Cor­ren­do atrás do pre­juí­zo

Folha De S.Paulo - - Ilustrada - MAU­RI­CIO STYCER

O ANÚN­CIO de que a Dis­ney pre­ten­de lan­çar nos Es­ta­dos Uni­dos, em 2019, um ser­vi­ço pró­prio de stre­a­ming acres­cen­ta uma no­va pe­ça em um jo­go ca­da vez mais com­ple­xo: o da dis­pu­ta pe­lo interesse e di­nhei­ro do es­pec­ta­dor.

Co­mo a em­pre­sa fa­lou dos seus pla­nos ape­nas em li­nhas ge­rais, sem de­ta­lhá-los, ain­da há mui­ta es­pe­cu­la­ção a res­pei­to. Mas o que já foi di­vul­ga­do su­ge­re que se tra­ta de uma re­a­ção, ain­da que ques­ti­o­ná­vel, ao im­pac­to pro­vo­ca­do pe­la re­vo­lu­ção digital e, em par­ti­cu­lar, pe­la Net­flix no mer­ca­do au­di­o­vi­su­al.

Di­fe­ren­te­men­te do que ocor­reu nas in­dús­tri­as musical e de mí­dia im­pres­sa, o ci­ne­ma e a te­le­vi­são se mos­tra­ram ini­ci­al­men­te me­nos afe­ta­dos pe­los efei­tos da di­gi­ta­li­za­ção de con­teú­dos.

Num se­gun­do es­tá­gio, a Net­flix dei­xou cla­ro que há mui­ta gen­te dis­pos­ta a tro­car a pi­ra­ta­ria por um am­bi­en­te on­de en­con­tra con­teú­do va­ri­a­do e de ra­zoá­vel qua­li­da­de por um pre­ço não ex­tor­si­vo. Ad­qui­rin­do di­rei­tos so­bre fil­mes e sé­ri­es antigas, a em­pre­sa mon­tou um ca­tá­lo­go que fez a ale­gria de mui­tos con­su­mi­do­res.

An­tes que a mai­or par­te das gran­des pro­du­to­ras de con­teú­do se des­se con­ta, a Net­flix per­ce­beu que não po­de­ria fi­car na mão ape­nas de­las e co­me­çou a pro­du­zir as su­as pró­pri­as sé­ri­es e fil­mes.

Hoje com 104 mi­lhões de as­si­nan­tes (mais da me­ta­de fo­ra dos EUA), a Net­flix de­ve­rá es­tar, se­gun­do pre­vi­sões, com 120 mi­lhões em 2019, qu­an­do a Dis­ney lan­çar o seu pró­prio ser­vi­ço e dei­xar de li­cen­ci­ar os seus fil­mes pa­ra a ago­ra con­cor­ren­te. Não se­rá tar­de? Eis a per­gun­ta que mui­tos se fa­zem.

Per­ten­cen­te ao mes­mo gru­po Dis­ney, o ca­nal de es­por­tes ESPN con­fir­mou que vai ofe­re­cer um ser­vi­ço de stre­a­ming se­me­lhan­te já no ano que vem, nos Es­ta­dos Uni­dos —dis­po­ní­vel pa­ra qual­quer usuá­rio, sem co­ne­xão com ope­ra­do­ras de TV pa­ga.

As in­for­ma­ções até ago­ra dis­po­ní­veis in­di­cam, po­rém, que o ser­vi­ço não vai ofe­re­cer jo­gos da NBA (bas­que­te) e NFL (fu­te­bol ame­ri­ca­no), os mais po­pu­la­res no país, nem o “SportsCen­ter”, o pro­gra­ma mais im­por­tan­te. Ou se­ja, quem se in­te­res­sa por es­ses “pro­du­tos” te­rá que con­ti­nu­ar pa­gan­do por seus pa­co­tes de TV por as­si­na­tu­ra.

Es­ta é ou­tra ques­tão com­ple­xa no ta­bu­lei­ro. Ca­da pas­so mais ou­sa­do de um pro­du­tor de con­teú­do em di­re­ção a ser­vi­ços de stre­a­ming acen­de um aler­ta en­tre as ope­ra­do­ras de TV pa­ga.

Da­dos do mer­ca­do ame­ri­ca­no mos­tram que a ESPN per­deu 2,9 mi­lhões de as­si­nan­tes na TV pa­ga no pri­mei­ro tri­mes­tre de 2017 —um nú­me­ro cin­co ve­zes su­pe­ri­or ao to­tal de can­ce­la­men­tos de as­si­na­tu­ras no pe­río­do. Ou se­ja, hou­ve um mo­vi­men­to de cli­en­tes em bus­ca de pa­co­tes mais bá­si­cos e ba­ra­tos.

Re­gis­tre-se, por fim, que a per­cep­ção de que a Net­flix é uma ri­val sem­pre mar­cou a po­lí­ti­ca da Glo­bo, no Bra­sil. A em­pre­sa ja­mais li­cen­ci­ou con­teú­dos, mes­mo an­ti­gos, pa­ra o ser­vi­ço ame­ri­ca­no. E vem, des­de o fi­nal de 2015, pro­mo­ven­do a sua pró­pria plataforma, a Glo­bo Play.

Além de an­te­ci­par ca­pí­tu­los de es­trei­as pa­ra os as­si­nan­tes on-line, a Glo­bo ago­ra es­tá ofe­re­cen­do sé­ri­es in­tei­ras, de for­ma ex­clu­si­va, no ser­vi­ço de stre­a­ming. Nes­te ano, já fo­ram qua­tro: “Car­ce­rei­ros”, “Bra­sil a Bor­do”, a se­gun­da tem­po­ra­da de “A Ca­ra do Pai” e “Fi­lhos da Pá­tria”.

Na au­sên­cia de da­dos de con­su­mo e di­an­te da pou­ca re­per­cus­são dos lan­ça­men­tos, ca­be es­pe­cu­lar se a emis­so­ra não es­tá “quei­man­do” es­sas sé­ri­es. Po­de até ser, mas os pla­nos da Dis­ney, anun­ci­a­dos na se­ma­na pas­sa­da, su­ge­rem que a pos­tu­ra mais agres­si­va da Glo­bo se­gue uma ló­gi­ca. Só o tem­po di­rá se cor­re­ta.

Ao lan­çar ser­vi­ço pró­prio de stre­a­ming, a Dis­ney re­co­nhe­ce, com atra­so, que a Net­flix es­tá na fren­te

mau­ri­ci­osty­cer@uol.com.br fa­ce­bo­ok.com/mau­ri­cio.stycer

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.