Cro­ni­ca­men­te de­si­gual

Com da­dos plau­sí­veis, no­vas pes­qui­sas são du­ro gol­pe na cren­ça de que a con­cen­tra­ção da ren­da bra­si­lei­ra caiu de for­ma ex­pres­si­va nes­te sé­cu­lo

Folha De S.Paulo - - Opinião -

Se a lon­ga cri­se po­lí­ti­ca e econô­mi­ca fez re­tro­ce­der o oti­mis­mo qu­an­to às pers­pec­ti­vas do de­sen­vol­vi­men­to bra­si­lei­ro, tam­bém so­fre du­ro gol­pe a cren­ça no que se con­si­de­ra­va uma das con­quis­tas mais pre­ci­o­sas des­te iní­cio de sé­cu­lo —a re­du­ção ex­pres­si­va da ver­go­nho­sa de­si­gual­da­de so­ci­al do país.

Es­tu­dos mais re­cen­tes, que am­pli­am o es­co­po dos da­dos ana­li­sa­dos, põem em xe­que a afir­ma­ção, par­ti­cu­lar­men­te ca­ra às ad­mi­nis­tra­ções pe­tis­tas, de que a dis­tân­cia en­tre ri­cos e po­bres en­cur­tou no pe­río­do da ex­pan­são ace­le­ra­da da eco­no­mia e dos pro­gra­mas de as­sis­tên­cia so­ci­al.

De iní­cio, é pre­ci­so es­cla­re­cer do que se es­tá fa­lan­do. Não res­ta dú­vi­da de que os ga­nhos de to­dos os es­tra­tos au­men­ta­ram nos anos de bo­nan­ça. En­tre­tan­to acre­di­ta­va­se que a ba­se da pi­râ­mi­de so­ci­al, e não o to­po, ha­via se apro­pri­a­do da mai­or par­te da ren­da ge­ra­da.

Ago­ra, há si­nais con­vin­cen­tes de que a fa­tia dos mais abo­na­dos no Pro­du­to In­ter­no Bru­to é mui­to mai­or do que se cal­cu­la­va —e, pi­or, pa­re­ce ter cres­ci­do.

Co­mo se po­de che­gar a con­clu­sões tão dis­cre­pan­tes, opos­tas mes­mo, em te­ma que tan­to mo­bi­li­za os mun­dos aca­dê­mi­co e po­lí­ti­co?

Ape­nas par­te da res­pos­ta es­tá na pro­pa­gan­da obs­ti­na­da dos go­ver­nos Luiz Iná­cio Lu­la da Sil­va e Dil­ma Rous­seff, aos qu­ais era vi­tal de­mons­trar que a es­quer­da no po­der fa­zia a sem­pre pro­me­ti­da dis­tri­bui­ção da ri­que­za na­ci­o­nal.

Tal re­tó­ri­ca am­pa­ra­va-se, po­rém, em nú­me­ros con­cre­tos. As me­di­ções de en­tão ve­ri­fi­ca­vam a evo­lu­ção do ren­di­men­to ha­bi­tu­al de­cla­ra­do pe­los en­tre­vis­ta­dos nas pes­qui­sas pe­rió­di­cas, por amos­tra­gem, re­a­li­za­das pe­lo IBGE.

Com ba­se em tal pro­ce­di­men­to, acei­to em to­do o mun­do, es­ti­mou­se que a participação dos 10% mais ri­cos na ren­da to­tal bra­si­lei­ra ha­via caí­do de 47,4%, em 2001, pa­ra 40,9% em 2014.

No en­tan­to es­sa me­to­do­lo­gia ten­de a su­bes­ti­mar os va­lo­res re­ce­bi­dos pe­los es­tra­tos so­ci­ais mais ele­va­dos —em es­pe­ci­al, da­que­les que dis­põem não ape­nas dos fru­tos do tra­ba­lho mas tam­bém do ca­pi­tal (alu­guéis, ju­ros, di­vi­den­dos).

Re­mu­ne­ra­ções do gê­ne­ro mui­tas ve­zes não são in­for­ma­das aos pes­qui­sa­do­res por ra­zões di­fe­ren­tes, in­cluin­do o me­ro des­co­nhe­ci­men­to das ci­fras pre­ci­sas.

Pa­ra sa­nar a de­fi­ci­ên­cia, tem se tor­na­do mais fre­quen­te o uso de da­dos in­for­ma­dos nas de­cla­ra­ções do Im­pos­to de Ren­da das pes­so­as fí­si­cas. O ex­pe­di­en­te, que en­vol­ve algumas di­fi­cul­da­des de or­dem téc­ni­ca, mos­tra re­sul­ta­dos es­pan­to­sos —e não no bom sen­ti­do.

Um tra­ba­lho pu­bli­ca­do em 2016 pe­lo pes­qui­sa­dor Pe­dro Sou­za, por exem­plo, con­cluiu que a ren­da apro­pri­a­da pe­los 15% mais aflu­en­tes fi­cou de es­tá­vel a li­gei­ra­men­te mai­or en­tre 2006 e 2013.

Ago­ra, um es­tu­do de Marc Mor­gan, do World We­alth and In­co­me Da­ta­ba­se (ins­ti­tu­to co­di­ri­gi­do pe­lo eco­no­mis­ta Tho­mas Pi­ketty) apre­sen­ta um le­van­ta­men­to mais ex­ten­so. Ne­le se apon­ta que os 10% mais ri­cos da po­pu­la­ção fi­ca­ram com des­co­mu­nais 54,3% da ren­da ge­ra­da em 2001 e 55,3% em 2015.

A es­ta­tís­ti­ca, ain­da que não pos­sa ser tomada co­mo de­fi­ni­ti­va, é plau­sí­vel o bas­tan­te pa­ra pro­du­zir uma frus­tra­ção que trans­cen­de em mui­to as que­re­las par­ti­dá­ri­as. Es­tá em jo­go, afi­nal, um dos ob­je­ti­vos cen­trais da re­de­mo­cra­ti­za­ção e do tex­to cons­ti­tu­ci­o­nal de 1988.

De mais fa­vo­rá­vel, po­de-se di­zer que a dis­tri­bui­ção dos ren­di­men­tos do tra­ba­lho de fa­to me­lho­rou a par­tir da dé­ca­da pas­sa­da.

A de­si­gual­da­de en­tre os 90% da ba­se da pi­râ­mi­de bai­xou por in­fluên­cia dos re­a­jus­tes do sa­lá­rio mí­ni­mo, da ex­pan­são do aces­so ao en­si­no e da re­du­ção de ini­qui­da­des en­tre ho­mens e mu­lhe­res, ne­gros e bran­cos, cam­po e ci­da­de.

Pro­gra­mas co­mo o Bol­sa Fa­mí­lia de­cer­to ti­ve­ram pa­pel re­le­van­te em re­du­zir a mi­sé­ria, mas efei­to mi­nús­cu­lo na di­vi­são to­tal do PIB.

A fim de dar con­ta do de­sa­fio, se­rá ne­ces­sá­rio in­ves­ti­men­to cer­tei­ro na in­fra­es­tru­tu­ra econô­mi­ca das re­giões mais ca­ren­tes, de for­ma a in­te­grar am­plas ca­ma­das de sua po­pu­la­ção ao mer­ca­do. Fun­da­men­tais pa­ra tan­to se­rão a me­lho­ra de qua­li­da­de e a ex­pan­são do en­si­no em to­dos os ní­veis.

Im­põe-se o com­ba­te ao aces­so pri­vi­le­gi­a­do da eli­te a re­cur­sos pú­bli­cos, do cré­di­to sub­si­di­a­do até as be­nes­ses da al­ta bu­ro­cra­cia, in­cluin­do sa­lá­ri­os e apo­sen­ta­do­ri­as.

É evi­den­te, por fim, que ren­da e pa­trimô­nio são pou­co tri­bu­ta­dos no Bra­sil, on­de a car­ga de im­pos­tos se con­cen­tra em de­ma­sia no con­su­mo de bens e ser­vi­ços. O de­ba­te em tor­no de uma ta­xa­ção mais pro­gres­si­va ain­da não al­can­çou a di­men­são e a se­ri­e­da­de que me­re­ce.

Pa­re­ce­mos fa­da­dos a uma re­vi­são da his­tó­ria re­cen­te de nos­sas ma­ze­las econô­mi­cas e so­ci­ais. Com enor­me atra­so, cons­ta­ta­mos que ain­da sa­be­mos pou­co a res­pei­to da de­si­gual­da­de que é mar­ca do país des­de seus pri­mór­di­os.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.