Tom Crui­se faz pi­lo­to tra­fi­can­te em lon­ga

‘Fei­to na Amé­ri­ca’ se ba­seia na vi­da de Bar­ry Se­al, que era es­pião da CIA e pas­sou a vo­ar pa­ra car­téis co­lom­bi­a­nos

Folha De S.Paulo - - Ilustrada - RO­DRI­GO SALEM

Ator con­du­ziu avião nas ce­nas; du­ran­te ro­da­gem que­da de ou­tra na­ve ma­tou es­pe­ci­a­lis­tas em avi­a­ção da equi­pe FO­LHA,

Em “Fei­to na Amé­ri­ca”, Tom Crui­se in­ter­pre­ta um pi­lo­to que trans­por­ta co­caí­na da Colôm­bia pa­ra os Es­ta­dos Uni­dos, nos anos 1980.

Ba­se­a­do na his­tó­ria de Bar­ry Se­al, que vo­a­va pa­ra a CIA e cons­truiu um im­pé­rio de con­tra­ban­do en­tre as Amé­ri­cas, o lon­ga for­ne­ce o pa­pel mais ou­sa­do do as­tro des­de “Tro­vão Tro­pi­cal” (2008).

“Tom é um ator des­te­mi­do”, diz à Fo­lha o di­re­tor Doug Li­man (“A Iden­ti­da­de Bour­ne”), que vol­ta a tra­ba­lhar com Crui­se de­pois de “No Li­mi­te do Ama­nhã” (2014). “Não ti­ve dú­vi­das ao cha­má-lo pa­ra fa­zer um con­tra­ban­dis­ta amo­ral.”

Li­man diz não ver Se­al co­mo um tra­fi­can­te ou es­pião a ser­vi­ço da CIA —ele fa­zia re­gis­tros aé­re­os pa­ra au­xi­li­ar a bus­ca por Pa­blo Es­co­bar.

“Era um opor­tu­nis­ta”, acre­di­ta ele. O fo­co é me­nos nas con­sequên­ci­as dos atos e mais na adre­na­li­na das vi­a­gens en­tre Colôm­bia e EUA.

“Nin­guém faz mais es­ses vo­os por cau­sa dos GPS e ra­da­res mo­der­nos”, diz o di­re­tor. “Se­al e sua equi­pe fo­ram os úl­ti­mos ban­do­lei­ros dos EUA. O faroeste ame­ri­ca­no ter­mi­nou nos anos 1980.”

Pa­ra con­se­guir o as­pec­to re­a­lis­ta des­tes vo­os, o ci­ne­as­ta con­vo­cou o di­re­tor de fo­to­gra­fia Cé­sar Char­lo­ne, cu­jos mé­to­dos de “guer­ri­lha” con­fun­di­ram até o pro­ta­go­nis­ta.

“Tom es­ta­va em um mo­men­to de óti­mo atu­a­ção e pa­rou por­que não via a câ­me­ra. Per­gun­tou se ha­via al­guém fil­man­do e Cé­sar apa­re­ceu por trás da asa do avião”, lem­bra Li­man, fã do co­le­ga des­de “Ci­da­de de Deus” (2002).

“Is­so de­fi­niu o res­to das fil­ma­gens. Tom nun­ca sa­bia se es­ta­va sen­do fil­ma­do ou de on­de es­ta­va sen­do fil­man­do.”

O es­ti­lo se en­cai­xou com o fa­to de o ator sa­ber pi­lo­tar e ser co­nhe­ci­do por fa­zer as ce­nas de ação sem du­blê. “Ele é um pi­lo­to ex­tra­or­di­ná­rio. Eu que­ria que a pla­teia vi­a­jas­se jun­to com o fil­me, en­tão era es­sen­ci­al ter al­guém as­sim. To­dos as ce­nas de vo­os tra­zem Tom pi­lo­tan­do o avião de ver­da­de”, diz Li­man.

É um exa­ge­ro, cla­ro. Em cer­to mo­men­to, Se­al es­tá com a mu­lher no avião e pro­vo­ca uma que­da brus­ca en­quan­to faz se­xo com ela. A sequên­cia, con­tu­do, foi re­a­li­za­da em um es­tú­dio, com guin­das­tes.

“A ce­na co­me­çou re­al”, brin­ca o di­re­tor. Ele con­ta que vi­a­ja­va com o ator rumo a uma pis­ta na sel­va qu­an­do ador­me­ceu na par­te de trás da ae­ro­na­ve. “Tom jo­gou a ae­ro­na­ve pa­ra bai­xo e acor­dei ao ba­ter com for­ça no te­to. Foi uma ideia en­gra­ça­da, mas ra­di­cal.”

Al­go bem mais gra­ve acon­te­ceu com três mem­bros da equi­pe, em se­tem­bro de 2015. A ae­ro­na­ve com os es­pe­ci­a­lis­tas em avi­a­ção do fil­me caiu per­to de La Cla­ri­ta. na Colôm­bia, e dois mor­re­ram.

“Pi­lo­tar aviões pe­que­nos é pe­ri­go­so”, re­su­me o di­re­tor, que não po­de co­men­tar o fa­to por cau­sa dos pro­ces­sos re­la­ti­vos ao aci­den­te.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.