Re­cur­so frá­gil

STF acer­ta ao re­cu­sar te­se da sus­pei­ção de Ja­not, da la­vra da de­fe­sa de Te­mer; con­du­ta da Pro­cu­ra­do­ria, en­tre­tan­to, ain­da de­ve ser in­ves­ti­ga­da

Folha De S.Paulo - - Opinião -

Com­pre­en­de-se o em­pe­nho de Mi­chel Te­mer (PMDB) e de seus de­fen­so­res no sen­ti­do de evi­tar no­vas tur­bu­lên­ci­as po­lí­ti­cas e com­pli­ca­ções com a Jus­ti­ça. Não se mos­tram con­sis­ten­tes, to­da­via, as ten­ta­ti­vas de sus­tar de ações con­tra o pre­si­den­te e o go­ver­no pe­la via da ima­gi­na­ção ad­vo­ca­tí­cia.

Foi cor­re­ta­men­te re­jei­ta­da pe­lo Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral, na tar­de des­ta quar­ta-fei­ra (13), a so­li­ci­ta­ção de que se con­si­de­ras­sem dig­nas de sus­pei­ção as ati­tu­des do pro­cu­ra­dor-ge­ral da Re­pú­bli­ca, Ro­dri­go Ja­not.

O re­cur­so en­ca­mi­nha­do ao STF con­si­de­ra­va exis­ti­rem in­dí­ci­os su­fi­ci­en­tes de que o che­fe do Exe­cu­ti­vo se­ja al­vo de “ini­mi­za­de ca­pi­tal” de Ja­not. Co­mo evi­dên­cia de per­se­gui­ção, ci­tou-se a cé­le­bre fra­se des­te se­gun­do a qual “en­quan­to hou­ver bam­bu, lá vai fle­cha”.

Por una­ni­mi­da­de, os mi­nis­tros pre­sen­tes na cor­te re­jei­ta­ram tal ar­gu­men­to. O re­cur­so a uma fi­gu­ra de lin­gua­gem al­go des­pro­po­si­ta­da não vem a cons­ti­tuir, com efei­to, si­nal de de­sa­ven­ça par­ti­cu­lar e pes­so­al en­tre o ti­tu­lar da PGR e o pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca.

Tam­bém se con­si­de­rou im­pro­ce­den­te ou­tra te­se em fa­vor da sus­pei­ção de Ja­not —a de que seu pa­pel co­mo acu­sa­dor es­ta­ria com­pro­me­ti­do pe­la pos­si­bi­li­da­de de que um mem­bro do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co te­nha ofe­re­ci­do ori­en­ta­ções à de­fe­sa de Jo­es­ley Ba­tis­ta, qu­an­do se ne­go­ci­a­va sua de­la­ção pre­mi­a­da.

Se­ria ne­ces­sá­ria a par­ti­ci­pa­ção di­re­ta de Ja­not nes­se epi­só­dio pa­ra que sua sus­pei­ção se com­pro­vas­se.

To­da a ar­gu­men­ta­ção in­vo­ca­da em fa­vor de Te­mer guar­da des­con­for­tá­vel se­me­lhan­ça, co­mo já se ob­ser­vou lar­ga­men­te, com os re­cur­sos in­vo­ca­dos pe­la de­fe­sa do ex-pre­si­den­te Luiz Iná­cio Lu­la da Sil­va (PT) ar­guin­do a par­ci­a­li­da­de do juiz fe­de­ral Sér­gio Mo­ro.

Não há dú­vi­da de que, em es­pe­ci­al no oca­so de seu man­da­to co­mo pro­cu­ra­dor-ge­ral, Ro­dri­go Ja­not co­me­teu er­ros ca­pa­zes de com­pro­me­ter sua cre­di­bi­li­da­de.

O mais fla­gran­te, co­mo se sa­be, foi ter con­ce­di­do vir­tu­al im­pu­ni­da­de aos ir­mãos Jo­es­ley e Wes­ley Ba­tis­ta, em troca da re­ve­la­ção de con­du­tas po­ten­ci­al­men­te ilí­ci­tas do pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca.

Não pou­cas ir­re­gu­la­ri­da­des são apon­ta­das em to­do o pro­ces­so in­ves­ti­ga­ti­vo que cer­ca o en­con­tro en­tre Jo­es­ley e Mi­chel Te­mer, no Pa­lá­cio do Ja­bu­ru, em mar­ço.

Não há co­mo con­tes­tar des­de já, en­tre­tan­to, a va­li­da­de das pro­vas ob­ti­das —e é es­te ou­tro pon­to em que re­si­dem as es­pe­ran­ças dos ad­vo­ga­dos, não só do pre­si­den­te mas tam­bém de seu ex-as­ses­sor Ro­dri­go Ro­cha Lou­res, fla­gra­do com uma ma­la de di­nhei­ro de­pois da fa­tí­di­ca con­ver­sa.

Es­se tó­pi­co vol­ta­rá a ser dis­cu­ti­do pe­lo Su­pre­mo. Até lá, o país de­ve­rá co­nhe­cer uma no­va pe­ça acu­sa­tó­ria con­tra o pre­si­den­te.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.