A tragédia da aus­te­ri­da­de

In­cên­dio em pré­dio aumenta dis­pu­tas

Folha De S.Paulo - - Ilustríssima -

Tó­quio tam­pou­co no im­pac­to pa­ra além da ci­da­de, mas a tor­re de apar­ta­men­tos car­bo­ni­za­da com de­ze­nas de cor­pos re­du­zi­dos a cin­zas ain­da lá den­tro —uma som­bra si­nis­tra a es­prei­tar quem che­ga ou sai de me­trô da es­ta­ção La­ti­mer Ro­ad, ali ao la­do— é uma fe­ri­da aberta que co­me­ça a ga­nhar sim­bo­lis­mo pa­re­ci­do com o do Marco Ze­ro em No­va York.

Re­for­çan­do o pa­ra­le­lo, Lon­dres con­tra­tou no pós-trau­ma os es­pe­ci­a­lis­tas que tra­ba­lha­ram nos es­com­bros do World Tra­de Cen­ter, in­clu­si­ve na con­ta­gem dos mor­tos —al­guns dos quais, lá co­mo aqui, sem iden­ti­fi­ca­ção pos­sí­vel. DE­BA­TE INFLAMÁVEL

Me­ses atrás, qu­an­do, ao som da his­te­ria con­ser­va­do­ra, Sa­diq Khan se tor­nou o pri­mei­ro pre­fei­to mu­çul­ma­no de uma ca­pi­tal eu­ro­peia, ne­nhum ou­tro te­ma além do ter­ro­ris­mo is­lâ­mi­co ra­di­cal se­ria pre­tex­to pa­ra uma boa bri­ga po­lí­ti­ca em Lon­dres.

Gren­fell Tower pa­re­ce ter mu­da­do vi­o­len­ta­men­te es­sa pre­mis­sa. É que o de­ba­te sub­ja­cen­te à tragédia fa­la de cer­to aban­do­no —tal­vez cri­mi­no­so, se­gun­do os crí­ti­cos mais fer­re­nhos dos an­te­ces­so­res con­ser­va­do­res de Khan na pre­fei­tu­ra— de po­lí­ti­cas pú­bli­cas, em ge­ral, e ha­bi­ta­ci­o­nais, em par­ti­cu­lar.

Na Gren­fell Tower, o des­ca­so te­ria si­do so­bre­tu­do com a se­gu­ran­ça dos 129 apar­ta­men­tos de mo­ra­dia po­pu­lar (numa vi­zi­nhan­ça con­si­de­ra­vel­men­te abas­ta­da), cu­jo re­ves­ti­men­to ex­ter­no ba­ra­to, al­ta­men­te inflamável, po­ten­ci­a­li­zou a le­ta­li­da­de da tragédia. o governo cen­tral, tam­bém con­ser­va­dor há se­te anos, é di­a­ri­a­men­te bom­bar­de­a­do pe­la su­pos­ta cru­el­da­de com que apli­ca o tor­ni­que­te nas con­tas pú­bli­cas.

Um dos prin­ci­pais fo­cos de in­dig­na­ção po­pu­lar é o acha­ta­men­to qua­se sem pre­ce­den­tes dos sa­lá­ri­os de al­gu­mas ca­te­go­ri­as de ser­vi­do­res pú­bli­cos (pro­fes­so­res pri­má­ri­os e pes­so­al do sis­te­ma pú­bli­co de saúde, em es­pe­ci­al).

Nes­se con­tex­to, cons­tran­gi­men­to adi­ci­o­nal­foi­a­di­vul­ga­ção,pe­la­es­ta­tal BBC, dos sa­lá­ri­os as­tronô­mi­cos de mais de uma cen­te­na dos prin­ci­pais no­mes en­tre seus jor­na­lis­tas. Os dez mais bem pa­gos em­bol­sam en­tre 400 mil e 2 mi­lhões de li­bras por ano.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.