Mai­or prê­mio da ar­te do país bus­ca o equi­lí­brio

Em sua sex­ta edi­ção, Mar­can­to­nio Vi­la­ça di­vi­de opi­niões ao en­tre­gar tro­féus a con­sa­gra­dos e ar­tis­tas em as­cen­são

Folha De S.Paulo - - Ilustrada - SILAS MARTÍ

É ní­ti­da a ten­ta­ti­va de equi­li­brar ge­ra­ções e tra­je­tó­ri­as num prê­mio co­mo o Mar­can­to­nio Vi­la­ça, o mais tra­di­ci­o­nal e re­le­van­te das ar­tes vi­su­ais do país. Em sua sex­ta edi­ção, os tro­féus se di­vi­dem en­tre con­sa­gra­dos e jo­vens ar­tis­tas ain­da emer­gen­tes.

Do la­do dos con­sa­gra­dos, ou com mais ma­tu­ri­da­de e gran­de acei­ta­ção do cir­cui­to e do mer­ca­do, es­tão Ro­chel­le Cos­ti, Pe­dro Mot­ta e Fer­nan­do Lin­do­te. Do ou­tro, Jai­me Lau­ri­a­no e Da­ni­el Lan­nes.

Mais jus­to e in­ques­ti­o­ná­vel é o prê­mio a Lau­ri­a­no, um ar­tis­ta com es­tra­té­gi­as es­té­ti­cas ain­da em for­ma­ção e ao mes­mo tem­po em sin­to­nia vis­ce­ral com o atu­al es­ta­do de ner­vos à flor da pe­le da na­ção. Pe­le, aliás, é um da­do im­por­tan­te na equa­ção —ele é o úni­co ar­tis­ta ne­gro pre­mi­a­do, em­bo­ra hou­ves­se ou­tros en­tre os fi­na­lis­tas.

Sua obra na ir­re­gu­lar e es­qui­zo­frê­ni­ca mos­tra dos fi­na­lis­tas é uma vi­tri­ne cheia de ar­mas e ins­tru­men­tos usa­dos em lin­cha­men­tos pú­bli­cos, epi­só­di­os que inun­dam as re­des so­ci­ais des­de que o país afun­dou no caos econô­mi­co e po­lí­ti­co nos úl­ti­mos anos.

Lau­ri­a­no es­tá lon­ge da con­sa­gra­ção, mas é um no­me pro­mis­sor, em ple­na as­cen­são —per­fil do ar­tis­ta que em ge­ral me­re­ce es­se prê­mio.

Da­ni­el Lan­nes, com pin­tu­ras co­lo­ri­dís­si­mas e de tra­ços mo­ve­di­ços, em que a his­tó­ria do país é al­vo cons­tan­te de ques­ti­o­na­men­tos e re­lei­tu­ras, é ou­tro no­me que de­ve­ria es­tar no ra­dar de uma pre­mi­a­ção co­mo es­sas e ga­nha, nes­se mo­men­to, uma pri­mei­ra —e tam­bém mui­to jus­ta— chan­ce­la ins­ti­tu­ci­o­nal de pe­so.

No meio do ca­mi­nho, es­tão Fer­nan­do Lin­do­te e Pe­dro Mot­ta. En­quan­to o pri­mei­ro tem lon­ga ex­pe­ri­ên­cia no cir­cui­to e me­nor pe­ne­tra­ção no mer­ca­do, o se­gun­do tem uma obra mais tí­mi­da no cir­cui­to ins­ti­tu­ci­o­nal e re­la­ti­vo su­ces­so na are­na co­mer­ci­al, com re­pre­sen­ta­ção de uma das ga­le­ri­as mais po­de­ro­sas no país e acei­ta­ção dos co­le­ci­o­na­do­res.

Mais con­sa­gra­da de to­dos eles, Ro­chel­le Cos­ti é um no­me in­con­tor­ná­vel na ar­te do país nas úl­ti­mas dé­ca­das. Sua obra fo­to­grá­fi­ca de pe­ga­da con­cei­tu­al es­pe­lha ao mes­mo tem­po a me­lan­co­lia e a mer­can­ti­li­za­ção do mundo atu­al. Nes­se ca­so, seu prê­mio tal­vez ve­nha já com cer­to atra­so.

É uma pe­na, no en­tan­to, que no­mes por trás de obras tão re­le­van­tes e for­tes qu­an­to Ali­ce Mi­ce­li, Éder Oli­vei­ra e Pa­blo Lo­ba­to te­nham fi­ca­do de fo­ra des­sa le­va de tro­féus.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.