Não pu­ne o governo co­mo de­ve­ria.

Folha De S.Paulo - - Mercado -

opo­si­ção. De on­de vem es­sa opo­si­ção?

Se o governo es­ti­ves­se fa­zen­do um ajus­te fis­cal bem­fei­to, se ti­ves­se apro­va­do a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia, se es­ti­ves­se vi­si­vel­men­te pro­du­zin­do re­sul­ta­dos, te­ria apoio.

Não que­ro di­zer que não há re­sul­ta­dos po­si­ti­vos. A po­lí­ti­ca mo­ne­tá­ria es­tá in­do bem: a in­fla­ção foi an­co­ra­da, e a ta­xa de ju­ros vem cain­do. Es­tou me re­fe­rin­do à ba­ta­lha no cam­po fis­cal. Ape­sar do de­sar­ran­jo das con­tas pú­bli­cas, a eco­no­mia es­tá se re­cu­pe­ran­do. Por quê?

O mo­tor da re­cu­pe­ra­ção é a que­da da ta­xa de ju­ros. O de­sa­jus­te das con­tas ain­da não pro­vo­cou uma pi­o­ra na in­fla­ção por­que a eco­no­mia es­tá mui­to fra­ca.

O BC cor­tou um pon­to por­cen­tu­al da ta­xa Se­lic e de­ve cor­tar mais. O con­sen­so de mer­ca­do hoje é que os ju­ros es­te­jam em 7,5% no fim do ano, e acho que é por aí mes­mo.

Co­mo a eco­no­mia ain­da não se re­cu­pe­rou, te­mos uma for­ça de­sin­fla­ci­o­ná­ria mui­to for­te. Os pre­ços ad­mi­nis­tra­dos [ta­ri­fas, co­mo as de ener­gia elé­tri­ca] ten­dem à es­ta­bi­li­da­de, en­quan­to os pre­ços dos bens du­rá­veis têm de­fla­ção.

A eco­no­mia es­tá to­man­do uma ro­ta de re­cu­pe­ra­ção sem de­se­qui­lí­brio in­fla­ci­o­ná­rio, mas is­so não re­sis­te a de­se­qui­lí­brio fis­cal per­ma­nen­te.

No lon­go pra­zo, de­sa­jus­ta a po­lí­ti­ca mo­ne­tá­ria e provoca uma si­tu­a­ção caó­ti­ca. Só não sa­be­mos qu­an­do is­so vai ocor­rer. Num ce­ná­rio mui­to fa­vo­rá­vel, po­de con­ti­nu­ar até o pró­xi­mo governo. É melhor em­pur­rar o pro­ble­ma até 2018 ou tro­car o governo ago­ra?

Não me com­pe­te opi­nar so­bre a per­ma­nên­cia ou não do governo. O que eu acho é o se­guin­te: go­ver­nos sem for­ça po­lí­ti­ca têm de­sem­pe­nhos econô­mi­cos pi­o­res.

O de­sem­pe­nho econô­mi­co do governo Te­mer, por­tan­to, se­rá pi­or do que po­de­ria ser se não ti­ves­se per­di­do for­ça po­lí­ti­ca. O que um no­vo governo elei­to em 2018 de­ve­ria fa­zer?

O Bra­sil já en­trou e saiu de vá­ri­as cri­ses. Te­mos uma crise fis­cal e pre­ci­sa­mos re­sol­ver.

Mas tam­bém pre­ci­sa­mos fa­zer re­for­mas mi­cro­e­conô­mi­cas, abrir a eco­no­mia, pa­rar de dar “bol­sa em­pre­sá­rio”, ti­rar os sub­sí­di­os do BNDES.

É uma agen­da co­nhe­ci­da, e boa par­te es­tá na “Pon­te pa­ra o Fu­tu­ro”, que Te­mer sol­tou lá atrás.

Es­ta­va tam­bém na ca­be­ça de Ar­mí­nio Fraga [ex-pre­si­den­te do BC], qu­an­do ele ain­da es­ta­va ao la­do de Aé­cio Ne­ves [ex-can­di­da­to do PSDB à Pre­si­dên­cia fla­gra­do pe­din­do di­nhei­ro a um em­pre­sá­rio].

O Bra­sil vai ter que exe­cu­tar es­sa agen­da mais ce­do ou mais tar­de, res­pei­tan­do e re­for­çan­do as su­as ins­ti­tui­ções.

“ti­ve­mos no mundo uma li­qui­dez tão alta e um grau de aver­são a ris­co tão bai­xo. Os in­ves­ti­do­res sa­bem que exis­te um ris­co. Mas a alta de­man­da por ativos bra­si­lei­ros mas­ca­ra o pro­ble­ma e o mer­ca­do não pu­ne o governo co­mo de­ve­ria

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.