Es­pa­ços na Ale­ma­nha exi­bem pri­mei­ros mo­de­los da Mer­ce­des-Benz e evo­lu­ção de es­por­ti­vos da Pors­che

Folha De S.Paulo - - Turismo - JAME SCHEIMBART

Qu­an­do de­sem­bar­quei do S-Bahn (me­trô de superfície) na es­ta­ção Nec­kar­park, em Stutt­gart, na Ale­ma­nha, a ca­mi­nho do Mu­seu da Mer­ce­des-Benz, en­con­trei uma tur­ma de alu­nos de se­gun­do grau de Idaho que re­su­mi­ram mui­to bem os dois mu­seus au­to­mo­bi­lís­ti­cos que ha­vi­am aca­ba­do de vi­si­tar.

“O da Mer­ce­des tem mais de­ta­lhes e mais his­tó­ria”, dis­se um de­les. O da Pors­che era mais so­bre o le­ga­do es­por­ti­vo da com­pa­nhia. E é is­so.

O mu­seu da Mer­ce­des ofe­re­ce um pas­seio ca­ti­van­te pe­lo lo­cal de nas­ci­men­to do au­to­mó­vel, com um ní­vel de de­ta­lha­men­to his­tó­ri­co que des­lum­bra qual­quer en­tu­si­as­ta. Es­sa é uma pri­ma­zia his­tó­ri­ca à qual a em­pre­sa tem di­rei­to, por­que um de seus fun­da­do­res, Karl Benz, cos­tu­ma ser des­cri­to co­mo cri­a­dor do pri­mei­ro car­ro, e o ou­tro fun­da­dor do gru­po, Got­tli­eb Daim­ler, não fi­ca mui­to atrás.

Mas, an­tes que eu en­tras­se no mu­seu, pa­rei pa­ra ad­mi­rar o edi­fí­cio. É um pro­je­to em for­ma de du­pla es­pi­ral cri­a­do pe­lo UNS­tu­dio, da Ho­lan­da, e pa­re­ce uma joia re­don­da pou­sa­da no meio da rua Mer­ce­des. O mu­seu foi inau­gu­ra­do em 2006.

O edi­fí­cio ofe­re­ce uma ca­mi­nha­da cir­cu­lar, de an­dar em an­dar, pe­la his­tó­ria da Mer­ce­des, com no­ve pa­vi­men­tos e 16 mil me­tros qua­dra­dos de es­pa­ço de ex­po­si­ção. A li­nha do tem­po co­me­ça no pi­so mais al­to. Lá en­con­trei uma re­pro­du­ção do pri­mei­ro car­ro de Benz, e ao la­do de­la o pri­mei­ro car­ro cons­truí­do por Daim­ler, pre­ser­va­do pa­ra o mu­seu.

Na ver­da­de, fui re­ce­bi­do por um ca­va­lo, por sor­te uma re­pro­du­ção, ao ini­ci­ar mi­nha ca­mi­nha­da pe­la era do au­to­mó­vel —uma épo­ca em que 1 HP (ca­va­lo-va­por) que­ria di­zer li­te­ral­men­te is­so.

Em pou­cos anos, os car­ros co­me­ça­ram a ter mais ca­ra de car­ros do que de car­ro­ças a ca­va­lo —um exem­plo é o mais an­ti­go mo­de­lo com a mar­ca Mer­ce­des que o mu­seu abri­ga, um car­ro fa­bri­ca­do em 1902, com mo­tor de 40 HP.

Uma vi­si­ta ao mu­seu po­de ser es­ta­fan­te, pois há mui­ta his­tó­ria a ab­sor­ver, car­ros lin­dos a ad­mi­rar, co­mo o 300SL Cou­pe, de 1955, co­nhe­ci­do co­mo “asa de gai­vo­ta”.

O vi­si­tan­te des­co­bri­rá tam- bém que Mer­ce­des era o no­me da fi­lha de um cli­en­te im­por­tan­te, Mer­cédès Jel­li­nek, e que a es­tre­la de três pon­tas que ser­ve de lo­go­ti­po à mar­ca sim­bo­li­za ter­ra, fo­go e ar.

A cer­ca de 11 quilô­me­tros do da Mer­ce­des, o mu­seu da Pors­che, eri­gi­do so­bre três co­lu­nas em for­ma de V, é uma cons­tru­ção im­pres­si­o­nan­te que pa­re­ce flu­tu­ar so­bre o so­lo. Foi inau­gu­ra­do em 2009.

Re­pre­sen­tan­tes po­si­ci­o­na­dos no sa­guão per­mi­tem que vo­cê di­ri­ja, por exem­plo, um Pors­che 911, ao pre­ço de US$ 165 (R$ 513) por ho­ra, mas é ne­ces­sá­rio dei­xar um de­pó­si­to de US$ 3.000 (R$ 9.330).

O mu­seu é me­nos com­ple­xo que o da Mer­ce­des. Há ape­nas um pi­so e um me­za­ni­no, com 5.400 me­tros qua­dra­dos de área.

É pos­sí­vel acom­pa­nhar o de­sen­vol­vi­men­to dos mo­de­los da Pors­che, do de­sign que ter­mi­nou sen­do se­le­ci­o­na­do pa­ra o Fus­ca, cu­jo pro­je­tis­ta ini­ci­al foi Fer­di­nand Pors­che, o fun­da­dor da em­pre­sa, ao car­ro que veio a de­fi­nir a mon­ta­do­ra, o 911.

E pa­ra di­ver­são, há uma área na qual o vi­si­tan­te po­de aper­tar bo­tões e ou­vir os mo­to­res de di­ver­sos car­ros, co­mo o Pa­na­me­ra GTS.

Tam­bém im­pres­si­o­nan­te é a es­tan­te que exi­be de­ze­nas de tro­féus, par­te das 30 mil vi­tó­ri­as da com­pa­nhia no au­to­mo­bi­lis­mo es­por­ti­vo.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.