Co­pi­nhos de co­o­pe­ra­ção

Folha De S.Paulo - - Saúde+ciência - REI­NAL­DO JO­SÉ LOPES

SE VO­CÊ nun­ca ou­viu fa­lar do Clou­di­na, in­ver­te­bra­do ma­ri­nho de 543 mi­lhões de anos, não se pre­o­cu­pe: até ler o ar­ti­go ci­en­tí­fi­co que ins­pi­rou es­ta co­lu­na, eu tam­bém não —o que não sig­ni­fi­ca que o bi­cho não se­ja im­por­tan­te, ób­vio. Fós­seis de Clou­di­na acha­dos em Co­rum­bá e La­dá­rio (MS) tra­zem du­as gran­des pis­tas so­bre a ori­gem dos se­res vi­vos e ecos­sis­te­mas com­ple­xos que fi­ze­ram des­ta nos­sa Ter­ra um pla­ne­ta tão sen­sa­ci­o­nal no úl­ti­mo meio bi­lhão de anos.

Es­sa his­tó­ria es­tá numa pes­qui­sa bra­si­lei­ra no pe­rió­di­co “Sci­en­ti­fic Re­ports”. O ar­ti­go é fru­to do tra­ba­lho de mes­tra­do de Bruno Bec­ker-Ker­ber, 25, e é as­si­na­do tam­bém por du­as men­to­ras do ra­paz: Ju­li­a­na de Mo­ra­es Le­me, da USP, e Mí­ri­an Fo­ran­cel­li Pa­che­co, da UFSCar.

A equi­pe ana­li­sou qua­se 300 fós­seis de Clou­di­na, cri­a­tu­ri­nhas que, qu­an­do pre­ser­va­das na rocha, lem­bram va­ga­men­te uma pi­lha de copos en­cai­xa­dos uns nos ou­tros —em mi­ni­a­tu­ra, já que ca­da indivíduo me­dia ape­nas pou­cos cen­tí­me­tros de com­pri­men­to por al­guns mi­lí­me­tros de di­â­me­tro. Há quem pro­po­nha que, no “co­pi­nho” do to­po da pi­lha, ha­via pe­que­nos ten­tá­cu­los que aju­da­ri­am na cap­tu­ra de co­mi­da, mas não há indícios di­re­tos da exis­tên­cia de­les, diz o pes­qui­sa­dor.

Es­tu­dar o Clou­di­na é im­por­tan­te por­que ele é um dos exem­plos da tran­si­ção evo­lu­ti­va que le­vou mui­tos se­res vi­vos a dei­xa­rem de ser mo­les —li­te­ral­men­te. É que, na fa­se fi­nal do chamado pe­río­do Edi­a­ca­ra­no, qu­an­do a cri­a­tu­ra vi­veu, sur­gi­ram os pri­mei­ros exo­es­que­le­tos, equi­va­len­tes às con­chas e ca­ra­pa­ças de mui­tos dos in­ver­te­bra­dos de hoje. O Clou­di­na, por exem­plo, ti­nha uma pro­te­ção du­ra de car­bo­na­to de cál­cio.

Ora, es­sa gê­ne­se da vi­da cas­cu­da le­van­ta al­gu­mas ques­tões in­tri­gan­tes: por que te­ria va­li­do a pe­na dei­xar a mo­le­za de la­do? Quais con­di­ções per­mi­ti­ram es­se pas­so evo­lu­ti­vo? Indícios so­bre am­bas as per­gun­tas es­tão nos fós­seis bra­si­lei­ros.

Um mo­ti­vo ób­vio pa­ra uma ca­ma­da pro­te­to­ra ex­ter­na é mi­ni­mi­zar a ação de pre­da­do­res —e, ve­ja vo­cê, al­guns exem­pla­res de Clou­di­na de Co­rum­bá pos­su­em bu­ra­qui­nhos que po­dem ser in­ter­pre­ta­dos co­mo mar­cas de mor­di­da. Tra­ta-se de uma ocor­rên­cia ra­ra —só ou­tros dois ca­sos do ti­po fo­ram re­gis­tra­dos em fós­seis do pe­río­do Edi­a­ca­ra­no.

Além dis­so, a aná­li­se dos fós­seis su­ge­re for­te­men­te que os Clou­di­na es­ta­vam as­so­ci­a­dos a es­tei­ras mi­cro­bi­a­nas —ba­si­ca­men­te mas­sas de bac­té­ri­as, pro­va­vel­men­te res­pon­sá­veis por pro­du­zir oxi­gê­nio du­ran­te a fo­tos­sín­te­se. Mais im­por­tan­te ain­da, en­tre as “bor­das” ou abas dos “co­pi­nhos”, há si­nais da pre­sen­ça des­sas colô­ni­as de bac­té­ri­as, que pro­va­vel­men­te es­ta­vam por ali qu­an­do os ani­mais ain­da es­ta­vam vi­vos, ava­li­am os pes­qui­sa­do­res.

A aposta da equi­pe é que or­ga­nis­mos mais com­ple­xos, co­mo o Clou­di­na, po­dem ter se be­ne­fi­ci­a­do do am­bi­en­te mais oxi­ge­na­do pro­du­zi­do pe­las es­tei­ras de mi­cro-or­ga­nis­mos pa­ra tur­bi­nar seu me­ta­bo­lis­mo e de­sen­vol­ver es­tru­tu­ras mais so­fis­ti­ca­das e cus­to­sas —co­mo os exo­es­que­le­tos. A pre­sen­ça dos mi­cró­bi­os nas abas do ani­mal su­ge­re uma par­ce­ria es­trei­ta, ou sim­bi­o­se, em­bo­ra não se sai­ba exa­ta­men­te co­mo ela se da­va.

Bec­ker-Ker­ber diz que as mui­tas in­cer­te­zas em re­la­ção ao Edi­a­ca­ra­no são par­te do char­me de es­tu­dar os fós­seis des­sa fa­se da his­tó­ria da vi­da. “Tu­do o que a gen­te aca­ba achan­do é mui­to cu­ri­o­so e im­por­tan­te pa­ra en­ten­der a ori­gem e a di­ver­si­fi­ca­ção dos ani­mais”, re­su­me.

Uma ‘ami­za­de’ com bac­té­ri­as pos­si­bi­li­tou evo­lu­ção de se­res vi­vos com­ple­xos, os Clou­di­nas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.