Tam­bém “pi­lo­to” de ôni­bus.

Folha De S.Paulo - - Cotidiano -

dos co­bra­do­res, que se­ri­am re­a­lo­ca­dos em ou­tros pos­tos.

A con­ta, po­rém, não fe­cha —se­ri­am ne­ces­sá­ri­as va­gas pa­ra cer­ca de 28 mil co­bra­do­res. Já há atu­al­men­te 32 mil mo­to­ris­tas —en­tre em­pre­sas que ope­ram ôni­bus mai­o­res e as an­ti­gas co­o­pe­ra­ti­vas, que cir­cu­lam em veí­cu­los me­no­res em re­giões pe­ri­fé­ri­cas.

Sil­va diz que en­fren­ta o trân­si­to diá­rio há tan­to tem­po por amor ao tra­ba­lho. “Tem pas­sa­gei­ro que vi­ra até ami­go da gen­te”, dis­se ele, que cos­tu­ma lim­par o pró­prio ôni­bus an­tes de par­tir.

Pas­sou o gos­to pa­ra o fi­lho Luiz, 35, que foi co­bra­dor e ho­je é mo­to­ris­ta, e pa­ra o ir­mão, CALMA Des­de os 20 anos de ida­de, Jo­sé da Sil­va Fi­lho, 56, cir­cu­la pe­la ci­da­de le­van­do pas­sa­gei­ros. Apo­sen­ta­do há qua­tro me­ses, tam­bém se man­te­ve na ati­va. Em­pre­ga­do da Vi­a­ção Trans­pass, faz di­a­ri­a­men­te a li­nha 875-C, co­nhe­ci­da co­mo La­pi­nha, que sai da La­pa (oes­te) em di­re­ção ao Me­trô San­ta Cruz (sul).

“O mo­to­ris­ta mais ex­pe­ri­en­te dá lu­cro pa­ra a em­pre­sa. Não sai pa­ra a ba­la­da, man­tém a calma qu­an­do o pas­sa­gei­ro ar­ru­ma con­fu­são”, dis­se ele, que, di­fe­ren­te­men­te do se­ten­tão Sil­va, pre­ten­de pa­rar em bre­ve. Quer apro­vei­tar as fi­lhas.

En­tre os se­gui­do­res de Sil­va es­tá Ed­gar Pe­rei­ra, 33, que há ape­nas dois me­ses ope­ra a li­nha 6836 (Ca­pão Re­don­do-Ter­mi­nal João Di­as).

Após seis me­ses de trei­na­men­to, dei­xou a fun­ção de co­bra­dor pa­ra vi­rar mo­to­ris­ta. “Sem­pre ti­ve von­ta­de. Tem gen­te que nas­ceu pa­ra jo­gar bo­la, pa­ra es­tu­dar, eu acho que nas­ci pa­ra le­var gen­te aos lu­ga­res”, dis­se ele, que foi co­bra­dor por dez anos.

Pa­ra Val­de­van No­ven­ta, pre­si­den­te do Sin­di­mo­to­ris­tas (sin­di­ca­to dos tra­ba­lha­do­res em trans­por­te ro­do­viá­rio ur­ba­no de SP), os mo­to­ris­tas apo­sen­ta­dos não se­guem tra­ba­lhan­do ne­ces­sa­ri­a­men­te por­que gos­tam.

“De­pois de dar um san­gue pe­la em­pre­sa, mui­tos es­pe­ram ser man­da­dos em­bo­ra após a apo­sen­ta­do­ria pa­ra sair com al­gu­ma in­de­ni­za­ção. Co­mo is­so não acon­te­ce, fi­cam ali a vi­da to­da”, dis­se.

Não é de ho­je, po­rém, que co­bra­do­res bus­cam as­cen­der a mo­to­ris­ta de ôni­bus. Bo­qui­nha e Pão de Qu­ei­jo tam­bém fa­zem par­te des­se gru­po. As­sim são co­nhe­ci­dos, res­pec­ti­va­men­te,os­con­du­to­resA­dail­son Sil­va Reis, 48, e Evan­di­ro Rodrigues da Sil­va, 40.

Fun­ci­o­ná­rio há 15 anos da vi­a­ção Vip, Rodrigues dei­xou de tro­car di­nhei­ro há dois.

“Fiz os cur­sos e mu­dei. Mas o co­bra­dor é mui­to im­por­tan­te, não po­de aca­bar e ge­rar de­sem­pre­go”, dis­se, em re­la­ção aos pla­nos de Do­ria.

Reis tam­bém traz na pon­ta da lín­gua o dis­cur­so sin­di­cal de que o co­bra­dor é um “um agen­te so­ci­al”. “Ele aju­da tan­to o mo­to­ris­ta quan­to o pas­sa­gei­ro”, de­fen­de.

A Se­cre­ta­ria Mu­ni­ci­pal de Mobilidade e Trans­por­tes da ges­tão tu­ca­na diz ha­ver um com­pro­mis­so de evi­tar de­mis­sões de co­bra­do­res.

A pas­ta afir­ma que há um es­tu­do pa­ra re­co­lo­car co­bra­do­res em fun­ções de ope­ra­ção, ma­nu­ten­ção ou ad­mi­nis­tra­ção das em­pre­sas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.