Igual­da­de, po­bre­za e mo­ral

Folha De S.Paulo - - Opinião -

SÃO PAU­LO - Es­tu­do de Marc Mor­gan, do World We­alth and In­co­me Da­ta­ba­se, ins­ti­tu­to de pes­qui­sa co­di­ri­gi­do pe­lo eco­no­mis­ta Tho­mas Pi­ketty, mos­tra que a de­si­gual­da­de de ren­da no Bra­sil não caiu en­tre 2001 e 2015. Is­so jo­ga um pou­co de água na pro­pa­gan­da pe­tis­ta, mas não sig­ni­fi­ca que, sob Lu­la, o país não te­nha en­ri­que­ci­do, me­lho­ran­do tam­bém a si­tu­a­ção dos po­bres.

O re­sul­ta­do não me sur­pre­en­de. Re­du­zir a de­si­gual­da­de pa­re­ce ser mais di­fí­cil do que se pre­su­mia. O pró­prio best-sel­ler de Pi­ketty, “O Ca­pi­tal no Sé­cu­lo 21”, traz pis­tas em­pí­ri­cas dis­so, em­bo­ra o eco­no­mis­ta de­fen­da que, com os me­ca­nis­mos tri­bu­tá­ri­os ade­qua­dos, dê pa­ra avan­çar.

Ou­tros au­to­res são mais pes­si­mis­tas. Wal­ter Schei­del (“The Gre­at Le­ve­ler”) sus­ten­ta que a de­si­gual­da­de só cai de for­ma no­tá­vel di­an­te de gran­des ca­tás­tro­fes so­ci­ais co­mo epi­de­mi­as e guer­ras. Gre­gory Clark (“The Son Al­so Ri­ses”) ana­li­sou a re­pe­ti­ção de so­bre­no­mes em car­gos e pro­fis­sões de pres­tí­gio ao lon­go de vá­ri­os sé­cu­los em vá­ri­os paí­ses e con­cluiu que a pró­pria mo­bi­li­da­de so­ci­al é um fenô­me­no mais ra­ro do que gos­ta­ría­mos de acre­di­tar.

On­de is­so nos dei­xa? Pen­so que se põe ên­fa­se de­mais no com­ba­te à de­si­gual­da­de econô­mi­ca. Até exis­tem ra­zões prag­má­ti­cas pa­ra que se ten­te re­du­zir a dis­cre­pân­cia de ren­da e não só a mi­sé­ria. So­ci­e­da­des me­nos de­si­guais ten­dem a ser me­nos vi­o­len­tas e mais co­e­sas. Mas o fa­to é que é pos­sí­vel re­du­zir a po­bre­za mes­mo sem al­te­rar a con­cen­tra­ção de ren­da.

O fi­ló­so­fo Har­ry Frankfurt (“On Ine­qua­lity”) de­fen­de que é só a eli­mi­na­ção da po­bre­za que re­pre­sen­ta um de­sa­fio mo­ral pa­ra a so­ci­e­da­de. Não é di­fí­cil de­mons­trá-lo. Bill Ga­tes é mi­lha­res de ve­zes mais ri­co do que eu. Mas, co­mo não passo gran­des pri­va­ções por fal­ta de di­nhei­ro, es­se de­se­qui­lí­brio não en­cer­ra ne­nhu­ma in­jus­ti­ça a co­brar re­pa­ra­ção. Des­con­fio que a po­pu­la­ção per­ce­be is­so, ou a ad­mi­nis­tra­ção Lu­la não te­ria fei­to o su­ces­so que fez. he­lio@uol.com.br

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.