­das e 25.500 com­par­ti­lha­men­tos. FA­CE­BO­OK CO­MO AR­MA Hans No­el, ci­en­tis­ta po­lí­ti­co da Uni­ver­si­da­de de Ge­or­ge­town, vê “vá­ri­as ex­pli­ca­ções ino­cen­tes” pa­ra os mo­vi­men­tos re­cen­tes do cri­a­dor do Fa­ce­bo­ok, co­mo ten­tar en­ten­der melhor co­mo sua fer­ra­men­ta in­flu­en­cia elei­ções.

Ele, con­tu­do, con­si­de­ra que Zuc­ker­berg tem van­ta­gens so­bre ou­tros “out­si­ders” numa even­tu­al cam­pa­nha. “Ele con­tro­la uma plataforma cru­ci­al pa­ra no­tí­ci­as e, mes­mo que não a ma­ni­pu­le em be­ne­fí­cio pró­prio, sa­be usá-la. E tem aces­so a to­ne­la­das de da­dos úteis.”

Di­nhei­ro tam­bém não se­rá pro­ble­ma, pois Zuc­ker­berg é hoje o quin­to ho­mem mais ri­co do mundo, com US$ 72,6 bi­lhões, se­gun­do a “For­bes”. Tam­pou­co pe­sa­rá con­tra sua ima­gem, cal­cu­la­da pa­ra pas­sar a per­cep­ção de de­sa­pe­go.

Em 2016, ao jus­ti­fi­car por que sem­pre usa­va a mes­ma ca­mi­se­ta cin­za e je­ans, Zuc­ker­berg dis­se que não que­ria “gas­tar tem­po com coi­sas frí­vo­las”. Ca­da ca­mi­se­ta, fei­ta sob me­di­da pe­la gri­fe ita­li­a­na Bru­nel­lo Cu­ci­nel­li, con­tu­do, cus­ta cer­ca de R$ 1.200.

Pa­ra No­el, os de­mo­cra­tas de­vem pre­fe­rir ou­tro no­me em 2020. “Mas eles po­dem es­tar tão di­vi­di­dos qu­an­to os re­pu­bli­ca­nos em 2016, dan­do aber­tu­ra pa­ra um ‘out­si­der’.”

Ze­li­zer diz crer que um governo ruim de Do­nald Trump não ne­ces­sa­ri­a­men­te atra­pa­lhe a elei­ção de ou­tro no­va­to. “Po­de ha­ver um de­se­jo de ele­ger al­guém com ex­pe­ri­ên­cia. Mas [Ro­nald] Re­a­gan foi vis­to co­mo out­si­der, e aca­bou der­ro­tan­do Jimmy Car­ter.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.