O bai­la­ri­no na tris­te­za

Porto Ale­gre, 2002

Folha De S.Paulo - - Ilustríssima -

um bai­la­ri­no do Mo­mix: foi, du­ran­te to­dos es­ses anos, um dos in­tér­pre­tes fa­vo­ri­tos de Mo­ses, uma es­pé­cie de en­car­na­ção das idei­as ar­ro­ja­das do co­reó­gra­fo. Ali­a­va de­sem­pe­nho e be­le­za que vi­ri­am a fa­zer de­le um ver­da­dei­ro sím­bo­lo da com­pa­nhia.

Mo­ro no Rio de Ja­nei­ro des­de 2005, qu­an­do me ca­sei com uma bra­si­lei­ra, e con­ti­nuo tra­ba­lhan­do com a com­pa­nhia aqui no país. Tam­bém con­ti­nuo ca­pi­ta­ne­an­do as vin­das do Mo­mix ao Bra­sil.

An­si­o­so por re­en­con­trar Ste­ven, sou­be que ele ha­via dan­ça­do sua úl­ti­ma ré­ci­ta em ju­nho, no Teatro Co­li­seo, de Bu­e­nos Ai­res.

O ci­clo se fe­chou. Ele ago­ra é pai de uma me­ni­na e vai es­tu­dar en­fer­ma­gem. Pa­la­vras de­le: “De­pois de tan­to tem­po tra­ba­lhan­do meu cor­po em ce­na, de­ci­di apren­der so­bre o fun­ci­o­na­men­to do or­ga­nis­mo e so­bre co­mo cu­rar ma­les e tra­tar da saúde. Mi­nha úl­ti­ma tur­nê foi mui­to emo­ci­o­nan­te, mas en­cer­rei es­sa par­te da vi­da”.

Vai ser es­tra­nho pa­ra mim ver o Mo­mix em ce­na sem Ste­ven. Es­pe­ci­al­men­te des­sa vez, em que a com­pa­nhia ce­le­bra 35 anos com os nú­me­ros mais aplau­di­dos da car­rei­ra, nú­me­ros que Ste­ven pra­ti­ca­men­te cri­ou com Mo­ses e que ca­rim­bou com sua per­for­man­ce im­pe­cá­vel.

Mas o Mo­mix é re­ple­to de ar­tis­tas ma­ra­vi­lho­sos, pes­so­as so­li­dá­ri­as co­mo aque­les co­le­gas que abra­ça­ram Ste­ven Marshall na noi­te de tris­te­za. E que apren­de­ram com ele o pro­fis­si­o­na­lis­mo e a ale­gria de vi­ver e tra­ba­lhar, mes­mo na ho­ra mais es­cu­ra.

Sha­ren Brad­ford

O bai­la­ri­no Ste­ven Marshall, da com­pa­nhia Mo­mix, du­ran­te apre­sen­ta­ção em Bu­e­nos Ai­res, em ju­nho de 2017

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.