BRA­SIL ACI­MA DO PE­SO NÃO ADI­AN­TA (SÓ) COR­RER

So­zi­nho, exer­cí­cio não ema­gre­ce, mas aju­da a ga­nhar mús­cu­lo, a li­mi­tar a fo­me e a re­du­zir o ris­co de do­en­ças

Folha De S.Paulo - - Saúde+ciência - GA­BRI­EL AL­VES

Co­mo dar a má no­tí­cia pa­ra um pa­ci­en­te obe­so de que o exer­cí­cio pro­va­vel­men­te não vai ema­gre­cê-lo? E que, mes­mo as­sim, ele de­ve se es­for­çar pa­ra man­ter uma prá­ti­ca re­gu­lar? “É um as­sun­to de­li­ca­do”, re­su­me Pe­dro Hal­lal, ci­en­tis­ta bra­si­lei­ro de re­no­me e en­tu­si­as­ta dos be­ne­fí­ci­os da ati­vi­da­de fí­si­ca.

O exer­cí­cio co­mu­men­te é lis­ta­do en­tre as bo­as prá­ti­cas pa­ra quem quer per­der pe­so, mas, so­zi­nho, ele pa­re­ce ser ca­paz de fa­zer pou­co por aque­les que al­me­jam ver al­gum re­sul­ta­do na balança.

“O ema­gre­ci­men­to de­pen­de es­sen­ci­al­men­te de uma con­ta sim­ples: é o to­tal de ener­gia in­ge­ri­da na ali­men­ta­ção me­nos o qu­an­to o or­ga­nis­mo gas­ta di­a­ri­a­men­te”, diz Hal­lal, que co­or­de­nou, pa­ra a re­vis­ta mé­di­ca “Lan­cet”, uma sé­rie de es­tu­dos so­bre o im­pac­to da ina­ti­vi­da­de fí­si­ca na saúde glo­bal.

Se o plano é não me­xer mui­to na di­e­ta —fa­tor mais im­por­tan­te pa­ra o ema­gre­ci­men­to—, a al­ter­na­ti­va se­ria en­tão au­men­tar o gas­to ener­gé­ti­co. A ques­tão, po­rém, é mais com­pli­ca­da do que pa­re­ce, co­me­çan­do pe­la quan­ti­da­de.

A prá­ti­ca de ati­vi­da­de fí­si­ca mo­de­ra­da por 30 mi­nu­tos diá­ri­os tem im­pac­to pe­que­no no com­ba­te à obe­si­da­de, afir­ma Hal­lal. “To­das es­sas di­re­tri­zes da OMS e do Mi­nis­té­rio da Saúde de pra­ti­car meia ho­ra diá­ria de ati­vi­da­de fí­si­ca diá­ria fo­ram pen­sa­das pa­ra ou­tros des­fe­chos, co­mo pre­ve­nir in­far­to, di­a­be­tes, hi­per­ten­são, aci­den­te vas­cu­lar cerebral e cân­ce­res. Além dis­so, há me­lho­ra da saúde ós­sea e da saúde men­tal, di­mi­nuin­do tam­bém o ris­co do mal de Alzhei­mer.”

Qu­an­do a me­ta é com­ba­ter a obe­si­da­de, po­de ser ne­ces­sá­ria uma do­se mai­or de exer­cí­cio: de 45 mi­nu­tos a 1 ho­ra por dia. Mas não de qual­quer ti­po. Es­tu­dos re­cen­tes têm apon­ta­do que exer­cí­ci­os de for­ça, co­mo lu­tas e mus­cu­la­ção, são mais efi­ca­zes do que ca­mi­nha­das, por exem­plo. MÚS­CU­LO A edu­ca­do­ra fí­si­ca e pro­fes­so­ra da Uni­fesp Ana Dâ­ma­so e co­la­bo­ra­do­res cons­ta­ta­ram, após dez anos de pes­qui­sa, que cor­ri­da e ca­mi­nha­da em es­tei­ra até aju­dam a re­du­zir a mas­sa gor­du­ro­sa, mas tam­bém fa­zem o indivíduo per­der mús­cu­lo, o que atra­pa­lha o ema­gre­ci­men­to.

O mús­cu­lo é um te­ci­do me­ta­bo­li­ca­men­te mais ati­vo do que a gor­du­ra, ou se­ja, qu­an­to mais mús­cu­lo uma pes­soa tem no cor­po, mais ener­gia ela gas­ta di­a­ri­a­men­te. A melhor op­ção, no ca­so, se­ria fa­zer um exer­cí­cio mis­to, com­bi­nan­do as du­as mo­da­li­da­des.

Se­gun­do Ana Dâ­ma­so, o de­sa­fio é pre­ser­var, com o exer­cí­cio, a quan­ti­da­de ele­va­da de mús­cu­lo ao mes­mo tem­po em que se con­tro­la a ali­men­ta­ção, man­ten­do a ta­xa me­ta­bó­li­ca e evi­tan­do o efei­to san­fo­na.

Ou­tra di­ca pa­ra o obe­so que Ati­vi­da­de fí­si­ca Mo­vi­men­to cor­po­ral pro­du­zi­do pe­lo mús­cu­lo es­que­lé­ti­co que re­quer gas­to de ener­gia So­bre­pe­so e obe­si­da­de Acú­mu­lo anor­mal ou ex­ces­si­vo de gor­du­ra que ge­ra um mai­or ris­co à saúde quer fa­zer exer­cí­cio e ema­gre­cer —e não se frus­trar no ca­mi­nho— é não fi­car olhan­do pa­ra a balança.

Is­so por­que o exer­cí­cio cos­tu­ma au­men­tar a quan­ti­da­de cor­po­ral de mas­sa ma­gra (composta prin­ci­pal­men­te de mús­cu­los) e di­mi­nuir o de mas­sa gor­da. Co­mo a pri­mei­ra é mais pe­sa­da do que a se­gun­da, é pos­sí­vel se as­sus­tar e achar que a prá­ti­ca de exer­cí­cio en­gor­da.

“Por is­so que todo o meio aca­dê­mi­co re­co­men­da me­dir o ema­gre­ci­men­to não ape­nas em qui­los, mas sim em qui­los de gor­du­ra ou per­cen­tu­al de gor­du­ra”, diz Hal­lal.

Os es­pe­ci­a­lis­tas elen­cam mais mo­ti­vos pa­ra que a ati­vi­da­de fí­si­ca não fi­que re­le­ga­da a um se­gun­do plano na vi­da de quem quer ema­gre­cer.

Um de­les é que o exer­cí­cio re­gu­lar é ca­paz de con­tro­lar a fo­me e re­du­zir a in­ges­tão de car­boi­dra­to e de gor­du­ra, afir­ma Ana Dâ­ma­so.

Ou­tra ra­zão pa­ra le­van­tar do sofá e se me­xer, diz Pe­dro Hal­lal, é que é melhor pa­ra a saúde ser “fat and fit”, gordo e ati­vo, do que só gordo (e, de re­pen­te, até mais sau­dá­vel do que al­gu­mas pes­so­as ma­gras e se­den­tá­ri­as).

Mas uma pre­cau­ção que o obe­so de­ve ado­tar é não exa­ge­rar —es­pe­ci­al­men­te pa­ra evi­tar le­sões e ou­tras frus­tra­ções, que po­dem ser des­con­ta­das na co­mi­da.

Co­mo o plano só da­rá re­sul­ta­dos no mé­dio ou lon­go pra­zo, o ide­al é que a prá­ti­ca se­ja, aci­ma de tu­do, sus­ten­tá­vel.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.