Robôs e ou­tras mu­dan­ças no tra­ba­lho exi­gem es­tra­té­gi­as des­de já

Folha De S.Paulo - - Mercado -

DE SÃO PAU­LO

Há im­pac­tos mais gra­ves pa­ra os sin­di­ca­tos que o fim da con­tri­bui­ção obri­ga­tó­ria, diz o con­sul­tor sindical Jo­sé Gui­lher­me Var­gas Net­to.

Se­gun­do ele, mu­dan­ças co­mo a que per­mi­te acor­dos in­di­vi­du­ais de as­pec­tos co­mo jor­na­da de tra­ba­lho e ban­co de ho­ras (pa­ra tra­ba­lha­do­res mais qua­li­fi­ca­dos) e a que cria comissões de tra­ba­lha­do­res com po­der de ne­go­ci­a­ção di­re­ta com o em­pre­ga­dor fe­rem a ca­pa­ci­da­de de re­pre­sen­ta­ção sindical.

Var­gas Net­to diz que en­ti­da­des de me­ta­lúr­gi­cos de vá­ri­as ten­dên­ci­as dis­cu­tem es­tra­té­gia co­mum pa­ra as ne­go­ci­a­ções des­te se­mes­tre. “Os pró­pri­os sin­di­ca­tos vão des­co­brir con­di­ções de re­sis­tên­cia”, afir­ma.

Os acor­dos di­re­tos são for­ta­le­ci­dos por ou­tra mu­dan­ça na lei, que dá ao que for negociado pre­va­lên­cia so­bre o que es­tá na le­gis­la­ção.

Tal re­gra fa­vo­re­ce tam­bém os sin­di­ca­tos, apon­ta Ser­gio Fir­po, do Ins­per: “An­tes, todo o es­for­ço de ne­go­ci­a­ção ia por água abai­xo, por­que a Jus­ti­ça de­ter­mi­na­va que as con­ces­sões con­tra­ri­a­vam a le­gis­la­ção. A no­va re­gra le­gi­ti- ma a ação dos sin­di­ca­tos”.

Jor­ge Ar­ba­che, da UnB, diz que a re­for­ma po­de levar as re­la­ções de tra­ba­lho a um ou­tro pa­ta­mar. “É pre­ci­so fa­vo­re­cer o com­par­ti­lha­men­to de in­te­res­ses. A eco­no­mia glo­bal exi­ge res­pos­tas mais so­fis­ti­ca­das, é pre­ci­so olhar pa­ra fo­ra da por­ta da fá­bri­ca.” ROBÔS RI­VAIS

“Robôs mui­to ba­ra­tos, softwa­res gra­tui­tos, in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al e mui­tas ou­tras ino­va­ções tec­no­ló­gi­cas vão transformar ain­da mais a for­ma co­mo se pro­du­zem bens e ser­vi­ços.”

Se­gun­do Ar­ba­che, se não se pre­pa­rar pa­ra es­se fu­tu­ro, o país per­de­rá com­pe­ti­ti­vi­da­de e de­man­das tra­ba­lhis­tas fi­ca­rão in­viá­veis tan­to pa­ra em­pre­sas qu­an­to pa­ra go­ver­nos (que não con­se­gui­rão man­ter be­ne­fí­ci­os co­mo se­gu­ro-de­sem­pre­go).

O pro­fes­sor da UnB diz que a saí­da é sin­di­ca­tos e em­pre­sas agi­rem jun­tos pa­ra levar seus se­to­res à li­de­ran­ça, com a cri­a­ção de tec­no­lo­gi­as e no­vas for­mas de em­pre­go.

“A mu­dan­ça po­de do­er ago­ra, mas os sin­di­ca­tos po­dem vol­tar com uma agen­da mui­to mais for­te que a atu­al.”

Hélio Zyl­bers­tajn, da USP, con­cor­da que o país pre­ci­sa se pre­pa­rar pa­ra as mu­dan­ças na for­ma de pro­du­ção, mas con­si­de­ra que o im­pac­to ain­da é re­mo­to no Bra­sil.

“Há mui­to a ser cons­truí­do, mui­to es­pa­ço até exau­rir o mer­ca­do de tra­ba­lho.”

Mu­dan­ças gran­des no mer­ca­do de tra­ba­lho, co­mo ter­cei­ri­za­ção, pe­jo­ti­za­ção e tra­ba­lho com­par­ti­lha­do, tam­bém de­vem levar a no­vas re­vi­sões do sis­te­ma.

JO­SÉ MÁR­CIO CAMARGO

pro­fes­sor da PUC-Rio (Pon­ti­fí­cia Uni­ver­si­da­de Ca­tó­li­ca do Rio)

Sin­di­ca­tos que já são fra­cos vão mor­rer, e is­so é bom

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.