Co­mo uma pe­dra do cais

Folha De S.Paulo - - Ilustríssima -

com­pra­dor de que sua mer­ca­do­ria e seu pre­ço eram me­lho­res—, os negros se agi­ta­vam, se ale­gra­vam e se ofe­re­ci­am à ven­da. Mas qu­an­do o ne­gó­cio era fe­cha­do, era aque­le de­ses­pe­ro: ir­mãos separados, fi­lhos ar­ran­ca­dos dos pais, ca­sais des­fei­tos… E, de um mo­do ge­ral, aqui­lo era pa­ra sem­pre: nun­ca mais pa­ren­tes, ami­gos, ma­ri­dos, mu­lhe­res… Nun­ca mais.

Va­lon­gui­nho as­sis­tiu a mui­tas des­sas ce­nas. Mas ja­mais es­bo­çou qual­quer ex­pres­são de tris­te­za ou ale­gria. So­zi­nho veio, so­zi­nho fi­cou, so­zi­nho foi se des­fa­zen­do, as­sim, sem pa­ren­tes, sem ami­gos, sem ida­de, co­mo um cão da rua, co­mo uma pe­dra do cais. Tal­vez fos­se melhor mor­rer ali mes­mo e ali mes­mo ser en­ter­ra­do. Jun­to com os mi­lha­res de pre­tos no­vos que já che­ga­ram qua­se sem vi­da ou, de mo­do ina­pe­lá­vel, con­de­na­dos à mor­te e ao es­que­ci­men­to.

Po­bre­zi­nho! Ele era ape­nas um de­men­te jo­ga­do no po­rão de um na­vio por aca­so e des­cui­do, num bo­lo de ca­ti­vos num mer­ca­do qual­quer da Cos­ta d’Áfri­ca, tal­vez na Mi­na, tal­vez em Ca­bin­da, São Pau­lo de Lu­an­da, São Filipe de Ben­gue­la.

Veio en­tor­pe­ci­do, dei­ta­do o tem­po todo, sem ne­nhu­ma no­ção de na­da, e sem ja­mais ser no­ta­do. E se aca­so fos­se per­ce­bi­do e car­re­ga­do pa­ra o con­vés, cer­ta­men­te não con­se­gui­ria nem fi­car de pé. Nem se­quer pres­sen­tia os pa­ra mais de 200 se­me­lhan­tes em des­gra­ça, su­bin­do a es­ca­da de ras­tros e aos em­pur­rões, su­fo­ca­dos pe­lo ar em­pes­ta­do e im­plo­ran­do por pe­lo me­nos um go­le d’água que lhes ilu­dis­se a se­de. Mal dis­tin­guia o zum­bi­do da­que­le en­xa­me de abe­lhas ton­tas sain­do pe­lo bu­ra­co da col­meia, en­chen­do todo o con­vés, da proa à po­pa. Mal sen­tia o pe­sa­do chei­ro aze­do que vi­nha dos mo­ri­bun­dos e mor­tos amon­to­a­dos em uma só mas­sa.

Em ci­ma, num can­to a bom­bor­do, um gru­po nos úl­ti­mos es­tá­gi­os da exaus­tão. Em­bo­ra ti­ves­sem con­se­gui­do ras­te­jar até o lu­gar on­de a água fo­ra bre­ve­men­te ofe­re­ci­da, na es­pe­ran­ça de um go­le do lí­qui­do es­sen­ci­al, in­ca­pa­zes de re­tor­nar a seus lu­ga­res, ja­zi­am pros­tra­dos ao re­dor da ti­na va­zia. Em ou­tro can­to, a es­ti­bor­do, ou­tros exi­bi­am si­nais dos mais di­ver­sos ma­les: a bou­ba, que man­cha­va a pe­le, pro­du­zin­do in­cha­ço no pes­co­ço; as bi­ta­cai­as, que roíam os en­tre­de­dos na­que­la co­mi­chão dos in­fer­nos e da­vam cau­sa ao ai­nhum; o gun­du, que des­car­na­va os na­ri­zes; a ca­que­xia do Egi­to, dei­xan­do o in­fe­liz só pe­le e os­so, co­mo mú­mia de­sen­ro­la­da; a fri­al­da­de… Um ver­da­dei­ro ca­tá­lo­go das do­en­ças afri­ca­nas fa­zen­do sua si­nis­tra e cei­fa­do­ra en­tra­da em águas do Bra­sil. E além de­las, mo­lés­ti­as co­mo as be­xi­gas, o sa­ram­pão, a mor­feia, a di­sen­te­ria, que já vi­nham de ou­tros con­ti­nen­tes e pa­ra­gens.

Al­guns já che­ga­vam ce­gos; ou­tros, es­que­le­tos vi­vos, in­ca­pa­zes de su­por­tar o pe­so dos pró­pri­os cor­pos, eles vi­nham. Mães com cri­an­ças pe­que­nas pen­du­ra­das nos pei­tos, mas in­ca­pa­zes de dar a elas uma go­ta de lei­te. Uns me­nos, ou­tros mais; po­rém to­dos feridos ou cha­ga­dos. As es­co­ri­a­ções pro­vi­nham de es­tar dei­ta­dos so­bre o so­a­lho du­ran­te tan­to tem­po. O mau chei­ro, de fa­to in­su­por­tá­vel, anun­ci­a­va do­en­ça, de­fi­ci­ên­cia, mi­sé­ria.

Por to­dos os la­dos, ros­tos esquá­li­dos e en­co­va­dos tor­na­dos ain­da mais he­di­on­dos pe­las pál­pe­bras in­tu­mes­ci­das. Em qua­se to­dos, a ex­pres­são de com­ple­to es­tu­por. E, qu­an­do não, olha­res va­gan­do pe­no­sa­men­te ao re­dor, apon­tan­do com os de­dos su­as bo­cas cres­ta­das ou seus olhos pu­ru­len­tos da­que­le mal, ape­li­da­do “dor­do­lhos”, do qu­al a mai­o­ria pa­re­cia so­frer. No mais, eram fi­gu­ras re­du­zi­das a pe­le e os­so, cur­va­das pe­la pos­tu­ra que fo­ram for­ça­das a ado­tar na fal­ta de es­pa­ço, e que o do­lo­ro­so en­ri­je­ci­men­to das jun­tas as obri­gou a man­ter.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.