Dur­ma com um ba­ru­lho des­se

Folha De S.Paulo - - Ilustrada -

HÁ MUI­TOS anos que o te­ma ba­ru­lho é re­cor­dis­ta dis­pa­ra­do de con­fli­tos e li­tí­gi­os en­tre vi­zi­nhos, mas a si­tu­a­ção pa­re­ce es­tar che­gan­do num pon­to in­sus­ten­tá­vel, e os con­do­mí­ni­os pre­ci­sam en­con­trar so­lu­ções con­cre­tas e efe­ti­vas, in­clu­si­ve com pu­ni­ções mais se­ve­ras aos que trans­for­mam a vi­da dos ou­tros num ver­da­dei­ro in­fer­no.

Nas úl­ti­mas se­ma­nas, em meu es­cri­tó­rio, aten­di qua­tro pes­so­as de­ses­pe­ra­das, à bei­ra de um ata­que de ner­vos. No pri­mei­ro ca­so, o mo­ra­dor não aguen­ta mais os la­ti­dos, por ho­ras a fio, do ca­chor­ri­nho da vi­zi­nha. Pen­sa em se mu­dar, ven­der seu imó­vel, es­tá até to­man­do cal­man­te. A vi­zi­nha, por sua vez, mi­ni­mi­za a si­tu­a­ção. Diz que o cão nem la­te tan­to e que não po­de fa­zer na­da, já que tra­ba­lha o dia todo.

No se­gun­do ca­so, o mo­ra­dor não su­por­ta mais a ba­ru­lhei­ra das cri­an­ças do an­dar de ci­ma, que cor­rem, ar­ras­tam mó­veis e gri­tam, ti­ran­do-lhe o sos­se­go. O vi­zi­nho alega que cri­an­ça é as­sim mes­mo e pro­me­te que vai fi­car de olho, mas na­da mu­da. O in­co­mo­da­do já co­gi­ta até dar uma “sur­ra no vi­zi­nho”.

No ter­cei­ro exem­plo, uma moradora re­la­tou o de­ses­pe­ro que vi­ve des­de o mês pas­sa­do: seus no­vos vi­zi­nhos de ci­ma já fi­ze­ram qua­tro fes­tas em me­nos de 30 di­as —to­das até al­tas ho­ras da ma­dru­ga­da, com mui­ta mú­si­ca e gri­ta­ria. Sem­pre que in­ter­fo­na, eles abai­xam o vo­lu­me do som, mas lo­go o ba­ru­lho vol­ta.

No quar­to ca­so, um mo­ra­dor afir­ma es­tar há di­as sem dor­mir em ra­zão de uma obra no terreno vi­zi­nho —os ca­mi­nhões e ca­çam­bas co­me­çam a ba­ru­lhei­ra por vol­ta das 4h. O en­ge­nhei­ro res­pon­sá­vel pro­me­teu fis­ca­li­zar, mas na­da foi re­sol­vi­do.

Em to­dos os ca­sos, são in­crí­veis a tris­te­za e a rai­va que aco­me­tem es­sas pes­so­as, uma mis­tu­ra de sen­ti­men­tos hor­rí­veis, que atra­pa­lham o sos­se­go, o des­can­so e a paz.

Ou­tro pon­to em co­mum é a inér­cia de sín­di­cos e ad­mi­nis­tra­do­res, que não to­mam me­di­das efi­ca­zes, en­ca­ran­do os ca­sos co­mo uma pen­den­ga en­tre vi­zi­nhos e não co­mo um pro­ble­ma de con­ví­vio. O con­do­mí­nio tem fer­ra­men­tas ju­rí­di­cas pa­ra aju­dar o mo­ra­dor pre­ju­di­ca­do, se­ja por meio de me­di­a­ção ou pe­la apli­ca­ção de ad­ver­tên­ci­as e mul­tas.

Quem ver­da­dei­ra­men­te so­fre com um vi­zi­nho ba­ru­lhen­to e já ten­tou de tu­do pa­ra re­sol­ver a si­tu­a­ção ami­ga­vel­men­te não po­de fi­car iner­te. É pre­ci­so agir, pro­du­zir pro­vas — ví­de­os, áu­di­os, tes­te­mu­nho de ou­tros vi­zi­nhos e fun­ci­o­ná­ri­os— pa­ra fun­da­men­tar uma ação ju­di­ci­al de ca­rá­ter in­de­ni­za­tó­rio e até mes­mo na es­fe­ra pe­nal. Afi­nal, per­tur­ba­ção do sos­se­go é cri­me.

Por sua vez, os con­do­mí­ni­os pre­ci­sam mo­der­ni­zar os re­gu­la­men­tos in­ter­nos, de for­ma a cri­ar pu­ni­ções mais se­ve­ras aos condô­mi­nos an­tis­so­ci­ais, que rei­te­ra­da­men­te atra­pa­lham os vi­zi­nhos.

Con­do­mí­ni­os pre­ci­sam pu­nir de for­ma mais severa mo­ra­do­res que fa­zem da vi­da dos ou­tros um in­fer­no

AN­DRÉ TRIGUEIRO es­cre­ve na pró­xi­ma edi­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.