Bolt so­fre le­são, não ter­mi­na pro­va e tem des­pe­di­da amar­ga

As­tro se apo­sen­ta de ma­nei­ra frus­tran­te após sen­tir cãi­bra du­ran­te re­ve­za­men­to no Mun­di­al de Lon­dres

Folha De S.Paulo - - Esporte -

Com Ja­mai­ca fo­ra do pá­reo, Grã-Bre­ta­nha con­quis­ta a me­da­lha de ou­ro à fren­te de ame­ri­ca­nos e ja­po­ne­ses

O Cam­pe­o­na­to Mun­di­al de Lon­dres ser­viu pa­ra mos­trar ao ho­mem que sem­pre es­te­ve à fren­te do tem­po que o tem­po, en­fim, o al­can­çou.

A des­pe­di­da apo­teó­ti­ca ar­ma­da pa­ra Usain Bolt, 30, o ve­lo­cis­ta mais ven­ce­dor da his­tó­ria, não se con­fir­mou.

No do­min­go (6), so­freu o pri­mei­ro re­vés em no­ve anos e le­vou o bron­ze nos 100 m.

Nes­te sá­ba­do (12), o fim foi ain­da mais dra­má­ti­co.

Es­ca­la­do co­mo quar­to ho­mem do re­ve­za­men­to 4 x 100 m ja­mai­ca­no, ele so­freu le­são pou­co de­pois de re­ce­ber o bas­tão e nem se­quer con­se­guiu ter­mi­nar a fi­nal, que foi ven­ci­da pe­la Grã-Bre­ta­nha — os Es­ta­dos Uni­dos le­va­ram a pra­ta e o Ja­pão, o bron­ze.

A Ja­mai­ca bus­ca­va o pen­ta­cam­pe­o­na­to mun­di­al da pro­va. Bolt bus­ca­va a re­den­ção e um fi­nal dig­no pa­ra al­guém que se tor­nou o úni­co tri­cam­peão olím­pi­co con­se­cu­ti­vo dos 100 m e 200 m.

Ne­nhum dos ob­je­ti­vos foi al­can­ça­do. “Que­ría­mos ga­nhar a me­da­lha pa­ra ele, mas o que hou­ve foi to­tal­men­te ines­pe­ra­do”, dis­se Omar McLe­od, cam­peão olím­pi­co e mun­di­al dos 100 m com bar­rei­ras, en­car­re­ga­do de abrir o re­ve­za­men­to ja­mai­ca­no.

“O no­me de Usain Bolt vi­ve­rá pa­ra sem­pre”, se­guiu.

McLe­od pas­sou o bas­tão pa­ra Ju­li­an For­te, que por sua vez o en­tre­gou a Yohan Bla­ke. No mo­men­to da tran­si­ção en­tre ele e Bolt, a Ja­mai­ca es­ta­va em ter­cei­ro lu­gar, atrás de bri­tâ­ni­cos e ame­ri­ca­nos.

Ao ace­le­rar e ten­tar im­pri­mir um rit­mo ca­paz de al­can­çar os lí­de­res, o ve­lo­cis­ta co­me­çou a man­car, le­vou a mão à co­xa e caiu. O ou­ro bri­tâ­ni­co fi­cou em se­gun­do plano.

Os com­pa­nhei­ros de equi­pe ja­mai­ca­na par­ti­ram em di­re­ção a Bolt e o aju­da­ram a se er­guer. Ele, en­tão, pas­sou a ca­mi­nhar len­ta­men­te ru­mo à li­nha de che­ga­da e, de ma­nei­ra sim­bó­li­ca, cru­zou-a.

De acor­do com a Iaaf (As­so­ci­a­ção In­ter­na­ci­o­nal das Fe­de­ra­ções de Atle­tis­mo), po­rém, o quar­te­to ca­ri­be­nho não com­ple­tou a dis­tân­cia.

Na saí­da da pis­ta, Bolt foi re­ti­ra­do e nem se­quer atra­ves­sou a zo­na mis­ta, de­di­ca­da a en­tre­vis­tas jor­na­lís­ti­cas.

Se­gun­do o mé­di­co da seleção da Ja­mai­ca, Ke­vin Jo­nes, Bolt te­ve uma cãi­bra no mús­cu­lo pos­te­ri­or da co­xa es­quer­da. “Mui­to da dor ad­vém tam­bém da de­cep­ção por per­der a cor­ri­da. As úl­ti­mas três se­ma­nas fo­ram du­ras pa­ra ele”, dis­se o mé­di­co.

Bolt gostaria de ter en­cer­ra­do a car­rei­ra na Olim­pía­da do Rio, de on­de saiu com três medalhas de ou­ro. Mas, a pe­di­do de seus pa­tro­ci­na­do­res, con­cor­dou em com­pe­tir no Mun­di­al de Lon­dres.

Po­rém, as se­gui­das le­sões tor­na­ram-se um pro­ble­ma e, pou­co an­tes do cam­pe­o­na­to na In­gla­ter­ra, anun­ci­ou que não dis­pu­ta­ria os 200 m, sua pro­va pre­di­le­ta e na qu­al se tor­nou mais so­be­ra­no.

A es­tra­té­gia de se pou­par com­pro­vou-se ine­fi­ci­en­te, já que o cor­po acu­sou o gol­pe.

Cou­be ao prin­ci­pal ad­ver­sá­rio nos úl­ti­mos anos, o nor­te-ame­ri­ca­no Jus­tin Ga­tlin, a mai­or de­fe­sa do as­tro.

“Não se po­de dei­xar que es­te cam­pe­o­na­to apa­gue o que ele fez no pas­sa­do, e ele ob­te­ve gran­des feitos”, dis­se.

Uma vol­ta olím­pi­ca den­tro do es­tá­dio lon­dri­no es­ta­va pre­vis­ta pa­ra ocor­rer às 17h30 (de Brasília), em ho­me­na­gem ao ja­mai­ca­no. A ver se ele te­rá con­di­ção de pres­ti­giá-la.

Ben Stan­sall/AFP

Usain Bolt, no chão, é aten­di­do por mé­di­co após cair du­ran­te o re­ve­za­men­to 4 x 100 m

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.