Eco­no­cra­cia con­tra a ci­ên­cia e a tec­no­lo­gia

Após cor­tes de or­ça­men­to, cabe a per­gun­ta: Bra­sí­lia des­co­nhe­ce o elo his­tó­ri­co en­tre in­ves­tir em pes­qui­sa e se de­sen­vol­ver na eco­no­mia?

Folha De S.Paulo - - Opinião - RO­GÉ­RIO CEZAR DE CER­QUEI­RA LEI­TE www.fo­lha.com.br/pai­nel­do­lei­tor saa@gru­po­fo­lha.com.br 0800-775-8080 Gran­de São Pau­lo: (11) 3224-3090 om­buds­man@gru­po­fo­lha.com.br 0800-015-9000

Nes­tes úl­ti­mos três anos, o Or­ça­men­to do Mi­nis­té­rio de Ci­ên­cia e Tec­no­lo­gia foi re­du­zi­do em mais de 70%. Só nes­te ano de 2017 o cor­te foi de 42%. Co­mo não hou­ve cor­tes com­pa­rá­veis em ne­nhum ou­tro mi­nis­té­rio, po­de­mos con­cluir que de­ve exis­tir al­go de er­ra­do com a ci­ên­cia e tec­no­lo­gia.

E mais, es­ta de­fi­ci­ên­cia ocor­re­ria no Bra­sil ape­nas, pois na­da se­me­lhan­te es­tá acon­te­cen­do em to­do o res­to do mun­do de­sen­vol­vi­do e em de­sen­vol­vi­men­to.

Pa­ra eli­mi­nar es­sa úl­ti­ma hi­pó­te­se, fa­ça­mos uma com­pa­ra­ção quan­ti­ta­ti­va en­tre as ins­ti­tui­ções cha­ma­das La­bo­ra­tó­ri­os Na­ci­o­nais, bra­si­lei­ras e ame­ri­ca­nas — uma in­ven­ção dos Es­ta­dos Uni­dos pa­ra en­fren­tar a com­pe­ti­ção in­dus­tri­al mun­di­al do pós-guer­ra e que se tor­nou a es­pi­nha dor­sal do es­for­ço em pes­qui­sas e de­sen­vol­vi­men­to econô­mi­co da­que­le país.

São ho­je 17 La­bo­ra­tó­ri­os Na­ci­o­nais do De­par­ta­men­to de Ener­gia dos EUA, com um to­tal de 57,6 mil em­pre­ga­dos em tem­po in­te­gral, e com um or­ça­men­to ope­ra­ci­o­nal de cer­ca de US$ 14 bi­lhões.

Em con­tras­te, o Bra­sil pos­sui qua­tro La­bo­ra­tó­ri­os Na­ci­o­nais se­me­lhan­tes aos ame­ri­ca­nos (CNPEM), com um to­tal de 600 fun­ci­o­ná­ri­os e um or­ça­men­to de R$ 90 mi­lhões.

Um pou­co de arit­mé­ti­ca mos­tra­rá que os cus­tos ope­ra­ci­o­nais dos LNs por fun­ci­o­ná­ri­os são nos EUA cin­co ve­zes mai­o­res que no Bra­sil. Res­ta ver se as res­pec­ti­vas pro­du­ti­vi­da­des man­têm a mes­ma re­la­ção.

En­quan­to a pro­du­ção anu­al ame­ri­ca­na dos seus LNs é de apro­xi­ma­da­men­te 11 mil ar­ti­gos em re­vis­tas in­de­xa­das, a dos bra­si­lei­ros é de apro­xi­ma­da­men­te 210. Um bre­ve cál­cu­lo mos­tra­rá que a pro­du­ti­vi­da­de bra­si­lei­ra em re­la­ção aos cus­tos ope­ra­ci­o­nais é cer­ca de dez ve­zes mai­or que a dos LNs ame­ri­ca­nos.

Tam­bém em re­la­ção a ou­tros que­si­tos, tais co­mo nú­me­ro de usuá­ri­os ex­ter­nos, ins­ti­tui­ções ou­tras be­ne­fi­ciá­ri­as, ins­ta­la­ções aber­tas, pós­dou­to­res, dou­to­res e mes­tran­dos ori­en­ta­dos etc., os LNs na­ci­o­nais se mos­tra­ram pe­lo me­nos dez ve­zes mais pro­du­ti­vos que aque­les dos LNs ame­ri­ca­nos.

Pois bem, não há ra­zão al­gu­ma pa­ra que se es­pe­re que ou­tras ins­ti­tui­ções de pes­qui­sa, tan­to as da ad­mi­nis­tra­ção di­re­ta qu­an­to as da in­di­re­ta, co­mo as Or­ga­ni­za­ções So­ci­ais, se­jam mui­to di­fe­ren­tes dos LNs do CNPEM.

Não po­de ser, por­tan­to, de­vi­do a sus­pei­tas de in­com­pe­tên­cia que os eco­no­cra­tas de Bra­sí­lia es­te­jam cons­ci­en­te­men­te com­pro­me­ten­do os es­for­ços da pes­qui­sa na­ci­o­nal e o fu­tu­ro do Bra­sil.

Ou se­rá que sim­ples­men­te des­co­nhe­cem a re­la­ção his­tó­ri­ca inequí­vo­ca en­tre in­ves­ti­men­tos em ci­ên­cia e tec­no­lo­gia e de­sen­vol­vi­men­to econô­mi­co das na­ções? RO­GÉ­RIO CEZAR DE CER­QUEI­RA LEI­TE, Fo­lha

Não con­cor­do com o pes­si­mis­mo de Ta­ti Ber­nar­di em re­la­ção às elei­ções pre­si­den­ci­ais em 2018, em uma dis­pu­ta en­tre Do­ria e Bol­so­na­ro. Em tem­pos de La­va Ja­to, o ce­ná­rio po­lí­ti­co po­de mu­dar a qual­quer mo­men­to . É ce­do pa­ra afir­mar que es­ses dois es­ta­rão no se­gun­do tur­no (“Do­ria x Bol­so­na­ro”, “Co­ti­di­a­no”, 15/9).

AN­DRÉ PEDRESCHI ALUISI

Co­bran­ça de ba­ga­gem O iní­cio da co­bran­ça da ba­ga­gem des­pa­cha­da em vi­a­gens aé­re­as não re­du­ziu o va­lor das pas­sa­gens, co­mo as au­to­ri­da­des do se­tor sus­ten­ta­vam. Pe­lo con­trá­rio, qu­em vi­a­ja de avião com frequên­cia sa­be que as ta­ri­fas su­bi­ram nos úl­ti­mos me­ses. Al­guém du­vi­da­va que se­ria exa­ta­men­te is­so o que ocor­re­ria?

RO­BER­TO FISSMER

LEIA MAIS CAR­TAS NO SI­TE DA FO­LHA - SER­VI­ÇOS DE ATEN­DI­MEN­TO AO ASSINANTE: OM­BUDS­MAN: Rock in Rio Em meio a tan­tas no­tí­ci­as ne­ga­ti­vas sobre o Bra­sil, foi com cer­to or­gu­lho e emo­ção que to­mei co­nhe­ci­men­to do que acon­te­ceu no Rock in Rio, quan­do a can­to­ra Ive­te San­ga­lo e a mo­de­lo Gi­se­le Bünd­chen can­ta­ram jun­tas um tre­cho de “Ima­gi­ne”, o hi­no com­pos­to por John Len­non pa­ra nos fa­zer so­nhar com um mun­do me­lhor. As du­as nos en­che­ram o pei­to de es­pe­ran­ça, pro­vo­can­do na pla­teia o sen­ti­men­to que pre­do­mi­na em to­da a po­pu­la­ção bra­si­lei­ra: o de pre­ser­va­ção das ri­que­zas na­ci­o­nais, prin­ci­pal­men­te a éti­ca (“Sem Ga­ga, dis­pu­ta de di­vas mar­ca pri­mei­ro dia da Ci­da­de do Rock”, “Ilus­tra­da”, 16/9)

JO­SÉ ELI­AS AIEX NETO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.