Di­ver­si­da­de me­lho­ra de­ci­sões em­pre­sa­ri­ais, diz vi­ce do Itaú

Folha De S.Paulo - - Mercado -

DE SÃO PAU­LO

O au­men­to da di­ver­si­da­de en­tre os fun­ci­o­ná­ri­os me­lho­ra o pro­ces­so de to­ma­da de de­ci­são das em­pre­sas.

A opinião é de Clau­dia Po­li­tans­ki, vi­ce-pre­si­den­te e mem­bro do co­mi­tê exe­cu­ti­vo do Itaú Uni­ban­co. Úni­ca mu­lher na cú­pu­la do ban­co, ela é a res­pon­sá­vel por transformar a di­ver­si­da­de “em um va­lor”.

No ca­so da de­si­gual­da­de de gê­ne­ro, Po­li­tans­ki res­sal­ta que, “en­quan­to a atri­bui­ção da res­pon­sa­bi­li­da­de [nas fa­mí­li­as] for to­da da mu­lher, é di­fí­cil ima­gi­nar que, nas em­pre­sas, te­re­mos equi­da­de”. (ÉRICA FRAGA) Di­ver­si­da­de A gen­te co­me­çou a pen­sar nes­se as­sun­to qu­an­do per­ce­beu que ten­dia a ter pes­so­as mui­to iguais. As pes­so­as pre­ci­sam es­tar com­pra­das com a nos­sa cultura, mas elas po­dem pen­sar di­fe­ren­te e is­so faz com que a dis­cus­são dos as­sun­tos, a for­ma de con­du­zir os ne­gó­ci­os, se­ja mais am­pla. De­se­qui­lí­bri­os Te­mos mais mu­lhe­res do que ho­mens, mais do que na po­pu­la­ção, mas, qu­an­do olha­mos car­gos de li­de­ran­ça, per­ce­be­mos que o per­cen­tu­al de mu­lhe­res vai de­cres­cen­do. Qu­an­do a gen­te olha a ques­tão ra­ci­al, num país de mai­o­ria ne­gra, a gen­te tem não só me­nos negros do que a po­pu­la­ção mas me­nos negros do que o sis­te­ma fi­nan­cei­ro. No ca­so dos por­ta­do­res de de­fi­ci­ên­cia, sem­pre cum­pri­mos a lei de co­tas. Mas não te­mos por­ta­do­res de de­fi­ci­ên­cia ocu­pan­do po­si­ções de li­de­ran­ça. A dis­cus­são LGBT é sen­sí­vel por­que, no fi­nal das con­tas, o que a gen­te es­pe­ra das pes­so­as? A gen­te es­pe­ra que elas se sin­tam à von­ta­de pa­ra co­lo­car seus pon­tos. Por is­so, pa­ra ca­da uma des­sas ques­tões, tra­ça­mos uma es­tra­té­gia. Gê­ne­ro Fo­mos olhar se as mu­lhe­res [no ban­co] têm for­ma­ção di­fe­ren­te da dos ho­mens. E não, é exa­ta­men­te igual. Qu­an­do a gen­te olha a per­for­man­ce, tam­bém é igual. En­tão, o que acon­te­ce? Na tran­si­ção de co­or­de­na­dor pa­ra ge­ren­te, vo­cê es­tá em tor­no dos 30 anos, que é o mo­men­to da ma­ter­ni­da­de. Não acho que exis­ta uma só ques­tão, mas es­ta é cer­ta­men­te re­le­van­te. Viés in­cons­ci­en­te A gen­te fez um tra­ba­lho ten­tan­do en­ten­der is­so, que in­cluiu uma re­pre­sen­ta­ção grá­fi­ca. Co­me­ça com a ima­gem de uma exe­cu­ti­va ar­ru­ma­di­nha e ter­mi­na com ela de ter­no todo de­sar­ru­ma­do, com car­ri­nho de fei­ra, be­bê no co­lo. No fim das con­tas, as pes­so­as pen­sam: aque­la mu­lher, qu­an­do ti­ver cer­ca de 25 anos, vai ca­sar, vai cui­dar dos fi­lhos.

Tem is­so. Mas tem tam­bém o la­do do tra­ba­lho du­ro. En­quan­to a atri­bui­ção da res­pon­sa­bi­li­da­de [nas fa­mí­li­as] for to­da da mu­lher, é di­fí­cil ima­gi­nar que, nas em­pre­sas, te­re­mos equi­da­de. Fa­lo por­que já vi­vi is­so. É mui­to di­fí­cil. Fi­lhas Te­nho du­as fi­lhas adul­tas. Ti­ve a pri­mei­ra com 22 anos. Es­ta­va tra­ba­lhan­do, re­cém­for­ma­da, e me lem­bro que dei­xar aque­le be­be­zi­nho e ir tra­ba­lhar, meu Deus do céu... O pro­pó­si­to da ma­ter­ni­da­de é uma coi­sa mui­to for­te. Vo­cê pre­ci­sa ter no seu tra­ba­lho al­go mui­to for­te tam­bém, que fa­ça di­fe­ren­ça na sua vi­da.

Sem­pre gos­tei mui­to do que fa­zia e tra­cei uma es­tra­té­gia. Qu­an­do eu es­ta­va no ban­co, es­ta­va no ban­co. Todo o tem­po re­ma­nes­cen­te, meu e do meu ma­ri­do, era das me­ni­nas. Nun­ca ti­ve em­pre­ga­da que dor­mis­se, nun­ca ti­ve ba­bá no fim de se­ma­na. Qu­an­do es­ta­va em ca­sa, as fi­lhas eram mi­nhas. Po­lí­ti­cas Apro­va­mos uma po­lí­ti­ca pa­ra mães e ges­tan­tes. No mês da vol­ta da li­cen­ça, o ho­rá­rio é de três ho­ras a me­nos pa­ra quem tem jor­na­da de oi­to ho­ras e de du­as a me­nos pa­ra as com jor­na­da de seis. As me­tas são sus­pen­sas. Não sei se é su­fi­ci­en­te, mas mos­tra a pre­o­cu­pa­ção e põe o as­sun­to na me­sa.

A gen­te tam­bém tem fei­to um com­par­ti­lha­men­to das ex­pe­ri­ên­ci­as. Eu ou­via mui­to de mu­lhe­res: não sei o que vai ser dos meus fi­lhos. Eu pen­sei: te­nho fi­lhas adul­tas, ab­so­lu­ta­men­te nor­mais, ba­ca­nas pra ca­ram­ba. Aí fiz um painel com elas no ban­co. E fi­cou cla­ro que a lem­bran­ça da au­sên­cia de­las é mui­to fo­ca­da em exem­plos es­pe­cí­fi­cos, co­mo “vo­cê fal­tou uma apre­sen­ta­ção de ba­lé por­que ti­nha uma vi­a­gem pa­ra o ex­te­ri­or”. Mas, se a per­gun­ta for: “Vo­cê sen­tiu fal­ta da pre­sen­ça da sua mãe na in­fân­cia e na ado­les­cên­cia?”, a res­pos­ta se­rá não.

Mar­le­ne Ber­ga­mo/Folhapress

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.