Não ve­jo co­mo. A ida­de mí­ni­ma pa­ra a apo­sen­ta­do­ria

Folha De S.Paulo - - Mercado - RA­QUEL LANDIM

DE SÃO PAU­LO

O eco­no­mis­ta Af­fon­so Cel­so Pas­to­re, ex-pre­si­den­te do Ban­co Cen­tral, afir­ma que o mer­ca­do não es­tá pu­nin­do co­mo de­ve­ria o governo Te­mer pe­lo des­con­tro­le fis­cal.

“O mer­ca­do es­tá bê­ba­do com uma si­tu­a­ção in­ter­na­ci­o­nal ex­tre­ma­men­te fa­vo­rá­vel”, diz, ao ex­pli­car a que­da do ris­co-país e do câm­bio.

Ele acre­di­ta que o pre­si­den­te não tem for­ça po­lí­ti­ca pa­ra ele­var im­pos­tos e fa­zer a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia, me­di­das es­sen­ci­ais pa­ra equi­li­brar a dí­vi­da pú­bli­ca. Fo­lha - O se­nhor es­tá pre­o­cu­pa­do com a si­tu­a­ção das con­tas pú­bli­cas?

Af­fon­so Cel­so Pas­to­re - A si­tu­a­ção fis­cal é gra­ve. O cres­ci­men­to da dí­vi­da pú­bli­ca é ab­so­lu­ta­men­te in­sus­ten­tá­vel em ra­zão do au­men­to do gas­to. A ges­tão Te­mer to­mou a ini­ci­a­ti­va de pas­sar uma emen­da cons­ti­tu­ci­o­nal con­ge­lan­do as des­pe­sas re­ais [des­con­ta­da a in­fla­ção].

Mas não con­ge­lou os gas­tos com a Pre­vi­dên­cia e ain­da deu au­men­to pa­ra o fun­ci­o­na­lis­mo. Es­ses, jun­tos, re­pre­sen­tam 80% dos gas­tos pú­bli­cos. Por­tan­to, a pri­mei­ra res­tri­ção fis­cal de Te­mer é cumprir o te­to de gas­tos em 2018. O se­nhor vê ris­cos de que o te­to de gas­tos se­ja des­cum­pri­do?

Cumprir o te­to não é uma es­co­lha. Es­tá na Cons­ti­tui­ção. Se o con­ge­la­men­to de gas­tos não for man­ti­do, a di­nâ­mi­ca da dí­vi­da pú­bli­ca ex­plo­di­rá.

A dí­vi­da pú­bli­ca em pro­por­ção ao PIB já es­ta­va em 50% com Dil­ma, che­gou a 75% qu­an­do Te­mer as­su­miu e es­tá in­do pa­ra 80%. É por is­so que o governo pre­ci­sa tan­to da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia.

Mas a pri­mei­ra dú­vi­da que sur­ge pa­ra qual­quer ci­da­dão é co­mo um governo que gas­ta boa par­te do seu ca­pi­tal po­lí­ti­co só pa­ra se man­ter no po­der vai con­se­guir apoio pa­ra is­so [apro­var a re­for­ma]. O se­nhor ain­da acre­di­ta na apro­va­ção da re­for­ma? pre­ci­sa de 308 vo­tos na Câ­ma­ra, que o governo não tem. Daí co­me­çam a fa­lar em dar uma “ar­ru­ma­di­nha”. O pro­ble­ma é que uma ida­de mí­ni­ma me­nor ge­ra uma eco­no­mia me­nor.

Pre­ci­sa­mos tam­bém de equa­li­za­ção dos be­ne­fí­ci­os pa­gos a fun­ci­o­ná­ri­os pú­bli­cos, mi­li­ta­res etc. com o INSS. Te­mos de fa­zer uma re­for­ma jus­ta so­ci­al­men­te que cai­ba no Or­ça­men­to. Se o governo ti­ves­se for­ça po­lí­ti­ca, é is­so o que fa­ria. Ele ago­ra quer des­co­brir qu­al é o tamanho da sua for­ça. Tam­bém não sei, mas a mi­nha sus­pei­ta é que ela se­ja mui­to pe­que­na. A ex­pec­ta­ti­va é que o governo ele­ve a me­ta de de­fi­cit fis­cal de 2017 e de 2018. Es­sa re­vi­são é ne­ces­sá­ria?

A me­ta fis­cal é a se­gun­da res­tri­ção que o governo en­fren­ta. Hoje, te­mos um de­fi­cit de 2% do PIB e pre­ci­sa­mos de um su­pe­ra­vit de cer­ca de 1,5% num ce­ná­rio oti­mis­ta pa­ra re­du­zir a dí­vi­da pú­bli­ca em re­la­ção ao PIB.

Com a que­da de ar­re­ca­da­ção pro­vo­ca­da pe­la crise, o governo dis­se que ia fe­char o bu­ra­co com re­cei­tas não re­cor­ren­tes, mas não con­se­guiu.

A se­gun­da fa­se de re­pa­tri­a­ção de ca­pi­tal não saiu. A Câ­ma­ra trans­for­mou o Re­fis num pro­je­to in­de­co­ro­so que fa­vo­re­ce os pró­pri­os de­pu­ta­dos e pre­ci­sa ser ve­ta­do.

O governo tam­bém não foi ca­paz de apro­var a re­o­ne­ra­ção da fo­lha de pa­ga­men­to. Con­ta­va com a re­cei­ta das con­ces­sões, mas não con­se­guiu fa­zer os pro­je­tos.

Em re­su­mo: a pre­vi­são de re­cei­ta se frus­trou não ape­nas por cau­sa da re­ces­são mas tam­bém por­que não apro­va­ram as me­di­das ex­tra­or­di­ná­ri­as pro­pos­tas. Nes­se ce­ná­rio, o se­nhor acha que a re­vi­são da me­ta fis­cal é ine­vi­tá­vel?

Acho que o governo vai as­su­mir que não con­se­gue cumprir. O pro­ble­ma é que con­fi­an­ça se po­de ter em qual­quer nú­me­ro que se­ja apre­sen­ta­do.

A equa­ção atu­al só fe­cha com au­men­to de im­pos­to e cor­te de gas­to. Mas, do mes­mo jei­to que o governo não tem for­ça pa­ra apro­var a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia, tam­bém não con­se­gue su­bir im­pos­to. Te­mer fa­lou em ele­var o Im­pos­to de Ren­da, mas lo­go vol­tou atrás.

Não ve­jo co­mo fe­char es­se bu­ra­co sem au­men­to de im­pos­to e sem cor­te de gas­tos. Vai ser pre­ci­so fa­zer as du­as coi­sas.

Ele­var o Im­pos­to de Ren­da pre­ju­di­ca mui­to as pes­so­as. Eles sol­ta­ram o ba­lão de en­saio e en­fren­ta­ram uma enor­me O ris­co Bra­sil es­tá bai­xo, e o dó­lar re­cu­ou. Se a si­tu­a­ção é tão ruim, por que o mer­ca­do não re­a­ge?

Por­que o mer­ca­do es­tá bê­ba­do com uma si­tu­a­ção in­ter­na­ci­o­nal ex­tre­ma­men­te fa­vo­rá­vel. Nun­ca ti­ve­mos no mundo uma li­qui­dez tão alta e um grau de aver­são a ris­co tão bai­xo.

Não é o real que apre­cia ou o CDS (ris­co-país) bra­si­lei­ro que cai. São as mo­e­das de to­dos os emer­gen­tes que es­tão se va­lo­ri­zan­do.

Com os Es­ta­dos Uni­dos su­bin­do os ju­ros me­nos que o es­pe­ra­do e com a Eu­ro­pa ain­da in­je­tan­do li­qui­dez, os ca­pi­tais mi­gram pa­ra os paí­ses emer­gen­tes.

O ín­di­ce Vix, que me­de aver­são a ris­co, che­gou a ba­ter en­tre 60 e 80 pon­tos e hoje es­tá abai­xo de 10 —um mí­ni­mo his­tó­ri­co.

O de­sem­pe­nho do câm­bio não sig­ni­fi­ca que o mer­ca­do não re­co­nhe­ça que exis­te um pro­ble­ma fis­cal ou que acre­di­te que o Te­mer tem for­ça po­lí­ti­ca pa­ra re­sol­vê-lo.

Os in­ves­ti­do­res sa­bem que exis­te um ris­co. Mas a alta de­man­da por ativos bra­si­lei­ros mas­ca­ra o pro­ble­ma e o mer­ca­do

“es­tá to­man­do uma ro­ta de re­cu­pe­ra­ção sem de­se­qui­lí­brio in­fla­ci­o­ná­rio, mas is­so não re­sis­te a de­se­qui­lí­brio fis­cal per­ma­nen­te. No lon­go pra­zo, de­sa­jus­ta a po­lí­ti­ca mo­ne­tá­ria e provoca uma si­tu­a­ção caó­ti­ca. Só não sa­be­mos qu­an­do is­so vai ocor­rer

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.