Sob as bar­bas do PT

Folha De S.Paulo - - Opinião -

BRA­SÍ­LIA - A se­gun­da de­nún­cia con­tra Mi­chel Te­mer não de­ve­ria despertar tan­to en­tu­si­as­mo no PT. A acu­sa­ção fra­gi­li­za o pre­si­den­te, mas dei­xa cla­ro que o “qua­dri­lhão” do PMDB da Câ­ma­ra de­ve par­te de seus lu­cros aos go­ver­nos Lu­la e Dil­ma.

O pro­cu­ra­dor Ro­dri­go Ja­not fez um bre­ve his­tó­ri­co da ali­an­ça. Ela co­me­ça em 2006, quan­do o pe­tis­mo te­ve que re­com­por sua ba­se no Con­gres­so de­pois da cri­se do men­sa­lão.

O PMDB do Se­na­do, co­man­da­do por Re­nan e Sar­ney, já era lu­lis­ta des­de cri­an­ci­nha. Fal­ta­va a ala da Câ­ma­ra, que es­pe­rou o pre­si­den­te se re­e­le­ger pa­ra ne­go­ci­ar a ade­são.

Os jor­nais da épo­ca re­gis­tra­ram a eu­fo­ria de Te­mer e seus ami­gos de­nun­ci­a­dos pe­la La­va Ja­to. “União as­sim, só pa­ra apoi­ar o Tan­cre­do con­tra a di­ta­du­ra mi­li­tar”, ce­le­brou o en­tão de­pu­ta­do Hen­ri­que Edu­ar­do Al­ves, ho­je pre­so em Na­tal.

O pri­mei­ro fru­to da ali­an­ça foi a no­me­a­ção de Ged­del Vi­ei­ra Lima, ho­je na Pa­pu­da, co­mo mi­nis­tro da In­te­gra­ção Na­ci­o­nal. Ele impôs um pe­dá­gio de 3% nas obras da pas­ta, se­gun­do as in­ves­ti­ga­ções. Par­te do pro­pi­no­du­to fi­cou do­cu­men­ta­da no sis­te­ma Drousys, da Ode­bre­cht.

No se­gun­do go­ver­no Lu­la, o “qua­dri­lhão” ain­da ocu­pa­ria a di­re­to­ria in­ter­na­ci­o­nal da Pe­tro­bras, a pre­si­dên­cia de Fur­nas e a vi­ce-pre­si­dên­cia de Lo­te­ri­as da Cai­xa, na qual se re­ve­za­ram Moreira Fran­co e Ged­del.

Com Dil­ma, Te­mer vi­rou vi­ce-pre­si­den­te e pas­sou a in­di­car os mi­nis­tros da Agri­cul­tu­ra e da Avi­a­ção Ci­vil. A de­nún­cia des­cre­ve a atu­a­ção de Moreira na úl­ti­ma pas­ta co­mo “um ver­da­dei­ro es­cam­bo”.

As de­la­ções da Ode­bre­cht li­gam as con­ces­sões de ae­ro­por­tos a re­pas­ses de ao me­nos R$ 11 mi­lhões. As pla­ni­lhas in­for­mam que par­te da pro­pi­na foi en­tre­gue no es­cri­tó­rio do mi­nis­tro Eli­seu Pa­di­lha.

Na sex­ta-fei­ra, o PT afir­mou que Te­mer che­fia um go­ver­no “cor­rup­to e ile­gí­ti­mo, que de­ve ser afas­ta­do o qu­an­to an­tes”. Tu­do bem, mas fal­tou ex­pli­car por que a tur­ma fa­tu­rou tan­to sob as su­as bar­bas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.