(fo­to)

Folha De S.Paulo - - Poder - RUBENS VALENTE REYNALDO TUROLLO JR.

DE BRA­SÍ­LIA

As de­cla­ra­ções do cor­re­tor de va­lo­res Lú­cio Fu­na­ro em seu acor­do de de­la­ção con­tra­di­zem a ver­são apre­sen­ta­da à Pro­cu­ra­do­ria-Ge­ral da Re­pú­bli­ca pe­lo em­pre­sá­rio Jo­sé Yu­nes, ami­go e ex-as­ses­sor do pre­si­den­te Mi­chel Te­mer, e di­ver­gem de tre­cho das de­la­ções da Ode­bre­cht so­bre o des­ti­no do di­nhei­ro.

Fu­na­ro, ho­je pre­so na Pa­pu­da, dis­se que es­te­ve em 2014 no es­cri­tó­rio de Yu­nes, em São Pau­lo, pa­ra pe­gar R$ 1 mi­lhão co­mo par­te de acer­to que en­vol­ve­ria R$ 10 mi­lhões da em­prei­tei­ra pa­ra cam­pa­nhas do PMDB na­que­le ano.

O pe­di­do do PMDB ao co­man­do da Ode­bre­cht, do qual Fu­na­ro não par­ti­ci­pou, te­ria par­ti­do do en­tão vi­ce-pre­si­den­te Te­mer e de ou­tros pe­e­me­de­bis­tas.

Fu­na­ro dis­se não ter fa­la­do com Te­mer so­bre es­se as­sun­to e que seu ca­nal de in­ter­lo­cu­ção era Edu­ar­do Cu­nha.

O cor­re­tor afir­mou que re­ti­rou o di­nhei­ro no es­cri­tó­rio de Yu­nes e man­dou en­tre­gá­lo na se­de do PMDB em Sal­va­dor, em res­pos­ta a um pe­di­do fei­to pe­lo ex-mi­nis­tro Ged­del Vi­ei­ra Li­ma, que ho­je es­tá pre­so.

À PGR, em fe­ve­rei­ro, Yu­nes, en­tre­tan­to, dis­se que Pe­gou R$ 1 mi em es­pé­cie no es­cri­tó­rio de Jo­sé Yu­nes, em SP. De­pois man­dou um emis­sá­rio en­tre­gar, de car­ro, o di­nhei­ro em Sal­va­dor (BA) pa­ra be­ne­fí­cio do ex-mi­nis­tro Ged­del Vi­ei­ra Li­ma (PMDB-BA), ho­je pre­so. O va­lor, se­gun­do o de­la­tor fez par­te de um acer­to que en­vol­ve­ria R$ 10 mi­lhões da­dos pe­la em­prei­tei­ra pa­ra cam­pa­nhas do PMDB na­que­le ano hou­ve um mo­vi­men­to no sen­ti­do con­trá­rio: ele re­ce­beu um “pa­co­te” de Fu­na­ro em seu es­cri­tó­rio a pe­di­do do atu­al mi­nis­tro Eli­seu Pa­di­lha (Ca­sa Ci­vil) e não de Ged­del.

O em­pre­sá­rio afir­mou que não te­ve cu­ri­o­si­da­de de sa­ber qual o con­teú­do do pa­co­te, que foi en­tre­gue de­pois, por sua se­cre­tá­ria, a uma pes­soa que dis­se se cha­mar tam­bém “Lú­cio”. Yu­nes de­cla­rou não ter vis­to es­sa pes­soa.

A ver­são de Fu­na­ro di­ver­ge de dois de­la­to­res da Ode­bre­cht so­bre o be­ne­fi­ciá­rio do Uma pes­soa que de­pois ele re­co­nhe­ceu co­mo sen­do Lú­cio Fu­na­ro lhe en­tre­gou um en­ve­lo­pe em seu es­cri­tó­rio, em São Pau­lo, a pe­di­do de Eli­seu Pa­di­lha. De­pois, o en­ve­lo­pe foi re­pas­sa­do pe­la sua se­cre­tá­ria a uma pes­soa que se dis­se tam­bém cha­mar por “Lú­cio”. Yu­nes dis­se que não viu es­sa pes­soa pa­ga­men­to e de uma pla­ni­lha da em­prei­tei­ra.

Exe­cu­ti­vos dis­se­ram ter man­da­do en­tre­gar R$ 1 mi­lhão no es­cri­tó­rio de Yu­nes, mas as­so­ci­a­ram o va­lor a Pa­di­lha e Mo­rei­ra Franco, ho­je se­cre­tá­rio-ge­ral da Pre­si­dên­cia, além do pró­prio Te­mer.

Tan­to as­sim que o pro­cu­ra­dor-ge­ral da Re­pú­bli­ca, Ro­dri­go Ja­not, pe­diu aber­tu­ra de inqué­ri­to no STF (Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral), em abril pas­sa­do, pa­ra ave­ri­guar Pa­di­lha e Mo­rei­ra, e não Ged­del. Te­mer, que ne­ga re­la­ção com o epi­só­dio, não foi in­cluí­do por­que o su­pos­to ato ilí­ci­to te­ria ocor­ri­do an­tes de sua pos­se na Pre­si­dên­cia, em 2016.

Se­gun­do os de­la­to­res da Ode­bre­cht, o va­lor de R$ 1 mi­lhão era par­te do acer­to de R$ 10 mi­lhões fei­to em jan­tar em maio de 2014 no Pa­lá­cio do Ja­bu­ru, na pre­sen­ça de Te­mer, Pa­di­lha, Marcelo Ode­bre­cht, do­no da em­prei­tei­ra, e Cláu­dio Me­lo Fi­lho, di­re­tor de re­la­ções ins­ti­tu­ci­o­nais da cons­tru­to­ra. Ged­del tam­bém não foi ci­ta­do co­mo par­ti­ci­pan­te.

O va­lor de R$ 10 mi­lhões foi di­vi­di­do em dois, se­gun­do os de­la­to­res: R$ 6 mi­lhões pa­ra a cam­pa­nha de Pau­lo Skaf (PMDB-SP) ao go­ver­no de São Pau­lo e os R$ 4 mi­lhões res­tan­tes fi­ca­ri­am sob con­tro­le de Pa­di­lha, “res­pon­sá­vel por re­ce­ber e alo­car in­ter­na­men­te os re­cur­sos”.

Me­lo Fi­lho dis­se que o va­lor des­ti­na­do a Pa­di­lha foi “ope­ra­ci­o­na­li­za­do” por ou­tro exe­cu­ti­vo da Ode­bre­cht, Jo­sé de Carvalho Fi­lho, que tam­bém se tor­nou de­la­tor.

Carvalho Fi­lho con­fir­mou que a pla­ni­lha da Ode­bre­cht com a lis­ta dos pa­ga­men­tos dos su­bor­nos tra­zia o co­di­no­me “An­go­rá” re­la­ci­o­na­do ao pa­ga­men­to de R$ 1 mi­lhão pa­ra “o sr. Yu­nes”. O mi­nis­tro Mo­rei­ra Franco é co­nhe­ci­do, em Bra­sí­lia, co­mo “Ga­to an­go­rá”, pe­la cor bran­ca dos ca­be­los.

Nos con­tro­les da Ode­bre­cht, Ged­del era tra­ta­do por ou­tro co­di­no­me, “Ba­bel”. Uma re­la­ção de li­ga­ções te­lefô­ni­cas en­tre­gue pe­lo de­la­tor Carvalho Fi­lho mos­tra cha­ma­das tro­ca­das por ele com Pa­di­lha, e não com Ged­del.

Na pe­ti­ção em que pe­diu a aber­tu­ra do inqué­ri­to pa­ra ave­ri­guar o epi­só­dio, Ja­not afir­mou que o va­lor de R$ 4 mi­lhões foi “so­li­ci­ta­do por Mo­rei­ra Franco, mas re­ce­bi­do por Eli­seu Pa­di­lha”.

Clau­dio Me­lo Fi­lho dis­se que Ged­del lhe pro­cu­ra­va pes­so­al­men­te por re­cur­sos pa­ra sua cam­pa­nha ao go­ver­no da Bahia, mas não ci­tou o epi­só­dio que en­vol­veu Yu­nes co­mo li­ga­do ao bai­a­no.

Me­lo Fi­lho afir­mou, em tex­to en­tre­gue à PGR, que ti­nha gran­de pro­xi­mi­da­de com Ged­del. “Mi­nha re­la­ção com Ged­del vem da ami­za­de de­le com meu pai. [...] Des­de o ano de 2006 até o ano de 2014 par­ti­ci­pei dos pa­ga­men­tos que fo­ram re­a­li­za­dos a Ged­del. Eu era o prin­ci­pal elo de co­mu­ni­ca­ção en­tre Ged­del e a Ode­bre­cht.”

Es­sa pro­xi­mi­da­de, se com­pro­va­da, co­lo­ca em xe­que a ne­ces­si­da­de apon­ta­da por Fu­na­ro de uma tri­an­gu­la­ção en­tre ele, Yu­nes e um emis­sá­rio pa­ra que o di­nhei­ro che­gas­se a Ged­del.

As de­fe­sas de Ged­del e Fu­na­ro não fo­ram en­con­tra­das.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.