Dis­tri­buin­do cultura

Folha De S.Paulo - - Ilustrada - CO­LU­NIS­TAS DA SE­MA­NA: se­gun­da: Gre­go­rio Du­vi­vi­er, ter­ça: Jo­sé Si­mão, quar­ta: MARCIUS MELHEM Rei­nal­do Fi­guei­re­do, quin­ta: Jo­sé Si­mão, sex­ta: Ri­car­do Araú­jo Pe­rei­ra, sá­ba­do: Jo­sé Si­mão

O SE­CRE­TÁ­RIO de Cultura do Es­ta­do Rio de Ja­nei­ro, An­dré La­za­ro­ni, pa­re­ce ter en­ten­di­do er­ra­do a mis­são de sua se­cre­ta­ria: sim, o ob­je­ti­vo de um ór­gão cul­tu­ral é jus­ta­men­te dis­tri­buir cultura. Mas não en­tre os seus ami­gos. Aos pou­cos, o ge­ne­ro­so La­za­ro­ni vem dan­do um car­go pra ca­da can­di­da­to a ve­re­a­dor der­ro­ta­do nas elei­ções do ano pas­sa­do.

O Teatro Armando Gon­za­ga foi, por exem­plo, pa­ra um em­pre­sá­rio que nun­ca ad­mi­nis­trou um es­pa­ço cul­tu­ral na vi­da; um qua­dro do PMDB foi pa­ra a ges­tão da Sa­la Ce­cí­lia Mei­re­les; ou­tro do PRP de Bel­ford Ro­xo ga­nhou uma di­re­to­ria da Fu­narj, e por aí vai na Ca­sa Fran­ça-Bra­sil, no Par­que La­ge...

Po­de­ria ci­tar ain­da mui­tos or­ga­nis­mos cul­tu­rais do Es­ta­do em que po­lí­ti­cos der­ro­ta­dos ano pas­sa­do ga­nha­ram uma chan­ce de tra­ba­lhar no que nun­ca fi­ze­ram.

Mas des­ta­co aqui a Rá­dio Ro­quet­te Pinto. Nos úl­ti­mos oi­to anos, a pro­du­to­ra cul­tu­ral Eli­a­na Ca­ru­so im­pri­miu ali uma mar­ca de qua­li­da­de e plu­ra­li­da­de. Sua au­di­ên­cia não fi­ca­va atrás de ou­tras emis­so­ras pú­bli­cas e a pro­gra­ma­ção, além da alta ca­te­go­ria, não es­ta­va a ser­vi­ço po­lí­ti­co de ne­nhum governo.

Mas La­za­ro­ni pre­ci­sa­va da pre­si­dên­cia da rá­dio pa­ra o can­di­da­to der­ro­ta­do a ve­re­a­dor no ano pas­sa­do New­ton Fer­nan­do Ri­bei­ro, o Ca­be­ção. En­quan­to na Ro­quet­te Pinto pro­gra­mas de qua­li­da­de es­tão sen­do can­ce­la­dos e a pro­gra­ma­ção vai sen­do des­mon­ta­da, po­lí­ti­cos vão ga­nhan­do sua bo­qui­nha com o lo­te­a­men­to da cultura en­tre os ami­gos e cor­re­li­gi­o­ná­ri­os do se­cre­tá­rio.

Di­as atrás, La­za­ro­ni se reu­niu com o mi­nis­tro da Ci­ên­cia, Tec­no­lo­gia, Ino­va­ções e Co­mu­ni­ca­ções, Gil­ber­to Kas­sab. Foi al­te­rar um con­vê­nio de 2013, que pre­via uma ver­ba de R$ 8 mi­lhões pa­ra a cri­a­ção de um la­bo­ra­tó­rio de pro­du­ção digital na ca­pi­tal do Rio.

Na pro­pos­ta do sem­pre ge­ne­ro­so La­za­ro­ni, em vez de gas­tar to­da a ver­ba em um la­bo­ra­tó­rio, se­ri­am cons­truí­dos la­bo­ra­tó­ri­os mais ba­ra­tos em cin­co mu­ni­cí­pi­os pa­ra “de­mo­cra­ti­zar” a ver­ba. Tal­vez te­nha re­sol­vi­do co­pi­ar o con­cei­to dos es­tá­di­os da Co­pa do Mundo, que o governo bra­si­lei­ro re­sol­veu “de­mo­cra­ti­zar” e es­pa­lhar por vá­ri­os Es­ta­dos.

Hoje es­tão aí es­ses ele­fan­tes bran­cos, mo­nu­men­tos do des­per­dí­cio e da po­li­ti­ca­gem. La­za­ro­ni pa­re­ce ter acha­do uma ini­ci­a­ti­va a co­pi­ar.

Ques­ti­o­na­do so­bre seus in­ter­mi­ná­veis agra­dos aos po­lí­ti­cos ami­gos, La­za­ro­ni dis­se em sua de­fe­sa que “é pre­ci­so evi­tar a cri­mi­na­li­za­ção da po­lí­ti­ca”. Con­cor­do. Mas ele já avi­sou is­so aos po­lí­ti­cos?

Po­lí­ti­cos vão ga­nhan­do sua bo­qui­nha com o lo­te­a­men­to da pas­ta en­tre ami­gos e cor­re­li­gi­o­ná­ri­os de se­cre­tá­rio

Dé­bo­ra Gon­za­les

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.