Cons­truir ci­da­da­nia num país de pri­vi­lé­gi­os

En­fren­tar as de­si­gual­da­des exi­gi­rá não só re­fle­tir sobre nos­so po­si­ci­o­na­men­to co­mo ci­da­dãos, mas ama­du­re­cer ques­tões cen­trais à so­ci­e­da­de

Folha De S.Paulo - - Opinião - MA­RIA ALI­CE SE­TU­BAL

Sim, so­mos uma na­ção que na­tu­ra­li­zou as de­si­gual­da­des. Es­sa é uma ques­tão que há tem­pos me in­tri­ga, pois me pa­re­ce ób­vio que, pa­ra além do sen­ti­do de jus­ti­ça e hu­ma­ni­da­de, de­si­gual­da­de em ex­ces­so cor­rói o te­ci­do so­ci­al, a co­e­são en­tre in­di­ví­du­os e es­pa­ço pú­bli­co, abre fren­tes pa­ra o cri­me or­ga­ni­za­do, com­pro­me­te o cres­ci­men­to sus­ten­tá­vel e o fu­tu­ro do país.

To­dos os di­as, so­mos bom­bar­de­a­dos por da­dos, es­tu­dos e pes­qui­sas que apon­tam pa­ra as di­ver­sas fa­ce­tas das nos­sas enor­mes ini­qui­da­des: ren­da, edu­ca­ção, saú­de, sa­ne­a­men­to, se­gu­ran­ça, mo­ra­dia.

Em es­tu­dos e ran­kings in­ter­na­ci­o­nais, nos­so po­si­ci­o­na­men­to é sem­pre en­tre os úl­ti­mos paí­ses, mes­mo den­tro do con­ti­nen­te la­ti­no-ame­ri­ca­no. Es­ta­mos tam­bém en­tre os paí­ses com mais bai­xo ní­vel de con­fi­an­ça nas pes­so­as e ins­ti­tui­ções, o que po­de ser in­ter­pre­ta­do co­mo uma con­sequên­cia das de­si­gual­da­des em ex­ces­so.

Pa­ra con­tor­nar es­sa si­tu­a­ção, a op­ção das eli­tes econô­mi­cas, po­lí­ti­cas, in­te­lec­tu­ais, ar­tís­ti­cas e es­por­ti­vas é as­se­gu­rar os ser­vi­ços pri­va­dos bá­si­cos pa­ra nos­so bem es­tar e, mui­tas ve­zes, mo­rar en­cas­te­la­dos em con­do­mí­ni­os fe­cha­dos.

Ce­ná­rio que, co­mo des­cre­ve o psi­ca­na­lis­ta Ch­ris­ti­an Dun­ker, nos apri­si­o­na e for­ta­le­ce o me­do do des­co­nhe­ci­do, tor­nan­do aque­le que é di­fe­ren­te uma ame­a­ça cons­tan­te.

A va­lo­ri­za­ção do in­di­ví­duo e a con­vi­vên­cia ex­clu­si­va en­tre iguais têm acar­re­ta­do o au­men­to da in­to­le­rân­cia e dos pre­con­cei­tos, am­pla­men­te di­fun­di­dos nas re­des so­ci­ais.

Di­ver­sos es­tu­di­o­sos têm apon­ta­do pa­ra o pas­sa­do es­cra­va­gis­ta e pa­tri­mo­ni­a­lis­ta co­mo mar­cas ain­da per­sis­ten­tes das nos­sas de­si­gual­da­des. Nes­se sen­ti­do, so­mos ain­da um país que va­lo­ri­za em de­ma­sia as apa­rên­ci­as, gos­ta das hi­e­rar­qui­as e sem­pre con­se­gue um jei­ti­nho de fa­zer leis com di­ver­sas ex­ce­ções e pri­vi­lé­gi­os pa­ra gru­pos de in­te­res­se.

O an­tro­pó­lo­go Ro­ber­to da Matta des­ta­ca que a igual­da­de é vi­vi­da co­mo uma ofen­sa o Bra­sil, pois o ano­ni­ma­to as­so­ci­a­do à ci­da­da­nia nos per­tur­ba; não que­re­mos ser igual a to­do mun­do.

Em­bo­ra nos­sa bus­ca por mais equi­da­de te­nha co­me­ça­do tar­de, é ine­gá­vel que ti­ve­mos gran­des avan­ços nos úl­ti­mos 20 anos, com a ex­pan­são do aces­so à edu­ca­ção, o au­men­to do sa­lá­rio mí­ni­mo, a im­ple­men­ta­ção de pro­gra­mas de dis­tri­bui­ção de ren­da, den­tre ou­tros.

Ao la­do das po­lí­ti­cas pú­bli­cas, o avan­ço das tec­no­lo­gi­as tor­nou pos­sí­vel o re­co­nhe­ci­men­to de inú­me­ras vo­zes an­tes ex­cluí­das do de­ba­te, es­pe­ci­al­men­te en­tre os jo­vens que for­ma­ram co­le­ti­vos e mo­vi­men­tos, em lu­ta por mi­cror­re­vo­lu­ções.

A gri­ta ge­ral na de­fe­sa da Amazô­nia ou os en­fren­ta­men­tos das mu­lhe­res às ques­tões da vi­o­lên­cia pa­re­cem ser si­nais des­sa in­sa­tis­fa­ção e da po­tên­cia de gru­pos que que­rem ser ou­vi­dos e não acei­tam vi­ver em um es­ta­do de pa­ra­li­sia até as elei­ções de 2018.

Di­an­te de to­do es­se ce­ná­rio, o que fa­zer? A tes­si­tu­ra de vín­cu­los de con­fi­an­ça que tor­nem pos­sí­vel a cons­tru­ção de diá­lo­gos e pon­tes en­tre os di­fe­ren­tes gru­pos que ocu­pam os mais di­ver­sos lu­ga­res na so­ci­e­da­de, ce­ná­rio fun­da­men­tal pa­ra a saí­da da cri­se, exi­gi­rá que nós, per­ten­cen­tes às di­fe­ren­tes eli­tes, pos­sa­mos es­cu­tar, re­co­nhe­cer o ou­tro co­mo igual no de­ba­te e cons­truir, jun­tos, no­vas ba­ses de diá­lo­go.

O avan­ço no en­fren­ta­men­to das de­si­gual­da­des exi­gi­rá não ape­nas uma re­fle­xão fren­te a nos­so po­si­ci­o­na­men­to co­mo ci­da­dãos, mas tam­bém o ama­du­re­ci­men­to de ques­tões cen­trais na so­ci­e­da­de con­tem­po­râ­nea ho­je, co­mo a tri­bu­ta­ção pro­gres­si­va, a uni­ver­sa­li­za­ção dos di­rei­tos pa­ra além da cri­a­ção de po­lí­ti­cas uni­ver­sais e a ado­ção da equi­da­de e sus­ten­ta­bi­li­da­de co­mo fo­co de to­das as po­lí­ti­cas.

Pa­ra que es­sa agen­da pos­sa dis­pu­tar es­pa­ço nas pró­xi­mas elei­ções, é pre­ci­so co­me­çar­mos a nos or­ga­ni­zar já, de mo­do que as con­ver­sas com fa­mi­li­a­res e ami­gos ou os de­ba­tes em ins­ti­tui­ções e mo­vi­men­tos avan­cem pa­ra além do pes­si­mis­mo e da de­ses­pe­ran­ça, na di­re­ção de pro­pos­tas con­cre­tas e ela­bo­ra­das com a participação de di­fe­ren­tes gru­pos e se­to­res da so­ci­e­da­de. MA­RIA ALI­CE SE­TU­BAL,

O mo­men­to pi­or pa­ra mim, des­de que Lu­la as­su­miu o país, es­tá sen­do ago­ra. As­sis­tir à eli­te bra­si­lei­ra apoi­ar es­te go­ver­no de­mons­tra aci­ma de tu­do que cor­rup­ção es­tá abai­xo dos in­te­res­ses des­sa tur­ma. Ela é to­tal­men­te se­cun­dá­ria pa­ra eles. A per­mis­si­vi­da­de, com a des­cul­pa de pro­te­ger o país, mos­tra uma eli­te to­tal­men­te sem pri­o­ri­da­de e sem fu­tu­ro. La­men­tá­vel e mui­to tris­te!

LUIZ BIAGI,

O pre­si­den­te Mi­chel Te­mer e seu ne­fas­to par­ti­do, o PMDB, res­sus­ci­tam, na es­pe­ran­ça de lu­di­bri­ar os ci­da­dãos, o in­fa­me bor­dão “rou­ba, mas faz”. Te­mer e seu sé­qui­to de cor­rup­tos es­pe­ram que os bra­si­lei­ros se­jam con­des­cen­den­tes pen­san­do que eles “rou­bam, mas re­du­zem a in­fla­ção”, “rou­bam, mas abai­xam as ta­xas de ju­ros”, en­fim, “rou­bam, mas es­ta­bi­li­zam a eco­no­mia”. La­drão do erá­rio, que le­va pes­so­as à mor­te em de­cor­rên­cia da cor­rup­ção, me­re­ce ca­deia, e não con­des­cen­dên­cia.

TÚLLIO MAR­CO SO­A­RES CAR­VA­LHO

Co­lu­nis­tas Rei­nal­do Aze­ve­do vi­rou o “Mo­chi­lei­ro das Ga­lá­xi­as”. Com co­men­tá­ri­os ca­da vez mais des­pro­po­si­ta­dos, saiu de ór­bi­ta e, pe­lo jei­to, não vol­ta mais. Alô, Rei­nal­do, Ter­ra cha­man­do!

LAERTES NARDELLI

Eu pos­so ser um in­gê­nuo de mar­ca mai­or, mas pen­so que se­ria a ho­ra de um gru­po de no­tá­veis for­mar um gran­de par­ti­do pa­ra dis­pu­tar as pró­xi­mas elei­ções. Mas que ne­nhum de­les te­nha si­do po­lí­ti­co até en­tão: só gen­te no­va, sem ví­ci­os. Apos­to que a po­pu­la­ção vo­ta­ria em mas­sa ne­les pa­ra de­pu­ta­dos, go­ver­na­do­res e pre­si­den­te. Drau­zio Va­rel­la co­mo mi­nis­tro da Saú­de, que tal? Mar­co An­to­nio Vil­la co­mo mi­nis­tro da Jus­ti­ça. Mo­des­to Car­va­lho­sa co­mo pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca. Fa­çam as su­as apos­tas. O tem­po ur­ge e ru­ge.

JAI­ME PE­REI­RA DA SIL­VA

Es­tu­pro Nos úl­ti­mos di­as, com as de­nún­ci­as de vi­o­lên­cia se­xu­al a mu­lhe­res em ôni­bus, mui­tas pes­so­as pas­sa­ram a dis­cu­tir o es­tu­pro nas re­des so­ci­ais. Per­ce­bi que mui­ta gen­te não sa­be o re­al sig­ni­fi­ca­do do es­tu­pro. Al­guns pen­sam que se re­su­me ao ato se­xu­al sem con­sen­ti­men­to, quan­do na ver­da­de in­clui cons­tran­ger al­guém me­di­an­te vi­o­lên­cia, ou se­ja, sem o seu con­sen­ti­men­to. An­tes de de­ba­ter o te­ma, as pes­so­as po­de­ri­am se in­for­mar. Se ca­da um fi­zer a sua par­te, o nú­me­ro de de­nún­ci­as po­de­ria di­mi­nuir.

LE­O­NAR­DO K. VASCONCELOS,

Fi­do Nes­ti

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.