Pa­ra so­bre­vi­ver, sin­di­ca­to te­rá de se rein­ven­tar, di­zem pes­qui­sa­do­res

Mu­dan­ças no fi­nan­ci­a­men­to e na re­pre­sen­ta­ção vão exi­gir atu­a­ção mais pró­xi­ma das ca­te­go­ri­as

Folha De S.Paulo - - Mercado - ANA ES­TE­LA DE SOU­SA PINTO

En­ti­da­des já dis­cu­tem re­sis­tên­cia co­mum, afir­ma con­sul­tor sindical, que cri­ti­ca re­for­ma tra­ba­lhis­ta

O fim do fi­nan­ci­a­men­to obri­ga­tó­rio (que en­ti­da­des ten­tam re­ver­ter) é só um dos efei­tos da re­for­ma tra­ba­lhis­ta so­bre os sin­di­ca­tos —e, se bem usa­do, po­de for­ta­le­cê­los, de­fen­dem cin­co eco­no­mis­tas que es­tu­dam o te­ma.

“A re­for­ma abre op­ções de es­co­lhas es­tra­té­gi­cas”, diz Hélio Zyl­bers­tajn, pro­fes­sor da USP e co­or­de­na­dor do Pro­je­to Sa­la­ri­ô­me­tro da Fi­pe.

“Se as es­co­lhas fo­rem ta­ca­nhas, na­da mu­da. Mas, se en­ten­de­rem que é um mo­men­to de mu­dan­ça de pa­ra­dig­ma, tu­do po­de me­lho­rar.”

Pro­mul­ga­da em ju­lho, a lei nº 13.467 pas­sa a va­ler em no­vem­bro com pe­lo me­nos qua­tro efei­tos di­re­tos no mundo sindical (leia tex­to abai­xo).

O pri­mei­ro é o fim do des­con­to de um dia de tra­ba­lho de todo em­pre­ga­do.

Co­nhe­ci­do co­mo im­pos­to sindical, o re­cur­so so­mou R$ 2,6 bi­lhões em 2016 (60% do des­con­ta­do), fon­te fun­da­men­tal de ma­nu­ten­ção das en­ti­da­des mais fra­cas.

Es­ti­ma-se que me­ta­de dos 7.000 sin­di­ca­tos de tra­ba­lha­do­res ur­ba­nos do se­tor pri­va­do te­nha sur­gi­do só pa­ra re­ce­ber o im­pos­to, sem atu­ar por seus re­pre­sen­ta­dos.

Ago­ra, o des­con­to se­rá fei­to ape­nas dos tra­ba­lha­do­res que o au­to­ri­za­rem. Com a pers­pec­ti­va de per­der es­sa ver­ba, en­ti­da­des ten­tam em­pla­car ou­tra con­tri­bui­ção, de­ci­di­da na as­sem­bleia que apro­va a con­ven­ção co­le­ti­va.

Se 10% da ca­te­go­ria par­ti­ci­par da vo­ta­ção e me­ta­de de­les mais um apro­va­rem o des­con­to, ele va­le­rá pa­ra to­dos.

“Se fo­rem atrás des­sa mi­ga­lha, não va­mos avan­çar na­da”, afir­ma Zyl­bers­tajn.

Pa­ra Ser­gio Fir­po, pro­fes­sor do Ins­per, não con­tar com re­cei­ta obri­ga­tó­ria le­va­ria os sin­di­ca­tos a atu­ar melhor: “Uma coi­sa é vi­ver de me­sa­da, ou­tra é ter que tra­ba­lhar pa­ra se sus­ten­tar”.

Uma das di­fi­cul­da­des pa- Qua­se dois ter­ços das as­so­ci­a­ções bra­si­lei­ras têm me­nos de 500 mem­bros. Jun­tas, recebem R$ 381,6 mi­lhões ra os sin­di­ca­tos, po­rém, é que su­as con­quis­tas va­lem mes­mo pa­ra os não sin­di­ca­li­za­dos —que são o que os eco­no­mis­tas cha­mam de “free ri­ders”, ou “ca­ro­nei­ros”.

“As con­quis­tas va­lem pa­ra to­dos, mas só ha­ve­rá con­quis­tas se os sin­di­ca­tos con­se­gui­rem se man­ter”, res­sal­ta Fir­po. “É co­mo em um jo­go: se ca­da um achar que o ou­tro vai con­tri­buir, nin­guém con­tri­bui, e to­dos per­dem”, diz Na­er­cio Me­ne­zes Fi­lho, tam­bém do Ins­per.

Me­ne­zes Fi­lho lem­bra que sin­di­ca­tos co­mo o dos ban­cá­ri­os pau­lis­ta­nos, con­si­de­ra­do for­te, de­fen­dem o fim do im­pos­to sindical e de­vol­vem o des­con­to a seus mem­bros.

“Eles en­ten­dem que a ade­são vo­lun­tá­ria for­ta­le­ce a en­ti­da­de. Não lu­ta­ri­am por al­go que os pre­ju­di­ca.”

João Gui­lher­me Var­gas Net­to, con­sul­tor de en­ti­da­des de tra­ba­lha­do­res, dis­cor­da: “Nin­guém defende a sé­rio o fim do im­pos­to”.

Var­gas Net­to, que cha­ma a no­va lei de “de­for­ma tra­ba­lhis­ta”, diz que cor­tar as fon­tes de fi­nan­ci­a­men­to não é a melhor for­ma de com­ba­ter sin­di­ca­tos “de fa­cha­da”.

“A so­lu­ção cor­re­ta se­ria aper­tar a fiscalização.”

Man­ti­das as re­gras da no­va lei, gran­de par­te dos sin­di­ca­tos de­ve pe­re­cer e dar lu­gar a en­ti­da­des mais ver­ti­cais e mais re­pre­sen­ta­ti­vas, di­zem os cin­co eco­no­mis­tas.

Não ha­ve­rá im­pac­to com o de­sa­pa­re­ci­men­to de vá­ri­os sin­di­ca­tos, afir­ma Jo­sé Már­cio Camargo, pro­fes­sor da PUC-Rio, por­que eles já não fun­ci­o­nam na prá­ti­ca.

Na ava­li­a­ção do pro­fes­sor da UnB Jor­ge Ar­ba­che, se­cre­tá­rio de As­sun­tos In­ter­na­ci­o­nais do Mi­nis­té­rio do Pla­ne­ja­men­to, o atu­al sis­te­ma sindical bra­si­lei­ro não faz bem nem pa­ra os sin­di­ca­tos nem pa­ra as re­la­ções de tra­ba­lho.

No Bra­sil, ca­da ca­te­go­ria é re­pre­sen­ta­da por ape­nas um sin­di­ca­to por mu­ni­cí­pio —a cha­ma­da uni­ci­da­de sindical. A fal­ta de com­pe­ti­ção, o fi­nan­ci­a­men­to ga­ran­ti­do e a pos­si­bi­li­da­de de o tra­ba­lha­dor pe­gar ca­ro­na de­ses­ti­mu­lam a as­so­ci­a­ção. Em 2015, eram 18,4 mi­lhões os tra­ba­lha­do­res com 16 anos ou mais sin­di­ca­li­za­dos, 19,5% de um to­tal de 94,4 mi­lhões de em­pre­ga­dos, se­gun­do o IBGE.

Co­mo com­pa­ra­ção, as ta­xas va­ri­am de 50% a 80% nos paí­ses es­can­di­na­vos e fi­cam per­to de 30% na Itá­lia, no Ca­na­dá e no Rei­no Uni­do.

NA­ER­CIO ME­NE­ZES FI­LHO

pro­fes­sor do Ins­per

SER­GIO FIR­PO

pro­fes­sor do Ins­per

O ide­al se­ria uma con­so­li­da­ção na­tu­ral; me­nos sin­di­ca­tos, mais for­tes

Bruno Santos - 30.jun.2017/Folhapress

Cen­trais sin­di­cais fa­zem ma­ni­fes­ta­ção con­tra re­for­mas tra­ba­lhis­ta e da Pre­vi­dên­cia na av. Pau­lis­ta, em São Pau­lo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.