Es­tú­dio de Mau­ri­cio de Sou­sa fun­ci­o­nou den­tro da Fo­lha por 23 anos

Folha De S.Paulo - - Ilustrada -

DE SÃO PAU­LO

Em se­tem­bro de 1963, o ca­der­no in­fan­til da Fo­lha es­tre­ou e, de acor­do com Mau­ri­cio de Sou­sa, sua car­rei­ra des­lan­chou. Ele já de­se­nha­va pa­ra jor­nais ha­via qua­tro anos, mas o al­can­ce da “Fo­lhi­nha” trans­for­mou os per­so­na­gens em es­tre­las na­ci­o­nais.

No ano se­guin­te, mu­dou­se pa­ra São Pau­lo e fez uma ofer­ta pa­ra fi­nan­ci­ar qua­tro sa­las de um pre­di­o­zi­nho de es­cri­tó­ri­os re­cém-cons­truí­do, vi­zi­nho à Fo­lha, na ala­me­da Ba­rão de Li­mei­ra, em Cam­pos Elí­se­os.

Ho­ras de­pois do acer­to com o cor­re­tor, um fun­ci­o­ná­rio do jor­nal foi ao seu apar­ta­men­to com uma mis­são de­li­ca­da: a em­pre­sa pla­ne­ja­va ex­pan­dir sua redação ocu­pan­do o no­vo pre­di­nho, e Oc­ta­vio Fri­as de Oli­vei­ra (19122007), um dos pro­pri­e­tá­ri­os da Fo­lha, pe­dia que Mau­ri­cio de­sis­tis­se do ne­gó­cio.

O ar­tis­ta fez uma con­tra­pro­pos­ta: re­ti­ra­ria a ofer­ta se pu­des­se alu­gar as sa­las en­quan­to o jor­nal não pre­ci­sas­se de­las. Acor­do fei­to, a em­pre­sa ad­qui­riu o pré­dio e o in­cor­po­rou à se­de, abrin­do por­tas pa­ra li­gar os dois imó­veis em to­dos os an­da­res.

“Mas tem uma coi­sa”, vol­tou o fun­ci­o­ná­rio. “Seu Fri­as pe­de pa­ra lhe di­zer que, pe­la sua com­pre­en­são e gen­ti­le­za, não vai co­brar alu­guel.”

“Ocu­pei aque­las sa­las en­tre 1964 e 1987”, con­ta Mau­ri­cio no li­vro.

“Nun­ca pa­guei alu­guel. Na ver­da­de, nun­ca pa­guei con­ta ne­nhu­ma. Mes­mo que não fi­zes­se par­te do ar­ran­jo, seu Fri­as sem­pre qui­tou, por con­ta pró­pria, as des­pe­sas de luz, con­do­mí­nio e te­le­fo­ne das sa­las que eu usa­va.” (IF)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.