Se­me­lhan­ças com a sé­rie de TV ‘Nar­cos’ ti­ram boa par­te do im­pac­to de um fil­me en­ge­nho­so

Folha De S.Paulo - - Ilustrada - THALES DE ME­NE­ZES

“Fei­to na Amé­ri­ca” é uma bo­la den­tro de Tom Crui­se. En­tre su­as du­as fran­qui­as de ação ha­bi­tu­ais, “Mis­são Im­pos­sí­vel” e “Jack Re­a­cher”, es­te é um fil­me cheio de qua­li­da­des, do ro­tei­ro en­ge­nho­so a uma edi­ção fre­né­ti­ca.

O úni­co pro­ble­ma, na ver­da­de, es­tá fo­ra do fil­me. É a sé­rie de TV “Nar­cos”, su­ces­so dos bra­si­lei­ros Jo­sé Pa­di­lha e Wag­ner Mou­ra no mer­ca­do ame­ri­ca­no e mun­di­al.

Se a dra­ma­ti­za­ção da vi­da do pi­lo­to ame­ri­ca­no Bar­ry Se­al não lem­bras­se tan­to o se­ri­a­do so­bre o tra­fi­can­te co­lom­bi­a­no Pa­blo Es­co­bar, seu im­pac­to po­de­ria ser mai­or.

Im­pos­sí­vel não com­pa­rar. Pri­mei­ro por­que Se­al era um pi­lo­to comercial de al­gum ta­len­to que aca­bou tra­ba­lhan­do co­mo agen­te da CIA e de­pois ven­deu seus ser­vi­ços ao car­tel da dro­ga, tor­nan­do-se ope­ra­dor di­re­to de Es­co­bar.

Em se­gun­do lu­gar, a pro­fu­são de to­ne­la­das de co­caí­na e bol­sas e mais bol­sas de di­nhei­ro vi­vo des­fi­la­das na te­la é pu­ro “Nar­cos”.

Se­al che­gou a ter tan­to di­nhei­ro em es­pé­cie que o fil­me faz o es­pec­ta­dor bra­si­lei­ro se lem­brar o tem­po to­do da ima­gem dos R$ 51 mi­lhões den­tro de ma­las no ago­ra fa­mo­so apar­ta­men­to em Sal­va­dor. E mui­tas pi­a­das pi­po­cam no ro­tei­ro so­bre a ma­nei­ra ata­ba­lho­a­da de Se­al li­dar com tan­to pa­pel-mo­e­da.

É o pró­prio per­so­na­gem que con­ta sua sa­ga, ou­tra si­mi­la­ri­da­de com “Nar­cos”, que tem as du­as pri­mei­ras tem­po­ra­das nar­ra­das pe­lo po­li­ci­al que ca­ça Es­co­bar. HO­MEM DE FAMÍLIA Se a família do tra­fi­can­te apa­re­ce co­mo um dos gran­des fo­cos de aten­ção no se­ri­a­do, a re­la­ção de Se­al com a mu­lher e fi­lhos tam­bém tem pa­pel de des­ta­que na tra­ma.

Crui­se atua mais des­con­traí­do do que cos­tu­ma fa­zer na pe­le de du­rões co­mo Jack Re­a­cher e Ethan Hunt (de “Mis­são Im­pos­sí­vel”). Sem ce­nas de ação ar­ris­ca­das, um trun­fo de seu mar­ke­ting pes­so­al em Hollywo­od, ele po­de apa­re­cer aqui apa­ler­ma­do e tra­pa­lhão, e faz is­so bem.

Es­tar li­ga­do a acon­te­ci­men­tos re­ais é uma ar­ma­di­lha pa­ra o fil­me, por­que não há exa­ta­men­te um clí­max pa­ra en­cer­rá-lo. O rumo do per­so­na­gem es­tá atre­la­do ao des­ti­no de Se­al, e não é um des­fe­cho em­pol­gan­te.

“Fei­to na Amé­ri­ca” mos­tra que ain­da so­bra ca­ris­ma em Crui­se, mes­mo de­pois de tan­tos fil­mes na­da bri­lhan­tes. (AMERICAN MADE) DI­RE­ÇÃO Doug Li­man ELEN­CO Tom Crui­se, Sa­rah Wright, Domh­nall Gle­e­son PRO­DU­ÇÃO EUA, 2017, 16 anos QU­AN­DO es­treia nes­ta quin­ta (14) AVA­LI­A­ÇÃO bom

Di­vul­ga­ção

Tom Crui­se e Sa­rah Wright em ce­na de ‘Fei­to na Amé­ri­ca’

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.