Con­tra­ram, se­gun­do Fernanda, “co­mo se sem­pre es­ti­ves­sem jun­tos em ce­na”.

Na úl­ti­ma

Folha De S.Paulo - - Ilustrada -

E pa­rou, com ex­ce­ções “ra­rér­ri­mas”, afir­ma a atriz ao re­pór­ter João Carneiro. “Não tem subs­ti­tu­to, não é? Na co­ra­gem da pro­du­ção, com elen­cos gran­des, espetáculos que du­ra­vam um, dois, três, qua­tro, às ve­zes cin­co anos, en­ten­de?”. O teatro da épo­ca de Au­tran, de com­pa­nhi­as com atores con­tra­ta­dos, man­ti­das pe­las bi­lhe­te­ri­as, es­tá qua­se ex­tin­to, diz. “Pa­re­ce men­ti­ra que nós vi­ve­mos aque­les anos to­dos um teatro tão pre­sen­te.”

“O Pau­lo sem­pre te­ve es­sa pos­tu­ra do ator clás­si­co”, se­gue ela. “É uma coi­sa com que se nas­ce ou não. O ator que en­tra e sa­be fi­car so­bre as du­as colunas que são as su­as per­nas. E fa­la, com­pre­en­de? E aí tam­bém é pre­ci­so ter o que fa­lar.” Hoje, diz, “es­ta­mos em uma po­bre épo­ca de teatro”.

men­sa­gem ao ami­go, Fernanda es­cre­veu que cho­rou ao ler a car­ta de­le. “E mui­to. Pe­lo pas­sa­do, pe­lo pre­sen­te e (por que não?) pe­lo fu­tu­ro. Sei, na pe­le e tam­bém por olhar em vol­ta, que não é fá­cil atra­ves­sar a cha­ma­da ve­lhi­ce.” No en­tan­to, re­sis­ti­am, “ali­men­ta­dos pe­la nos­sa ben­di­ta vi­da de gen­te de teatro, ca­da um ao seu mo­do. Amo a vi­da de­ses­pe­ra­da­men­te. O que é que eu pos­so fa­zer?”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.