Ter­me­lé­tri­ca no li­to­ral de SP ge­ra re­a­ção

Pro­je­to en­con­tra re­sis­tên­cia de fren­te par­la­men­tar, de ONG, do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral e de mo­ra­do­res da re­gião

Folha De S.Paulo - - Ciência+saúde - FER­NAN­DO TADEU MO­RA­ES

Se­to­res imo­bi­liá­rio, de cons­tru­ção ci­vil e comercial são a fa­vor da usi­na, diz o pre­fei­to de Pe­ruí­be, Luiz Mau­rí­cio

O pla­no de cons­tru­ção de um com­ple­xo ter­me­lé­tri­co em Pe­ruí­be, na Bai­xa­da San­tis­ta, tem ge­ra­do con­tro­vér­sia na ci­da­de, alar­ma­do bió­lo­gos e am­bi­en­ta­lis­tas, pre­o­cu­pa­do o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co e mo­vi­men­ta­do deputados es­ta­du­ais de São Pau­lo.

Ain­da em fa­se de li­cen­ci­a­men­to am­bi­en­tal, o pro­je­to é com­pos­to de uma ter­me­lé­tri­ca de gás na­tu­ral, mais de 90 km de li­nha de trans­mis­são, um ter­mi­nal offsho­re de gás na­tu­ral e 80 km de ga­so­du­tos. O or­ça­men­to pre­vis­to é de R$ 5 bi­lhões.

Os pos­sí­veis im­pac­tos am­bi­en­tais do em­pre­en­di­men­to, que po­de vir a afe­tar es­ta­ções eco­ló­gi­cas, áre­as de pro­te­ção e al­dei­as in­dí­ge­nas le­vou, há du­as se­ma­nas, à formação de uma fren­te par­la­men­tar na As­sem­bleia Le­gis­la­ti­va de São Pau­lo.

“O pro­je­to é uma aber­ra­ção”, diz o de­pu­ta­do Luiz Fer­nan­do Tei­xei­ra (PT), co­or­de­na­dor da fren­te, que tam­bém con­ta com um mem­bro do PSDB. “Que­rem trans­for­mar um pa­raí­so eco­ló­gi­co co­mo Pe­ruí­be, um dos pou­cos lu­ga­res que ain­da pos­sui par­tes in­to­ca­das da ma­ta atlân­ti­ca, em uma Cu­ba­tão”, diz Tei­xei­ra.

Além dis­so, o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral (MPF) ma­ni­fes­tou pre­o­cu­pa­ção a res­pei­to da ra­pi­dez com que vem sen­do con­du­zi­do o li­cen­ci­a­men­to am­bi­en­tal do em­pre­en­di­men­to. No co­me­ço de agos­to o MPF ins­tau­rou um inqué­ri­to ci­vil pú­bli­co pa­ra fis­ca­li­zar o pro­ces­so. NO MAR E NA MA­TA As in­qui­e­ta­ções com re­la­ção aos im­pac­tos am­bi­en­tais do pro­je­to são cor­ro­bo­ra­das por bió­lo­gos e am­bi­en­ta­lis­tas.

Se­gun­do Fa­brí­cio Gan­di­ni, do Ins­ti­tu­to Ma­ra­mar, o pro­je­to ig­no­ra as nor­mas do Zo­ne­a­men­to Eco­ló­gi­co e Econô­mi­co do Se­tor Cos­tei­ro da Bai­xa­da San­tis­ta (ZEE), uma das prin­ci­pais le­gis­la­ções am­bi­en­tais do Es­ta­do.

“O ZEE proí­be a cons­tru­ção de um por­to no li­to­ral de Pe­ruí­be, co­mo o pre­vis­to no pro­je­to”, afir­ma Gan­di­ni. Após ana­li­sar o EIA-Ri­ma (Es­tu­do de Im­pac­to Am­bi­en­tal e o Re­la­tó­rio de Im­pac­to Am­bi­en­tal) do em­pre­en­di­men­to, o ins­ti­tu­to, que in­te­gra o Con­se­lho Con­sul­ti­vo das Áre­as de Pro­te­ção Am­bi­en­tal Ma­ri­nhas, iden­ti­fi­cou a “exis­tên­cia de ví­ci­os de pro­ce­di­men­tos in­sa­ná­veis” e pe­diu for­mal­men­te a sus­pen­são do pro­ces­so de li­cen­ci­a­men­to.

Os pos­sí­veis pro­ble­mas não se li­mi­tam ao mar. A li­nha de trans­mis­são que li­ga­rá a usi­na de Pe­ruí­be à cen­tral de Cu­ba­tão atra­ves­sa­rá áre­as que con­cen­tram es­pé­ci­es ame­a­ça­das, de acor­do com o or­ni­tó­lo­go (es­pe­ci­a­lis­ta em aves) Bru­no Li­ma, que es­tu­da a re­gião há mais de dez anos.

“Es­pé­ci­es de aves des­cem da Ser­ra do Mar pa­ra a pla­ní­cie no in­ver­no e re­gres­sam após o pe­río­do de frio. Ao lon­go des­se per­cur­so, elas vão dis­per­san­do se­men­tes de ár­vo­res”, ex­pli­ca Li­ma, res­pon­sá­vel pe­lo pri­mei­ro le­van­ta­men­to das aves da re­gião.

Se­gun­do o or­ni­tó­lo­go, as li­nhas de trans­mis­são têm o po­ten­ci­al de im­pe­dir es­se flu­xo de se­men­tes, o que re­sul­ta­ria no em­po­bre­ci­men­to des­sas flo­res­tas.

Exis­tem, além dis­so, ques­ti­o­na­men­tos acer­ca da con­cep­ção do com­ple­xo. O quí­mi­co e en­ge­nhei­ro Elio Lo­pes, que tra­ba­lhou por 25 anos na Ce­tesb (Com­pa­nhia Am­bi­en­tal do Es­ta­do de São Pau­lo) e foi ge­ren­te da com­pa­nhia em Cu­ba­tão, es­te­ve nu­ma apre­sen­ta­ção re­cen­te do pro­je­to na As­so­ci­a­ção dos En­ge­nhei­ros e Ar­qui­te­tos de San­tos, on­de con­tes­tou di­ver­sos pon­tos.

Um de­les é o sis­te­ma de re­fri­ge­ra­ção da usi­na —aber­to, e não fe­cha­do—, que uti­li­za a água do mar pa­ra ar­re­fe­cer o ma­qui­ná­rio, e é con­si­de­ra­do não só ul­tra­pas­sa­do co­mo tam­bém “frá­gil do pon­to de vis­ta am­bi­en­tal”. “Se hou­ver qual­quer aci­den­te ou va­za­men­to, os pro­du­tos da usi­na vão di­re­to pa­ra o mar”.

De acor­do com Lo­pes, o pro­je­to tam­bém não de­ta­lha co­mo se da­rá o con­tro­le das fon­tes de po­lui­ção do ar. “O pa­râ­me­tro mais im­por­tan­te nes­se ti­po de dis­cus­são é a ca­pa­ci­da­de da tur­bi­na. Qu­an­do ques­ti­o­nei o re­pre­sen­tan­te da em­pre­sa so­bre is­so, ele me dis­se que o mo­de­lo ain­da não es­ta­va es­co­lhi­do”.

“Não é pos­sí­vel sa­ber o im­pac­to na qua­li­da­de do ar sem que vo­cê sai­ba qual tur­bi­na será uti­li­za­da”, diz Lo­pes.

Tais ques­tões têm ge­ra­do em Pe­ruí­be re­sis­tên­cia à ins­ta­la­ção do com­ple­xo. No fi­nal de agos­to, uma au­di­ên­cia pú­bli­ca pa­ra dis­cu­tir o pro­je­to te­ve de ser can­ce­la­da após um pro­tes­to de mo­ra­do­res, ín­di­os e am­bi­en­ta­lis­tas.

O pre­fei­to de Pe­ruí­be, Luiz Mau­rí­cio (PSDB), por sua vez, pre­fe­re não to­mar par­ti­do na ques­tão. “A opo­si­ção ao em­pre­en­di­men­to tem ga­nha­do cor­po na ci­da­de, mas a atu­al fa­se de li­cen­ci­a­men­to am­bi­en­tal com­pe­te ao Es­ta­do. Nes­te mo­men­to, a obri­ga­ção da pre­fei­tu­ra é acom­pa­nhar o pro­ces­so pa­ra ga­ran­tir sua li­su­ra e fi­car aten­ta aos im­pac­tos que a even­tu­al ins­ta­la­ção da usi­na po­de tra­zer.”

A fa­vor do pro­je­to, de acor­do com Mau­rí­cio, es­tão a as­so­ci­a­ção comercial da ci­da­de e os se­to­res de cons­tru­ção ci­vil e imo­bi­liá­rio.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.