Po­der de Trump pa­ra lan­çar um ata­que nu­cle­ar atrai pre­o­cu­pa­ção

Ex-che­fe de in­te­li­gên­cia diz que ins­ta­bi­li­da­de do pre­si­den­te le­va a um ce­ná­rio ‘as­sus­ta­dor’

Folha De S.Paulo - - Mundo - IGOR GIELOW

Re­pu­bli­ca­no, que pro­me­teu ‘fo­go e fú­ria’ con­tra Co­reia do Nor­te, po­de de­ci­dir ação em pou­cos mi­nu­tos

O po­der do pre­si­den­te ame­ri­ca­no, Do­nald Trump, de lan­çar um ata­que nu­cle­ar con­tra a Co­reia do Nor­te de for­ma não pro­vo­ca­da co­me­çou a ser dis­cu­ti­do se­ri­a­men­te nos Es­ta­dos Uni­dos.

No fim de agos­to, o ex-se­cre­tá­rio na­ci­o­nal de In­te­li­gên­cia Ja­mes Clap­per afir­mou que a pos­si­bi­li­da­de é “as­sus­ta­do­ra e pre­o­cu­pan­te” pe­la ins­ta­bi­li­da­de atri­buí­da ao re­pu­bli­ca­no. Ele foi cri­ti­ca­do por Trump, mas é uma au­to­ri­da­de res­pei­ta­da.

Os es­pe­ci­a­lis­tas Jeffrey Bra­der e Jonathan Pollack pro­pu­se­ram, em ar­ti­go (leia abai­xo), li­mi­tes aos po­de­res do pre­si­den­te.

O aces­so aos có­di­gos nu­cle­a­res foi as­sun­to da ad­ver­sá­ria Hil­lary Clin­ton e de par­la­men­ta­res, ain­da que a ló­gi­ca di­ga que Trump ape­nas emu­la ame­a­ças re­tó­ri­cas de Ri­chard Ni­xon de usar a bom­ba no Vi­et­nã nos anos 70 ao fa­lar em “fo­go e fú­ria” con­tra a di­ta­du­ra de Kim Jong-un.

De fa­to, Trump po­de or­de­nar so­zi­nho uma guer­ra nu­cle­ar. Só se­ria im­pe­di­do por um mo­tim ge­ne­ra­li­za­do, al­go al­ta­men­te im­pro­vá­vel.

Só o Con­gres­so po­de de­cla­rar guer­ra, mas um ata­que nu­cle­ar foi pen­sa­do co­mo res­pos­ta a uma ação se­me­lhan­te pe­la União So­vié­ti­ca ou Chi­na, na Guer­ra Fria.

Lo­go, pre­ci­sa­ria ser de­ci­di­do em mi­nu­tos, já que mís­seis lan­ça­dos de si­los che­ga­ri­am a Washing­ton em 30 mi­nu­tos, prazo que cai pa­ra 12 mi­nu­tos se a ori­gem for um sub­ma­ri­no no Atlân­ti­co.

Tais pra­zos podem ser fa­tais. Em 1979, por exem­plo, um ope­ra­dor in­se­riu sem que­rer a si­mu­la­ção de um ata­que so­vié­ti­co no sis­te­ma de de­fe­sa e por mi­nu­tos a re­ta­li­a­ção não foi or­de­na­da.

A “bo­la de fu­te­bol” (ame­ri­ca­no, cla­ro) fi­ca com um au­xi­li­ar a 15 se­gun­dos do pre­si­den­te e não po­de dis­pa­rar mís­seis com o pro­ver­bi­al “bo­tão nu­cle­ar”. É uma ma­la com có­di­gos, pla­nos de ata­que, pro­ce­di­men­tos de se­gu­ran­ça e um equi­pa­men­to se­cre­to de co­mu­ni­ca­ção ca­so não ha­ja li­nhas se­gu­ras.

Trump será co­nec­ta­do à sa­la de guer­ra do Pen­tá­go­no e a quais­quer ou­tras au­to­ri­da­des que de­se­je. Hollywo­od dis­se­mi­nou a ideia, des­car­ta­da por es­pe­ci­a­lis­tas, de que a or­dem te­ria de ser va­li­da­da pe­lo se­cre­tá­rio de De­fe­sa.

Trump te­ria, sim, de ter sua iden­ti­da­de che­ca­da pe­lo che­fe-ad­jun­to do Co­man­do Mi­li­tar Na­ci­o­nal. Ti­ra­ria do bol­so a “bo­la­cha”, cartão com có­di­gos a se­rem con­fron­ta­dos com uma con­tras­se­nha.

Con­fir­ma­da a or­dem, ela é in­se­ri­da no sis­te­ma, que ge­ra uma men­sa­gem crip­to­gra­fa­da de 150 ca­rac­te­res —10 a mais do que os tuí­tes tão ca­ros a Trump. Ela é en­tão en­vi­a­da pa­ra os cen­tros mi­li­ta­res, que têm 1.800 ogi­vas nu­cle­a­res de pron­ti­dão.

No so­lo, um es­qua­drão de mís­seis tem cin­co equi­pes con­tro­lan­do dez si­los ca­da. Ca­da ti­me tem du­as pes­so­as, que pre­ci­sam con­fe­rir os có­di­gos com aque­les que re­ti­ra­ram de co­fres, que tam­bém guar­dam cha­ves de dis­pa­ro.

To­das de­vem ser gi­ra­das ao mes­mo tem­po no re­gi­men­to, por pe­lo me­nos dois ti­mes. O tem­po des­de a de­ci­são ini­ci­al é de cin­co mi­nu­tos.

Já o lan­ça­men­to de sub­ma­ri­nos de­mo­ra dez mi­nu­tos a mais, por­que re­quer pre­pa­ra­ção ex­tra. Ali, o ca­pi­tão pre­ci­sa con­cor­dar com seu ime­di­a­to e dois ofi­ci­ais.

O lan­ça­men­to não po­de ser abor­ta­do. O sis­te­ma to­do é pen­sa­do pa­ra re­a­gir ra­pi­da­men­te a um gran­de ata­que ou pa­ra ga­ran­tir re­ta­li­a­ção pro­por­ci­o­nal se fos­se, por exem­plo, di­re­ci­o­na­do con­tra um úni­co mís­sil nor­te-co­re­a­no.

Is­so não quer di­zer que Trump não pos­sa lan­çar um ata­que pre­ven­ti­vo, o que cer­ta­men­te en­se­ja­ria um de­ba­te mais com­ple­xo no pri­mei­ro mo­men­to de dis­cus­são. 7 - ATA­QUE DE SUB­MA­RI­NOS O ca­pi­tão, seu ad­jun­to e dois ofi­ci­ais au­ten­ti­cam as or­dens. A men­sa­gem tem o có­di­go do co­fre que guar­da a cha­ve de lan­ça­men­to, que au­to­ri­za a ação das equi­pes de lan­ça­men­to si­mul­ta­ne­a­men­te

Fon­tes: Uni­ver­si­da­de de Prin­ce­ton e ana­lis­tas mi­li­ta­res

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.