Agres­si­vo, pe­tis­ta sai mais réu que can­di­da­to

No 1º de­poi­men­to a Mo­ro, ex-pre­si­den­te ela­bo­rou dis­cur­so pa­ra cam­pa­nha; des­ta vez, foi en­qua­dra­do pe­lo juiz

Folha De S.Paulo - - Poder - IGOR GIELOW

Qua­tro me­ses atrás, Luiz Iná­cio Lu­la da Sil­va per­me­ou seu pri­mei­ro en­con­tro com Ser­gio Mo­ro de iro­ni­as e com um fir­me pro­pó­si­to de es­ta­be­le­cer um dis­cur­so pa­ra a mi­li­tân­cia do PT.

Nes­ta quar­ta (13), o que se viu em Cu­ri­ti­ba foi o pe­tis­ta acuado e agres­si­vo, obri­ga­do a fa­lar so­bre o ob­je­to da ação que res­pon­de e to­lhi­do ao ten­tar fa­zer ma­ni­fes­ta­ções mais po­li­ti­za­das.

Se is­so de­ve­ria ser a nor­ma­li­da­de num pro­ces­so ju­di­ci­al, a re­a­li­da­de agu­da da cri­se po­lí­ti­ca bra­si­lei­ra tor­nou o epi­só­dio uma ex­ce­ção.

De lá pa­ra cá, as coi­sas mu­da­ram. Lu­la se man­te­ve à fren­te de pes­qui­sas de in­ten­ção de vo­to pa­ra a Pre­si­dên­cia em 2018, mas foi con­de­na­do pe­lo mes­mo Mo­ro e ago­ra sua ele­gi­bi­li­da­de de­pen­de de uma im­pro­vá­vel re­ver­são to­tal da sentença pe­lo Tri­bu­nal Re­gi­o­nal Fe­de­ral de Por­to Ale­gre.

Mes­mo com os ób­vi­os re­cur­sos nes­te ca­so, o PT já tra­ba­lha num pla­no B. O par­ti­do gos­ta­ria de ver a de­ci­são da se­gun­da ins­tân­cia até maio, pa­ra ter tem­po de ela­bo­ra­ção de uma cam­pa­nha que se­ja com­pe­ti­ti­va.

O ex-pre­si­den­te ten­de­rá a man­ter-se co­mo um po­lo da dis­pu­ta, es­tan­do ou não na ur­na, mas o seu en­co­lhi­men- to re­tó­ri­co e mes­mo o fra­co apoio que ob­te­ve nas ru­as ins­pi­ra um acom­pa­nha­men­to pró­xi­mo pa­ra a ma­nu­ten­ção des­sa as­ser­ti­va.

A ex­pres­são cor­po­ral de Lu­la mu­dou nes­te de­poi­men­to. Se de­mons­tra­va al­gum ner­vo­sis­mo e an­si­e­da­de na oi­ti­va de maio, ago­ra vo­ci­fe­rou e fi­cou per­to de ex­plo­dir ver­bal­men­te di­ver­sas ve­zes.

Foi par­ti­cu­lar­men­te no­tá­vel seu em­ba­te com a re­pre- sen­tan­te do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, que aca­bou mal pa­ra Lu­la: num da­do mo­men­to, ele a cha­ma de “que­ri­da” e é re­pre­en­di­do por Mo­ro, que exi­ge o “dou­to­ra” ou “se­nho­ra pro­cu­ra­do­ra”.

Em ou­tro pon­to, Lu­la su­ge­re que ela não es­ta­va “pres­tan­do aten­ção”. Não es­ti­ves­se a agen­da fe­mi­nis­ta mi­li­tan­te ali­nha­da à es­quer­da no país, se­ria pre­vi­sí­vel uma en­xur­ra­da de crí­ti­cas nas re­des.

Lu­la só con­se­guiu sair um pou­co das cor­das nas cur­tas con­si­de­ra­ções fi­nais, qu­an­do ci­tou ser al­vo de uma “ca­ça às bru­xas” e acu­sou o Ju­di­ciá­rio de “es­tar re­fém da im­pren­sa”.

Mas qu­an­do ten­tou en­ga­tar uma crí­ti­ca ao pro­ces­so de re­vi­são da de­la­ção da JBS ci­tan­do o cri­ti­ca­do pro­cu­ra­dor­ge­ral Ro­dri­go Ja­not, foi im­pe­di­do por Mo­ro.

“Não tem na­da a ver com Bra­sí­lia, com o dou­tor Ja­not”, res­pon­deu o juiz, de­li­mi­tan­do os es­pa­ços e ci­en­te do mo­men­to de fra­gi­li­da­de da Ope­ra­ção Lava Jato. É no­tó­ria a di­ver­gên­cia de mé­to­dos en­tre os pro­cu­ra­do­res re­gi­o­nais e os ba­se­a­dos na ca­pi­tal, sob a tu­te­la di­re­ta da PGR.

Mo­ro tam­bém foi frio qu­an­do res­pon­deu à pro­vo­ca­ção fi­nal de Lu­la, que per­gun­tou se ele po­de­ria ser des­cri­to co­mo “juiz im­par­ci­al” em um al­mo­ço com seus ne­tos.

“Pri­mei­ro, não ca­be ao se­nhor fa­zer es­se ti­po de per­gun­ta pa­ra mim, mas de to­do mo­do, sim”, dis­se, re­cu­san­do-se a dis­cu­tir sua sentença con­de­na­tó­ria no ca­so do trí­plex do Gu­a­ru­já.

Em re­su­mo, se o an­ti­cli­má­ti­co em­ba­te de maio aca­bou com Lu­la ma­ne­jan­do dis­cur­so de can­di­da­to pron­to, o de se­tem­bro as­sis­tiu mais a um réu sob pres­são.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.