Mes­ma, na pre­sen­ça mes­ma, nas lá­gri­mas mes­mas, nas ale­gri­as mes­mas (em­bo­ra pou­cas, co­mo vo­cê es­cre­veu).”

Folha De S.Paulo - - Ilustrada -

O mo­men­to era di­fí­cil pa­ra Pau­lo Au­tran, co­mo ele re­ve­lou na úl­ti­ma car­ta à ami­ga. “Não pos­so di­zer que es­tou con­ten­te. Ka­rin [Rodrigues, mu­lher do ator] tem si­do de uma de­di­ca­ção to­tal, não me lar­ga e me di­ver­te com seu as­tral pri­vi­le­gi­a­do. Es­tou de ca­dei­ra de ro­das, com ela vou aos te­a­tros, cinemas e res­tau­ran­tes sem de­graus. Meus mé­di­cos di­zem que não vou mor­rer do cân­cer, que es­tá con­tro­la­do e pra­ti­ca­men­te não é mais vis­to nas cha­pas. O es­pe­ci­a­lis­ta do co­ra­ção me diz que es­tou óti­mo. E eu me per­gun­to: vou mor­rer de quê?”

Nas car­tas que tro­ca­ram, Pau­lo e Fernanda se des­pe­dem com pa­la­vras afe­tu­o­sas. Diz ele: “Faz mui­to tem­po, ou melhor, nun­ca me abri co­mo nes­te mo­men­to. Tal­vez por is­so o con­tro­la­do Pau­lo Au­tran es­tá cho­ran­do co­mo uma cri­an­ça. Is­so até es­tá me fa­zen­do bem.” Ela res­pon­deu que re­ce­bia as pa­la­vras “de ami­za­de, de amor, co­mo se ti­vés­se­mos 20 anos, mas com cem anos de ex­pe­ri­ên­cia de vidas bem vi­vi­das.”

“Somos con­tem­po­râ­ne­os e somos in­ter­de­pen­den­tes, Pau­lo que­ri­do. To­dos nós. In­ter­de­pen­den­tes. Agra­de­ço a sua con­fi­an­ça em mim ao me fa­lar de seus sen­ti­men­tos tão pro­fun­dos. Gran­de abra­ço, Fernanda.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.