Lhes acom­pa­nhem e abram ex­ce­ções, per­mi­tin­do que es­co­lham ta­re­fas e ho­rá­ri­os com ba­se em su­as pre­fe­rên­ci­as.

Folha De S.Paulo - - Ilustrada -

Fo­lha - Quais as di­fe­ren­ças en­tre pro­fis­si­o­nais “Y” e “Z”?

Bru­ce Tul­gan - São du­as le­vas de um gru­po só: o dos mil­le­ni­als. A pri­mei­ra, “Y”, nas­ceu en­tre 1978 e 1990, e a se­gun­da, os “Z”, a par­tir dos anos 1990. Os “Z” são pa­re­ci­dos com a ge­ra­ção nas­ci­da lo­go após a Gran­de Depressão, nos anos 1930, pois vi­ram a in­cer­te­za econô­mi­ca pós2008 e o ter­ro­ris­mo. Mas tam­bém fo­ram mui­to pro­te­gi­dos por pais e pro­fes­so­res. São pre­co­ces, mas ima­tu­ros. Es­pe­ram que o em­pre­ga­dor lhe ofe­re­ça acon­se­lha­men­to, apoio e es­pa­ço pa­ra er­rar. Qu­al foi o im­pac­to da crise de 2008 nos jo­vens “Z”?

Es­se con­tex­to fez com que os “Z” bai­xas­sem su­as ex­pec­ta­ti­vas de rá­pi­da as­cen­são e con­fi­as­sem ain­da me­nos nas em­pre­sas co­mo pro­ve­do­ras de es­ta­bi­li­da­de, se com­pa­ra­dos aos “Y”. Es­pe­ram, mais do que os mais ve­lhos, que os che­fes Quais as quei­xas dos em­pre­ga­do­res em re­la­ção aos “Z”? com­por­ta­men­tais bá­si­cas. Têm di­fi­cul­da­des pa­ra di­zer “por fa­vor” e “obri­ga­do”, não en­ten­dem por que res­pei­tar as re­gras de ves­tuá­rio e pas­sam tem­po de­mais no ce­lu­lar du­ran­te o tra­ba­lho. É um pon­to ce­go na for­ma­ção. Co­mo re­du­zir o nú­me­ro de de­mis­sões por com­por­ta­men­to?

Mui­tas em­pre­sas, após a con­tra­ta­ção, dão li­ções ao fun­ci­o­ná­rio so­bre co­mo se con­du­zir em uma reu­nião ou se co­mu­ni­car por e-mail. Bas­ta mos­trar por que is­so é im­por­tan­te pa­ra a as­cen­são pro­fis­si­o­nal de­le e in­cen­ti­var que bus­que is­so por con­ta pró­pria. Co­mo os ges­to­res de­vem li­dar com es­ses mais jo­vens?

Es­sa ge­ra­ção não quer só se di­ver­tir e re­ce­ber tu­do de mão bei­ja­da. Is­so é mi­to. Quer sa­ber o que se es­pe­ra de­la. É pre­ci­so dei­xar clara es­sa ex­pec­ta­ti­va e agir co­mo co­a­ch ou pro­fes­sor. Se o jo­vem não me­lho­rar, de­ve ser res­pon­sa­bi­li­za­do pe­la falha. E co­mo o jo­vem po­de cui­dar do pró­prio de­sen­vol­vi­men­to?

Ele de­ve apren­der com o dia a dia e se ge­rir so­zi­nho, o que vai até con­tra a for­ma co­mo foi cri­a­do. Va­le fa­zer reu­nião de acon­se­lha­men­to com o ges­tor. E é vi­tal ano­tar tu­do, coi­sa que mui­tos não fa­zem.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.