Pou­cas em­pre­sas têm mu­lher no co­man­do

Avan­ço fe­mi­ni­no na cú­pu­la de com­pa­nhi­as é mais len­to no Bra­sil do que em paí­ses co­mo Índia, Colôm­bia e No­ru­e­ga

Folha De S.Paulo - - Mercado - ÉRICA FRAGA

Gran­des em­pre­sas co­me­çam a fa­lar mais aber­ta­men­te so­bre a bai­xa re­pre­sen­ta­ção fe­mi­ni­na na ges­tão

O nú­me­ro de mu­lhe­res ocu­pan­do car­gos nas cú­pu­las das em­pre­sas bra­si­lei­ras tem avan­ça­do va­ga­ro­sa­men­te nos úl­ti­mos anos.

Da­dos de re­la­tó­rio re­cen­te da con­sul­to­ria De­loit­te mos­tram que a par­ti­ci­pa­ção fe­mi­ni­na em con­se­lhos de ad­mi­nis­tra­ção de 64 com­pa­nhi­as de mé­dio e gran­de por­te pas­sou de 6,3% pa­ra 7,7% en­tre 2015 e 2017.

O au­men­to de 1,4 pon­to per­cen­tu­al re­pre­sen­tou pou­co me­nos da me­ta­de do cres­ci­men­to mé­dio de 3 pon­tos per­cen­tu­ais re­gis­tra­do pe­los 44 paí­ses pes­qui­sa­dos.

Fi­cou mui­to aquém ain­da dos sal­tos de na­ções de­sen­vol­vi­das que per­se­guem es­sa agen­da há mais tem­po, co­mo No­va Ze­lân­dia e No­ru­e­ga, com au­men­tos de, res­pec­ti­va­men­te, 10 e 5 pon­tos per­cen­tu­ais, e de al­guns emer­gen­tes co­mo Colôm­bia (alta de 7,5 pon­tos per­cen­tu­ais).

Se­gun­do Ca­mi­la Araú­jo, só­cia da De­loit­te, é pos­sí­vel que, com a crise econô­mi­ca e as de­nún­ci­as de corrupção que afe­ta­ram o mundo cor­po­ra­ti­vo, a agen­da da di­ver­si­da­de te­nha fi­ca­do tem­po­ra­ri­a­men­te em se­gun­do plano.

“Ou­tras pau­tas, co­mo a ne­ces­si­da­de de re­for­çar a área de ‘com­pli­an­ce’ das em­pre­sas, se tor­na­ram mui­to ur­gen­tes. Mas a ten­dên­cia de bus­ca por mai­or par­ti­ci­pa­ção fe­mi­ni­na é an­te­ri­or aos úl­ti­mos dois anos e vai con­ti­nu­ar.”

Se­gun­do a con­sul­to­ria Gre­at Pla­ce to Work (GPTW), en­tre as em­pre­sas con­si­de­ra­das as me­lho­res pa­ra tra­ba­lhar no Bra­sil, a par­ce­la de mu­lhe­res em car­gos de che­fia pas­sou de 11% pa­ra 33% do to­tal en­tre 1997 e 2016.

O nú­me­ro de pre­si­den­tes de em­pre­sas do se­xo fe­mi­ni­no tam­bém tem cres­ci­do.

Elas eram 13% en­tre as 150 com­pa­nhi­as clas­si­fi­ca­das pe­la GPTW co­mo as mais atra­ti­vas pa­ra os fun­ci­o­ná­ri­os no ano pas­sa­do e pas­sa­ram a re­pre­sen­tar 16% do to­tal de co­man­dan­tes nes­te ano.

“Po­de pa­re­cer pou­co, mas não é. Em um pas­sa­do não mui­to re­mo­to, era ra­rís­si­mo en­con­trar uma CEO mu­lher”, diz Li­na Ei­ko Na­ka­ta, ge­ren­te de con­teú­do da con­sul­to­ria. DIS­CUS­SÃO Ape­sar dos avan­ços gra­du­ais, gran­des em­pre­sas co­me­çam a fa­lar mais aber­ta­men­te so­bre a bai­xa re­pre­sen­ta­ção fe­mi­ni­na em car­gos de ges­tão.

Elas apon­tam a exis­tên­cia de um nó em sua hi­e­rar­quia que im­pe­de que as mu­lhe­res avan­cem no mes­mo rit­mo que os ho­mens a par­tir de um mo­men­to da car­rei­ra que ten­de a coin­ci­dir com a ma­ter­ni­da­de.

No San­tan­der, por exem­plo, a fa­tia to­tal de che­fes do se­xo fe­mi­ni­no che­ga a 37% no Bra­sil. Mas, qu­an­do o re­cor­te é fei­to do car­go de su­pe­rin­ten­den­te pa­ra ci­ma, o per­cen­tu­al cai pa­ra 23%.

O mes­mo ocor­re no Itaú Uni­ban­co. As mu­lhe­res re­pre­sen­ta­vam 51% dos co­or­de­na­do­res, 36% dos ge­ren­tes, 24% dos su­pe­rin­ten­den­tes e 13% dos di­re­to­res, em mar­ço.

“Con­for­me a gen­te vai su­bin­do na hi­e­rar­quia do ban­co, vai per­den­do re­pre­sen­ta­ção da sociedade”, afir­ma Clau­dia Po­li­tans­ki, vi­ce-pre­si­den­te do Itaú Uni­ban­co.

Ela res­sal­ta que os nú­me­ros do ban­co vêm me­lho­ran­do —em 2003, as di­re­to­ras mu­lhe­res eram 3%, mas que há um lon­go ca­mi­nho pe­la fren­te. “No co­mi­tê exe­cu­ti­vo, sou só eu. E, no con­se­lho, a gen­te não tem ne­nhu­ma mu­lher”, afir­ma a exe­cu­ti­va.

Por cau­sa des­se ti­po de di­ag­nós­ti­co, mais em­pre­sas têm dis­cu­ti­do in­ter­na­men­te as bar­rei­ras ao avan­ço fe­mi­ni­no e ado­ta­do me­di­das co­mo me­tas de ele­var a par­ce­la fe­mi­ni­na em car­gos de ges­tão.

Ou­tra ação que tem se tor­na­do mais co­mum é ten­tar ga­ran­tir que nos pro­ces­sos se­le­ti­vos pa­ra va­gas de che­fia exis­ta pe­lo me­nos uma mu­lher tan­to en­tre os res­pon­sá­veis pe­la de­ci­são qu­an­to en­tre os can­di­da­tos.

Ga­bri­el Cabral/Folhapress

Ca­mi­la Araú­jo, só­cia da con­sul­to­ria De­loit­te, em São Pau­lo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.