Em­pre­sas se adap­tam pa­ra atrair exe­cu­ti­vas

Trei­na­men­to de pro­fis­si­o­nais e po­lí­ti­cas de tra­ba­lho em ca­sa e de ho­rá­rio fle­xí­vel são al­gu­mas das al­ter­na­ti­vas

Folha De S.Paulo - - Mercado -

Não dei­xa de ser uma tra­du­ção de pre­con­cei­to. E to­dos nós, ho­mens e mu­lhe­res, te­mos vi­e­ses in­cons­ci­en­tes. Se a gen­te não co­me­çar a dis­cu­tir is­so aber­ta­men­te e a agir, vão se pas­sar 80 anos sem gran­des mu­dan­ças

Con­ven­cer as mu­lhe­res de que po­dem al­çar vo­os mais al­tos na car­rei­ra é ou­tro la­do sen­sí­vel na ques­tão de gê­ne­ro

As em­pre­sas bra­si­lei­ras co­me­çam a in­cor­po­rar o ter­mo “viés in­cons­ci­en­te” ao seu vo­ca­bu­lá­rio. A ideia é cha­mar a aten­ção de seus fun­ci­o­ná­ri­os pa­ra idei­as pre­con­ce­bi­das em re­la­ção a gru­pos es­pe­cí­fi­cos, co­mo mu­lhe­res, negros e de­fi­ci­en­tes fí­si­cos.

No ca­so de gê­ne­ro, um exem­plo é a cren­ça de que, após ca­sa­men­to e ma­ter­ni­da­de, o de­sem­pe­nho pro­fis­si­o­nal da mu­lher ten­de a pi­o­rar.

“Não dei­xa de ser uma tra­du­ção de pre­con­cei­to. E to­dos nós, ho­mens e mu­lhe­res, te­mos vi­e­ses in­cons­ci­en­tes”, diz Va­nes­sa Lo­ba­to, vi­ce-pre­si­den­te de re­cur­sos hu­ma­nos do San­tan­der no Bra­sil.

“Se a gen­te não co­me­çar a dis­cu­tir is­so aber­ta­men­te e a agir, vão se pas­sar 80 anos sem gran­des mu­dan­ças”, afir­ma a exe­cu­ti­va.

O San­tan­der no Bra­sil lan­çou pe­la pri­mei­ra vez um po­si­ci­o­na­men­to ofi­ci­al so­bre di­ver­si­da­de no iní­cio des­te ano e fez um trei­na­men­to com 120 fun­ci­o­ná­ri­os com car­go de che­fia no país.

Ou­tro la­do sen­sí­vel da ques­tão de gê­ne­ro, se­gun­do es­pe­ci­a­lis­tas e ges­to­res, é con­ven­cer as mu­lhe­res de que elas po­dem al­çar vo­os mais al­tos na car­rei­ra.

“Sin­to que a pró­pria mu­lher co­lo­ca bar­rei­ras”, afir­ma Eri­ka Ta­kahashi, vi­ce-pre­si­den­te de Re­cur­sos Hu­ma­nos da Mas­terCard.

De acor­do com Ta­kahashi, por is­so é im­por­tan­te que as em­pre­sas de­mons­trem que en­ten­dem que as pes­so­as atra­ves­sam mo­men­tos de vi­da di­fe­ren­tes e cri­em es­pa­ço pa­ra que os fun­ci­o­ná­ri­os con­si­gam con­ci­li­ar o la­do pes­so­al ao pro­fis­si­o­nal.

Des­de o ano pas­sa­do, a Mas­terCard ins­ti­tuiu uma po- VA­NES­SA LO­BA­TO vi­ce-pre­si­den­te do San­tan­der

Sem­pre gos­tei mui­to do que fa­ço e co­lo­quei fo­co na car­rei­ra, mas sa­cri­fi­quei mi­nha vi­da pes­so­al

CA­MI­LA ARAÚ­JO

só­cia da Del­loi­te lí­ti­ca de tra­ba­lho em ca­sa e de ho­rá­ri­os fle­xí­veis. O Itaú Uni­ban­co tam­bém co­me­çou há pou­co um pro­je­to-piloto pa­ra tes­tar o “ho­me of­fi­ce”.

Ca­mi­la Araú­jo, só­cia da con­sul­to­ria De­loit­te, res­sal­ta que, sem me­di­das des­se ti­po, as em­pre­sas vão se tor­nar me­nos atra­ti­vas.

“Sem­pre gos­tei mui­to do que fa­ço e co­lo­quei fo­co na car­rei­ra, mas sa­cri­fi­quei mi­nha vi­da pes­so­al. De­mo­rei pa­ra ten­tar en­gra­vi­dar e pre­ci­sei fa­zer tra­ta­men­to”, diz ela, que es­tá grávida do pri­mei­ro fi­lho, aos 40. “Olhan­do pa­ra trás, eu te­ria bus­ca­do um equi­lí­brio mai­or.” PA­PEL EQUÂNIME Pa­ra Re­gi­na Ma­da­loz­zo, pes­qui­sa­do­ra do Ins­per, tam­bém é pre­ci­so pro­mo­ver po­lí­ti­cas que con­tri­bu­am pa­ra um pa­pel mais equânime en­tre os gê­ne­ros na sociedade.

“A per­cep­ção cul­tu­ral do pa­pel do ho­mem tem de mu­dar”, afir­ma a pes­qui­sa­do­ra.

Se­gun­do ela, me­di­das co­mo li­cen­ça-pa­ter­ni­da­de mais lon­ga são im­por­tan­tes.

Re­cen­te­men­te, al­gu­mas em­pre­sas —a mai­o­ria multinacionais— têm ofe­re­ci­do pe­río­dos de au­sên­cia pa­ter­na mai­o­res que os cin­co ou 20 di­as pre­vis­tos na lei bra­si­lei­ra.

Pa­ra Cas­si­a­no Di­as, di­re­tor de de­sen­vol­vi­men­to de ne­gó­ci­os com co­mer­ci­an­tes da Mas­terCard, o be­ne­fí­cio con­tri­bui mui­to pa­ra o mai­or equi­lí­brio en­tre os gê­ne­ros.

Pai de uma me­ni­na de dois me­ses, ele op­tou por di­vi­dir o be­ne­fí­cio de 56 di­as de li­cen­ça em três pe­río­dos. Lo­go após o nas­ci­men­to, se au­sen­tou por 15 di­as. Qu­an­do a mu­lher vol­tar a tra­ba­lhar, em ou­tu­bro, vai ti­rar mais 20 di­as.

“Vou apro­vei­tar mais es­sa fa­se úni­ca em que o be­bê co­me­ça a sor­rir, a in­te­ra­gir, e mi­nha mu­lher vai se sen­tir me­nos pres­si­o­na­da e mais tran­qui­la”, afir­ma o di­re­tor.

Em de­zem­bro, Di­as pre­ten­de usu­fruir do res­tan­te da li­cen­ça pa­ra fi­car com a be­bê e com o fi­lho mai­or de cin­co anos que es­ta­rá de fé­ri­as. (EF)

Ga­bri­el Cabral/Folhapress

Cas­si­a­no Di­as, di­re­tor da Mas­terCard, que vai ti­rar li­cen­ça-pa­ter­ni­da­de de 56 di­as

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.