Nas al­tu­ras

Folha De S.Paulo - - Opinião -

São Pau­lo já foi mo­der­na. Em me­a­dos do sé­cu­lo pas­sa­do, a ci­da­de co­nhe­ceu um bre­ve ro­man­ce en­tre a ar­qui­te­tu­ra, o mer­ca­do imo­bi­liá­rio e as ne­ces­si­da­des da so­ci­e­da­de. Raul Jus­te Lo­res con­ta es­sa his­tó­ria em “São Pau­lo nas Al­tu­ras” (Três Es­tre­las), re­che­a­do com ca­sos de imigrantes e seus per­cal­ços com a bu­ro­cra­cia, em meio ao res­ga­te de pré­di­os que nos sur­pre­en­dem quan­do ca­mi­nha­mos pe­la ci­da­de.

O go­ver­no fe­de­ral de­di­ca­va seus pro­je­tos ino­va­do­res à ca­pi­tal, Rio de Ja­nei­ro, co­mo o Pa­lá­cio Ca­pa­ne­ma, que se ergue sobre pi­lo­tis, dei­xan­do um imen­so vão li­vre pa­ra a circulação das pes­so­as.

São Pau­lo, por sua vez, vi­ven­ci­a­va o em­pre­en­de­do­ris­mo. A es­co­la­ri­da­de na ci­da­de des­to­a­va do res­to do Bra­sil: 70% da po­pu­la­ção sa­bia ler e es­cre­ver em 1950, 20 pon­tos per­cen­tu­ais a mais do que a mé­dia do país, co­mo apren­do com Raul. Não foi por aca­so o seu cres­ci­men­to.

A ne­ces­si­da­de de mo­ra­dia per­mi­tiu o en­con­tro en­tre ar­qui­te­tos e em­pre­en­de­do­res pa­ra aten­der às ne­ces­si­da­des da po­pu­la­ção. O po­der ofi­ci­al, po­rém, ia na con­tra­mão do de­sen­vol­vi­men­to. A Lei do In­qui­li­na­to de 1942 con­tro­lou o re­a­jus­te dos alu­guéis e de­ses­ti­mu­lou a cons­tru­ção de pré­di­os pa­ra lo­ca­ção, pre­ju­di­can­do qu­em não ti­nha re­cur­sos pa­ra com­prar a sua ca­sa.

Os em­pre­en­de­do­res en­fren­ta­ram o pro­ble­ma cons­truin­do edi­fí­ci­os ven­di­dos na plan­ta e ade­qua­dos às ne­ces­si­da­des dos com­pra­do­res. Pro­li­fe­ra­ram os apar­ta­men­tos pe­que­nos, com so­lu­ções cri­a­ti­vas, que ti­nham que driblar a mo­ro­si­da­de da apro­va­ção na pre­fei­tu­ra, as mu­dan­ças fre­quen­tes na le­gis­la­ção e a eco­no­mia ins­tá­vel.

Raul con­ta his­tó­ri­as de ar­qui­te­tos ta­len­to­sos que in­ven­ta­ram edi­fi­ca­ções que nos sur­pre­en­dem ao pas­se­ar pe­lo Cen­tro ou por Hi­gi­e­nó­po­lis. Mui­tos eram imigrantes, não ti­nham seu di­plo­ma va­li­da­do e se de­no­mi­na­vam cons­tru­to­res, com ou­tros as­si­nan­do os seus pro­je­tos.

Os pré­di­os cur­va­dos com jar­dins e pra­ças sur­pre­en­den­tes, os apar­ta­men­tos dos mais di­ver­sos ta­ma­nhos, as ga­le­ri­as que con­vi­da­vam à frequên­cia dos pas­san­tes, sem sa­ber on­de co­me­ça­va o pri­va­do e ter­mi­na­va o pú­bli­co, e a re­si­dên­cia ao la­do do co­mér­cio re­sul­ta­ram no Co­pan e no Con­jun­to Na­ci­o­nal, en­tre ou­tras joi­as de uma ci­da­de que pri­vi­le­gi­a­va o pas­seio a pé.

O fim do li­vro mos­tra que Raul não es­tá de pas­sa­gem. A sua aná­li­se mi­nu­ci­o­sa con­clui com um en­saio pro­vo­ca­dor por que São Pau­lo de­grin­go­lou tan­to.

A par­tir de 1957, o mo­der­no foi in­ter­rom­pi­do por le­gis­la­ções que pas­sa­ram a di­fi­cul­tar o aden­sa­men­to ur­ba­no, se­gre­ga­ram a re­si­dên­cia do co­mér­cio, one­ra­ram a in­fra­es­tru­tu­ra e in­du­zi­ram o uso do au­to­mó­vel. As in­ter­ven­ções pú­bli­cas equi­vo­ca­das trans­for­ma­ram a ci­da­de que na­mo­rou Ma­nhat­tan em uma Los An­ge­les mais po­bre e mais caó­ti­ca.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.