Con­tra a ar­te

Folha De S.Paulo - - Cotidiano - SÉR­GIO RODRIGUES CO­LU­NIS­TAS DES­TA SE­MA­NA se­gun­da: Leão Ser­va; quar­ta: Fran­cis­co Daudt; quin­ta: Sér­gio Rodrigues; sex­ta: Ta­ti Ber­nar­di; sá­ba­do: Os­car Vi­lhe­na Vi­ei­ra; do­min­go: An­to­nio Pra­ta

SÃO MUI­TOS os te­mas de dis­cus­são le­van­ta­dos pe­lo can­ce­la­men­to da ex­po­si­ção de ar­te “que­er” em Por­to Ale­gre, que tem mo­no­po­li­za­do os que­bra-paus vir­tu­ais. Tra­to aqui de ape­nas um de­les: o re­a­ci­o­na­ris­mo es­té­ti­co que mar­ca es­te iní­cio de sé­cu­lo.

Em­bo­ra o pro­ta­go­nis­mo do MBL no epi­só­dio pos­sa su­ge­rir que a fal­ta de no­ção so­bre o que é ar­te se li­mi­ta à ala mais tos­ca da di­rei­ta, não te­mos tan­ta sor­te. Gran­de par­te do fi­lis­ti­nis­mo des­tes tem­pos ema­na da es­quer­da.

Vai fi­can­do ca­da vez mais in­cor­po­ra­da ao sen­so co­mum a ideia de que to­da re­pre­sen­ta­ção ar­tís­ti­ca de­ve ser li­da ao pé da le­tra co­mo de­poi­men­to cân­di­do, do­cu­men­to de in­te­res­se so­ci­o­ló­gi­co ou, pi­or, pro­pa­gan­da.

Jun­to com is­so vem um buquê de no­ções an­ti­li­ber­tá­ri­as e an­ti­ar­tís­ti­cas: a con­de­na­ção cen­só­ria de tu­do que “ofen­da” al­guém, o “lu­gar de fa­la” co­mo uma ce­la a apri­si­o­nar to­do ar­tis­ta, a “apro­pri­a­ção cul­tu­ral” que se­gre­ga in­fluên­ci­as, etc.

To­das es­sas li­nhas de for­ça con­ver­gem pa­ra um ata­que su­prai­de­o­ló­gi­co à li­ber­da­de de ex­pres­são, e não só a dos ar­tis­tas. Mas não pre­ci­sa­mos ir tão lon­ge na fi­lo­so­fia.

Pa­ra a bre­vi­da­de des­ta co­lu­na bas­ta ano­tar que o am­bi­en­te as­fi­xi­an­te do re­a­ci­o­na­ris­mo es­té­ti­co con­de­na qual­quer so­pro de fic­ção, po­e­sia, iro­nia e dis­tan­ci­a­men­to crí­ti­co a ser um sus­pi­ro de mo­ri­bun­do. Não há ar­te que pos­sa vin­gar as­sim.

Um bom exem­plo é “Ce­na de In­te­ri­or II”, qua­dro em que Adri­a­na Varejão, ar­tis­ta sé­ria, re­cor­re à es­té­ti­ca da ar­te eró­ti­ca ja­po­ne­sa pa­ra re­pre­sen­tar ce­nas for­ma­ti­vas de cer­ta se­xu­a­li­da­de bra­si­lei­ra de raí­zes ru­rais e es­cra­va­gis­tas. Na car­ti­lha ta­ti­bi­ta­te do re­a­ci­o­na­ris­mo, vi­rou “apo­lo­gia da zo­o­fi­lia”.

O ví­cio é ge­ne­ra­li­za­do. Se um per­so­na­gem de fil­me fu­ma um ba­se­a­do, di­ri­ge de­pois de en­cher a ca­ra ou xin­ga o pas­tor de la­drão, o re­a­ci­o­na­ris­mo es­té­ti­co vê nis­so apo­lo­gia das dro­gas, da di­re­ção ir­res­pon­sá­vel e da in­to­le­rân­cia re­li­gi­o­sa.

Não faz di­fe­ren­ça que as ce­nas pos­sam ser re­pre­sen­ta­ções re­a­lis­tas da vi­da e nes­se sen­ti­do fun­ci­o­nar —ou não, aí é que es­tá— den­tro de uma cons­tru­ção dra­má­ti­ca. Em vez de jul­gá-las pe­lo mo­do co­mo se en­cai­xam no qua­dro sim­bó­li­co da obra, o re­a­ci­o­na­ris­mo as to­ma pe­lo va­lor de fa­ce.

Re­bai­xa­do tão dras­ti­ca­men­te o ho­ri­zon­te in­te­lec­tu­al, tu­do vi­ra “in­cen­ti­vo”. A per­so­na­gem ado­les­cen­te de um ro­man­ce faz se­xo gru­pal e en­gra­vi­da? Pou­co im­por­ta que pa­gue um pre­ço al­to em in­fe­li­ci­da­de, es­tá in­cen­ti­van­do o se­xo pre­co­ce e pro­mís­cuo em jo­vens lei­to­ras in­de­fe­sas. Se for ne­gra, es­que­ce-se o in­cen­ti­vo, mas aí es­ta­mos di­an­te de uma odi­o­sa ca­rac­te­ri­za­ção ra­cis­ta.

O re­a­ci­o­na­ris­mo es­té­ti­co é ini­mi­go das su­ti­le­zas e am­bi­gui­da­des que ca­rac­te­ri­zam a ar­te. Tu­do de­ve ser cha­pa­do e tra­du­zí­vel num slo­gan. Tam­bém odeia o es­pe­cí­fi­co, o con­tin­gen­te, a ex­ce­ção. Apa­re­ceu na obra, vi­rou man­da­men­to uni­ver­sal.

O fenô­me­no não é no­vo nem ex­clu­si­vo do Bra­sil. Quem ler os au­tos do pro­ces­so mo­vi­do con­tra o ro­man­ce “Ma­da­me Bo­vary”, do fran­cês Gus­ta­ve Flau­bert, ve­rá que já es­ta­va qua­se tu­do lá.

Só que aque­le era o sé­cu­lo 19. O res­sur­gi­men­to do re­a­ci­o­na­ris­mo es­té­ti­co co­mo pro­ble­ma da cul­tu­ra oci­den­tal no sé­cu­lo 21 é pre­o­cu­pan­te. O Bra­sil nem pre­ci­sa­ria acres­cen­tar ao pa­co­te su­as gro­tes­cas de­fi­ci­ên­ci­as edu­ca­ci­o­nais pa­ra se ver em apu­ros.

A ban­dei­ra da vez foi er­gui­da pe­lo MBL, mas o re­a­ci­o­na­ris­mo es­té­ti­co es­tá aci­ma de ide­o­lo­gi­as

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.