O ci­ne­ma na sa­la

Folha De S.Paulo - - Opinião - KLEBER MEN­DON­ÇA FI­LHO

Es­te é um mo­men­to e tan­to pa­ra acom­pa­nhar a aber­tu­ra de uma no­va sa­la de ci­ne­ma. Em 2017, o mer­ca­do es­tá ner­vo­so, num cres­cen­do. De­pois do me­do da TV e do ho­me vi­deo em dé­ca­das pas­sa­das, sur­gem no­vas dú­vi­das so­bre os há­bi­tos do pú­bli­co com a in­ter­net, que ago­ra tem na Net­flix uma som­bra na te­la gran­de. Ain­da as­sim, sa­las de ci­ne­ma con­ti­nu­am sen­do inau­gu­ra­das.

Os ame­ri­ca­nos re­cla­mam do pi­or ve­rão em 20 anos nas bi­lhe­te­ri­as. Ações na Bol­sa de em­pre­sas exi­bi­do­ras caí­ram mui­to nos úl­ti­mos me­ses, e há ru­mo­res de que es­tú­di­os par­ti­rão pa­ra o cha­ma­do Pre­mium Vi­deo on De­mand, ou Pre­mium VOD, ideia que vem sen­do es­tu­da­da há anos. A ideia é ofe­re­cer lan­ça­men­tos si­mul­tâ­ne­os em ca­sa, 17 ou 30 di­as de­pois dos ci­ne­mas, com “pre­ços pre­mium”.

Is­so di­mi­nui (ou ex­tin­gue) a ex­clu­si­vi­da­de das sa­las nos lan­ça­men­tos. Ho­je, le­va em média três me­ses pa­ra que fil­mes se­jam vis­tos fo­ra dos ci­ne­mas. O mer­ca­do, sem­pre a pos­tos pa­ra “ma­tar ou mor­rer”, pa­re­ce tam­bém pron­to pa­ra cor­rer atrás do pró­prio ra­bo e co­mê-lo. En­quan­to is­so, “Ga­me of Th­ro­nes” e “Twin Pe­aks The Re­turn” têm ti­do uma aten­ção na mí­dia cul­tu­ral que mui­tos fil­mes de ci­ne­ma não têm.

Ano pas­sa­do, vi­si­tei o Me­tro­graph, no­vo es­pa­ço em No­va York, com sa­las de rua que mis­tu­ram fil­mes com um res­tau­ran­te, mo­de­lo de ne­gó­cio nos EUA e Eu­ro­pa. A ida ao ci­ne­ma com co­mi­da no mes­mo es­pa­ço. A com­bi­na­ção po­de so­ar des­lo­ca­da no Bra­sil, on­de o ci­ne­ma mi­grou da rua qua­se ex­clu­si­va­men­te pa­ra o shop­ping, e on­de a pra­ça de ali­men­ta­ção já é uma ins­ti­tui­ção na­ci­o­nal há dé­ca­das.

Na mu­dan­ça da rua pa­ra o shop­ping, a ideia de “ci­ne­ma po­pu­lar” pa­re­ce ter fi­ca­do pe­lo ca­mi­nho, ten­do si­do re­to­ma­da e re­con­fi­gu­ra­da nos úl­ti­mos anos com a re­no­va­ção do par­que exi­bi­dor (e das clas­ses C e D). Es­sa re­con­fi­gu­ra­ção so­ci­al/urbana do ci­ne­ma nos úl­ti­mos 30-40 anos, to­tal­men­te tra­ma­da pe­lo mer­ca­do, ain­da aguar­da um es­tu­do de im­pac­to nas nos­sas ci­da­des.

E os mul­ti­plex, aqui e no mun­do, pa­re­cem ten­sos em 2017. Es­tão ofe­re­cen­do uma quan­ti­da­de no­tá­vel de mi­mos e por eles co­bran­do “pre­ços pre­mium”. Com o 3D já dan­do si­nais de exaus­tão, ago­ra te­mos pol­tro­nas que cha­co­a­lham o es­pec­ta­dor com ven­ti­nho e agui­nha no ros­to —em 4D. Há sa­las XD, 4K, Imax Di­gi­tal. Tem o Dolby At­mos, com som que sai do te­to e ci­ne­mas com gar­çons ser­vin­do es­pu­man­te em cli­ma de clas­se exe­cu­ti­va em avião. Es­pe­ra-se que os no­vos “Ava­tar”, de Ja­mes Ca­me­ron, lan­cem tec­no­lo­gia 3D sem ócu­los.

A iro­nia es­te ano é que o des­ta­que de tec­no­lo­gia em exi­bi­ção ci­ne­ma­to­grá­fi­ca (com “pre­ços pre- mium”) não veio de equi­pa­men­tos di­gi­tais, mas de ro­los de pe­lí­cu­la Ko­dak que o mer­ca­do ha­via de­cla­ra­do mor­tos.

“Dun­kirk”, de Ch­ris­topher No­lan, te­ve ren­das gran­des nas sa­las on­de foi apre­sen­ta­do em Imax 70mm e Su­per Pa­na­vi­si­on 70mm, for­ma­tos ana­ló­gi­cos que sa­las bra­si­lei­ras não pro­je­tam mais. Nos­so país te­ve uma lon­ga e bu­ro­crá­ti­ca tran­si­ção di­gi­tal e, no pro­ces­so, aban­do­nou o par­que ana­ló­gi­co. Co­mo o dis­co de vi­nil, a pro­je­ção em “fil­me” po­de ain­da ren­der di­nhei­ro num ni­cho bom.

En­quan­to is­so, na Co­reia do Sul, a Sam­sung apre­sen­tou, em abril, a pri­mei­ra te­la de ci­ne­ma que é uma TV gi­gan­te, sem pro­je­tor. Cu­ri­o­so, pois o con­su­mi­dor já tem o mes­mo ti­po de coi­sa em ca­sa.

Ao bor­rar os li­mi­tes da “qua­li­da­de téc­ni­ca”, do “con­teú­do” e da “aces­si­bi­li­da­de”, a dis­cus­são em tor­no da Net­flix tor­na-se in­te­res­san­te e mis­te­ri­o­sa. Com 104 mi­lhões de as­si­nan­tes no mun­do (e cres­cen­do), US$ 6 bi­lhões pa­ra gas­tar anu­al­men­te e a “cer­te­za” de que seu al­go­rit­mo de bus­cas “sa­be o que o con­su­mi­dor quer ver” (se­gun­do o vi­ce-pre­si­den­te de pro­du­tos da Net­flix, Todd Yel­lin), o ser­vi­ço de stre­a­ming trans­for­mou-se nu­ma pre­sen­ça na cul­tu­ra.

Nas se­ma­nas de es­trei­as nos ci­ne­mas de fil­mes re­cen­tes co­mo o ame­ri­ca­no “Cor­ra!”, de Jor­dan Pe­e­le, ou “Co­mo Nos­sos Pais”, de Laís Bo­danzky, pes­so­as per­gun­ta­vam se os fil­mes já es­ta­vam na Net­flix. Ain­da não. Até uns três anos atrás, a per­gun­ta mais co­mum era “Já tem pra bai­xar?” Is­so é in­crí­vel.

Ago­ra, to­da es­sa con­ver­sa de mer­ca­do, o que ela sig­ni­fi­ca pa­ra um pe­que­no ci­ne­ma que abre as por­tas ho­je? Tal­vez sig­ni­fi­que en­ten­der es­te mer­ca­do pa­ra ter a li­ber­da­de de ten­tar ou­tras coi­sas.

To­das as sa­las in­te­gram um cir­cui­to de cul­tu­ra já bas­tan­te di­ver­so. A in­cer­te­za (mais do que a cer­te­za) so­bre “o que o pú­bli­co quer ver” de­ve fa­zer par­te mais ou me­nos sem­pre, um apren­di­za­do cons­tan­te.

A sa­la de ci­ne­ma po­de ser um ar­qui­vo cons­tan­te e vi­vo, pro­je­ta­do em fil­me pe­lí­cu­la e em di­gi­tal mo­der­no, e on­de os la­ços do ci­ne­ma com ou­tras for­mas de ex­pres­são se­jam uma co­ne­xão fir­me. E que tu­do is­so se­ja fei­to com a melhor apre­sen­ta­ção téc­ni­ca de som e ima­gem.

Fi­nal­men­te, pa­ra ca­da no­va ação cri­a­da pa­ra re­ven­der o pro­du­to “sa­la de ci­ne­ma”, é bom lem­brar que ela se man­tém vi­va des­de 1895 por de­ta­lhes ana­ló­gi­cos que não são mais mui­to dis­cu­ti­dos: as pol­tro­nas em fi­lei­ras são vi­ra­das pa­ra uma te­la, o am­bi­en­te é es­cu­ro, e o es­pa­ço co­le­ti­vo é de in­te­ra­ção, mas tam­bém de in­di­vi­du­a­li­da­de res­pei­ta­da.

A sa­la co­mo cen­tro de ima­gem e idei­as tem pa­pel im­por­tan­te num mo­men­to de pes­si­mis­mo so­ci­al e po­li­ti­co. E é nes­se es­pa­ço que o diá­lo­go e o de­ba­te de­vem ser es­ti­mu­la­dos, a li­ber­da­de de se ex­pres­sar com ima­gem e pa­la­vra co­mo ele­men­to de ci­da­da­nia. KLEBER MEN­DON­ÇA FI­LHO

Qu­an­do lan­ça­ram o li­vro “To­dos os Ho­mens do Pre­si­den­te”, os jor­na­lis­tas Bob Wo­odward e Carl Berns­tein não pre­ci­sa­ram de­se­nhar um or­ga­no­gra­ma e co­lo­car Ri­chard Ni­xon no cen­tro, cer­ca­do por to­dos os lados, pa­ra ex­pli­car o es­cân­da­lo Wa­ter­ga­te nos Es­ta­dos Uni­dos. Aqui, no Bra­sil, pa­re­ce que é pre­ci­so de­se­nhar a situação e, mes­mo as­sim, não há um des­fe­cho pa­ra o es­cân­da­lo. Tal­vez por­que fal­te um no­me que des­cre­va o ab­sur­do po­lí­ti­co e mar­te­le o úl­ti­mo pre­go no cai­xão do go­ver­no.

LUIZ RO­BER­TO DA COS­TA JR.

Ven­do a fo­to da Pri­mei­ra Pá­gi­na da Fo­lha (13/9), pen­so is­to: se a PF não é cons­ti­tuí­da de ce­le­ra­dos, se o MPF não é um gru­po de ir­res­pon­sá­veis, se o STF acha que há in­dí­ci­os su­fi­ci­en­tes pa­ra ini­ci­ar uma in­ves­ti­ga­ção cri­mi­nal, en­tão o que es­ses se­nho­res ain­da es­tão fa­zen­do em car­gos pú­bli­cos? Por que não es­tão afas­ta­dos en­quan­to as in­ves­ti­ga­ções pros­se­guem? Por que man­têm prer­ro­ga­ti­vas im­pen­sá­veis pa­ra qual­quer ou­tro ci­da­dão bra­si­lei­ro?

GUSTAVO A. J. AMARANTE

Gil­mar Men­des O mi­nis­tro Gil­mar Men­des diz que o STF pas­sa por ve­xa­me. Pa­la­vras tão per­ti­nen­tes não po­de­ri­am ter vin­do de ou­tra pes­soa (“Gil­mar diz que Fa­chin cor­re ris­co de ‘man­char seu no­me’”, “Po­der”, 13/9).

OTÁVIO DE QU­EI­ROZ

Pa­ra­béns a Fran­cis­co Daudt pe­la be­la re­fle­xão (“Es­pe­ran­ça”, “Co­ti­di­a­no”, 13/9). É re­con­for­tan­te co­nhe­cer uma en­ti­da­de com vi­são so­ci­al ali­nha­da com o nos­so ide­al de trans­for­ma­ção so­ci­al. Co­mo diz o au­tor, é ne­ces­sá­rio abrir a por­ta da es­pe­ran­ça e su­bes­ti­mar a vi­ti­mi­za­ção. Den­tro da re­a­li­da­de, no co­ti­di­a­no, é pos­sí­vel vi­ven­ci­ar a éti­ca e, com ela, a es­té­ti­ca na be­le­za da cons­tru­ção do sen­ti­men­to de es­pe­ran­ça. Na es­co­lha en­tre o as­sis­ten­ci­a­lis­mo in­con­se­quen­te e a trans­for­ma­ção so­ci­al de se­res autô­no­mos, a éti­ca da vir­tu­de es­co­lhe a se­gun­da op­ção.

ÂNGELA L. S. BONACCI

Ges­tão fis­cal Ao co­men­tar meu ar­ti­go so­bre a ges­tão fis­cal, a ex-vi­ce-pre­fei­ta Ná­dia Cam­peão não to­ca no pon­to cen­tral: a fal­ta de con­tro­le nos gas­tos com ser­vi­ços es­sen­ci­ais. Gas­tar mais não sig­ni­fi­ca melhorar a qua­li­da­de em áre­as co­mo saú­de e edu­ca­ção e com­pro­me­te ou­tras áre­as, co­mo ze­la­do­ria, as­fal­to e cul­tu­ra. A ges­tão fa­zen­dá­ria e o per­dão da dí­vi­da do go­ver­no fe­de­ral aju­da­ram o go­ver­no an­te­ri­or a fe­char as con­tas em 2016, mas não re­ver­te­ram a ten­dên­cia ao de­se­qui­lí­brio or­ça­men­tá­rio, es­ti­ma­do em mais de R$ 7 bi­lhões (“A di­fe­ren­ça é a pri­o­ri­da­de”, Ten­dên­ci­as/De­ba­tes, 13/9).

CAIO MEGALE,

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.