De­si­gual­da­de em al­ta

Folha De S.Paulo - - Mercado - LAURA CARVALHO CO­LU­NIS­TAS DA SE­MA­NA se­gun­da: Mar­cia Des­sen; ter­ça: Ni­zan Gu­a­na­es; quar­ta: Ale­xan­dre Schwarts­man; quin­ta: Laura Carvalho; sex­ta: Nel­son Bar­bo­sa; sá­ba­do: Mar­cos Sawaya Jank;

MUI­TOS ANA­LIS­TAS en­ten­de­ram que o es­tu­do de Marc Mor­gan, pu­bli­ca­do na se­ma­na pas­sa­da pe­lo World We­alth In­co­me Da­ta­ba­se, ins­ti­tu­to di­ri­gi­do por Tho­mas Pi­ketty, re­fu­ta a te­se de que hou­ve que­da na de­si­gual­da­de de ren­da no Bra­sil nas úl­ti­mas dé­ca­das.

O es­tu­do mos­tra, por exem­plo, que, nos cin­co anos que an­te­ce­de­ram a cri­se fi­nan­cei­ra in­ter­na­ci­o­nal de 2007-08, o 0,1% mais ri­co da po­pu­la­ção se apro­pri­ou de 68% do cres­ci­men­to da ren­da na­ci­o­nal.

A pes­qui­sa re­for­ça es­tu­dos an­te­ri­o­res dos pes­qui­sa­do­res Marcelo Me­dei­ros, Fa­bio Cas­tro e Pe­dro Sou­za, da Uni­ver­si­da­de de Bra­sí­lia, os pri­mei­ros a com­ple­men­tar os da­dos da Pnad/IBGE com in­for­ma­ções de de­cla­ra­ções de Im­pos­to de Ren­da ob­ti­das na Re­cei­ta Fe­de­ral.

Ao com­bi­nar da­dos tri­bu­tá­ri­os, que ten­dem a su­bes­ti­mar me­nos a ren­da dos mais ri­cos do que as pes­qui­sas amos­trais, com os da­dos da Pnad, que cap­ta melhor a ren­da dos mais po­bres, os pes­qui­sa­do­res bra­si­lei­ros já ha­vi­am con­cluí­do que não hou­ve que­da na par­ce­la da ren­da apro­pri­a­da pe­lo 1% mais ri­co no Bra­sil ao lon­go dos anos 2000.

Em­bo­ra o fo­co do tra­ba­lho de Marc Mor­gan se­ja a dis­tri­bui­ção da ren­da pré-tri­bu­ta­ção, sa­be­mos que o nos­so sis­te­ma tri­bu­tá­rio al­ta­men­te re­gres­si­vo não cor­ri­ge o pro­ble­ma: ao con­trá­rio, a al­ta par­ce­la da ren­da dos mais ri­cos que é isen­ta de Im­pos­to de Ren­da nos dei­xa ain­da mais dis­tan­tes de paí­ses com uma dis­tri­bui­ção mais igua­li­tá­ria.

Mas, em­bo­ra na­da te­nha si­do fei­to ao lon­go dos úl­ti­mos go­ver­nos pa­ra re­dis­tri­buir ren­da do to­po pa­ra a ba­se da pi­râ­mi­de, o que exi­gi­ria, por exem­plo, o au­men­to da tri­bu­ta­ção so­bre a ren­da e o pa­trimô­nio dos mais ri­cos e a redução de im­pos­tos so­bre o con­su­mo, cer­ta­men­te hou­ve me­lho­ra na dis­tri­bui­ção de ren­da na ba­se da pi­râ­mi­de.

Além do efei­to das trans­fe­rên­ci­as de ren­da, tan­to os da­dos da Re­cei­ta quan­to os da Pnad/ IBGE mos­tram que hou­ve for­te redução da de­si­gual­da­de sa­la­ri­al na­que­le pe­río­do.

Em ou­tras pa­la­vras, ain­da que os sa­lá­ri­os te­nham fi­ca­do me­nos con­cen­tra­dos nos anos 2000 gra­ças ao cres­ci­men­to ace­le­ra­do dos ren­di­men­tos de tra­ba­lha­do­res da ba­se da pi­râ­mi­de —fru­to da va­lo­ri­za­ção do sa­lá­rio mí­ni­mo e do cres­ci­men­to de se­to­res mui­to in­ten­si­vos em mão de obra me­nos qua­li­fi­ca­da—, a ren­da do ca­pi­tal cres­ceu ain­da mais e se man­te­ve al­ta­men­te con­cen­tra­da na mão dos mais ri­cos.

Um tra­ba­lho de Marcelo Me­dei­ros e Fa­bio Cas­tro re­a­li­za­do pa­ra os anos 2006-2012 su­ge­re que o cres­ci­men­to da ren­da do ca­pi­tal foi o gran­de res­pon­sá­vel pe­la re­si­li­ên­cia da de­si­gual­da­de no pe­río­do, não por cau­sa do au­men­to dos lu­cros das em­pre­sas, e sim pe­los al­tos ga­nhos de ca­pi­tal ob­ti­dos so­bre a ri­que­za acu­mu­la­da. Es­sa me­di­da cap­ta, por exem­plo, a for­te al­ta nos pre­ços dos imó­veis e de ati­vos fi­nan­cei­ros que mar­cou aque­les anos.

Mas, se a que­da da de­si­gual­da­de de ren­da na ba­se não foi su­fi­ci­en­te pa­ra com­pen­sar os ga­nhos de­ri­va­dos da al­ta con­cen­tra­ção da ri­que­za na mão dos mais ri­cos na úl­ti­ma dé­ca­da, as ca­rac­te­rís­ti­cas da cri­se atu­al e da po­lí­ti­ca econô­mi­ca im­ple­men­ta­da, por sua vez, apon­tam pa­ra um au­men­to da de­si­gual­da­de tam­bém na ba­se da pi­râ­mi­de nos pró­xi­mos anos.

Um es­tu­do re­cen­te da Ten­dên­ci­as Con­sul­to­ria com ba­se em da­dos da Pnad su­ge­re que, no que tan­ge à mas­sa de sa­lá­ri­os, as fa­mí­li­as da cha­ma­da clas­se A —com ren­da su­pe­ri­or a R$ 17.286 men­sais— ob­ti­ve­ram um cres­ci­men­to da ren­da seis vez su­pe­ri­or à média no pri­mei­ro se­mes­tre des­te ano.

Na­da foi fei­to nos úl­ti­mos go­ver­nos pa­ra re­dis­tri­buir ren­da do to­po pa­ra a ba­se da pi­râ­mi­de

LAURA CARVALHO,

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.