Re­la­tos de Pa­loc­ci sobre Lu­la ofe­re­cem ver­sões di­ver­gen­tes

Ex-mi­nis­tro in­di­cou da­tas e va­lo­res di­fe­ren­tes ao fa­lar de reu­nião com Ode­bre­cht

Folha De S.Paulo - - Poder - RI­CAR­DO BALTHA­ZAR

Ad­vo­ga­do afir­ma que pe­tis­ta apre­sen­ta­rá pro­vas de acu­sa­ções fei­tas à Jus­ti­ça se fe­char acor­do de de­la­ção

O ex-mi­nis­tro An­to­nio Pa­loc­ci apre­sen­tou à Jus­ti­ça ver­sões di­ver­gen­tes sobre o en­con­tro em que, se­gun­do ele, o ex-pre­si­den­te Luiz Iná­cio Lu­la da Sil­va se­lou um acor­do com o gru­po Ode­bre­cht pa­ra ob­ter fa­vo­res pes­so­ais e sus­ten­tar su­as ati­vi­da­des po­lí­ti­cas após dei­xar o po­der.

Os re­la­tos de Pa­loc­ci sobre o acer­to —que ele des­cre­veu co­mo um “pac­to de san­gue” en­tre Lu­la e o gru­po em­pre­sa­ri­al— tam­bém con­tra­ri­am nar­ra­ti­vas apre­sen­ta­das pe­lo em­pre­sá­rio Emí­lio Ode­bre­cht e seu fi­lho Mar­ce­lo, que fe­cha­ram acor­do de de­la­ção pre­mi­a­da com os pro­cu­ra­do­res da Ope­ra­ção La­va Ja­to.

As di­ver­gên­ci­as lan­çam dú­vi­das sobre o con­teú­do da con­ver­sa que o pa­tri­ar­ca do gru­po Ode­bre­cht te­ve com o ex-pre­si­den­te, os va­lo­res que eles te­ri­am dis­cu­ti­do e até mes­mo a da­ta exa­ta em que o en­con­tro po­de ter ocor­ri­do.

Pa­loc­ci vi­rou tes­te­mu­nha cha­ve de um dos pro­ces­sos que Lu­la en­fren­ta na Jus­ti­ça Fe­de­ral do Pa­ra­ná há du­as se­ma­nas, quan­do acu­sou o ex-pre­si­den­te de re­ce­ber pro­pi­na da Ode­bre­cht e ser to­le­ran­te com a cor­rup­ção na Pe­tro­bras. Pre­so em Cu­ri­ti­ba há um ano, o ex-mi­nis­tro pe­tis­ta ne­go­cia um acor­do de de­la­ção pre­mi­a­da des­de abril.

Na se­ma­na pas­sa­da, em au­di­ên­cia com o juiz Ser­gio Mo­ro, Lu­la cha­mou Pa­loc­ci de men­ti­ro­so, e os ad­vo­ga­dos do ex-pre­si­den­te in­di­ca­ram que se pre­pa­ram pa­ra ex­plo­rar con­tra­di­ções en­con­tra­das nos de­poi­men­tos do ex-ali­a­do.

O epi­só­dio no cen­tro do tes­te­mu­nho de Pa­loc­ci foi nar­ra­do an­tes por Mar­ce­lo, num dos pri­mei­ros de­poi­men­tos que ele pres­tou após de­ci­dir co­la­bo­rar com as au­to­ri­da­des.

O em­pre­sá­rio dis­se que, no iní­cio da cam­pa­nha elei­to­ral de 2010, pe­diu a seu pai que fos­se até Lu­la pa­ra in­for­má­lo sobre os re­cur­sos dis­po­ní­veis na Ode­bre­cht pa­ra apoi­ar a can­di­da­ta do PT à sua su­ces­são, Dil­ma Rous­seff, e ou­tras cam­pa­nhas do par­ti­do.

Se­gun­do Mar­ce­lo, o gru­po ha­via des­ti­na­do R$ 100 mi­lhões aos pe­tis­tas des­de as elei­ções de 2008 e ti­nha mais R$ 100 mi­lhões pa­ra o par­ti­do em 2010. Sua pre­o­cu­pa­ção, ex­pli­cou, era evi­tar que o PT exi­gis­se mais di­nhei­ro.

Emí­lio Ode­bre­cht en­ten­deu que se tra­ta­va de R$ 300 mi­lhões e con­fir­mou que se reu­niu com Lu­la pa­ra aten­der ao pe­di­do do fi­lho, mas afir­mou vá­ri­as ve­zes que nun­ca fa­lou de va­lo­res com o ex­pre­si­den­te. “Eu não le­va­va nú­me­ros pa­ra ele”, in­sis­tiu num depoimento em ju­nho.

Pa­loc­ci não par­ti­ci­pou do en­con­tro, mas diz ter si­do in­for­ma­do da con­ver­sa pe­lo pró­prio Lu­la no dia se­guin­te, quan­do o en­tão pre­si­den­te o te­ria pro­cu­ra­do pa­ra pe­dir que cui­das­se dos re­cur­sos acer­ta­dos com a Ode­bre­cht.

Na pri­mei­ra vez em que fa­lou sobre is­so à Jus­ti­ça, em abril des­te ano, Pa­loc­ci dis­se que Lu­la men­ci­o­na­ra a ci­fra de R$ 200 mi­lhões. Ao de­por pe­la se­gun­da vez há du­as se­ma­nas, o ex-mi­nis­tro afir­mou ter ou­vi­do R$ 300 mi­lhões.

Pa­loc­ci tam­bém deu in­for­ma­ções di­fe­ren­tes ao si­tu­ar o en­con­tro no tem­po. Pri­mei­ro dis­se que ele ocor­reu an­tes da elei­ção de 2010, re­a­li­za­da em ou­tu­bro. De­pois afir­mou que ele acon­te­ceu em de­zem­bro. SE­GUN­DA REU­NIÃO No depoimento pres­ta­do em abril, Pa­loc­ci dis­se não sa­ber qu­em ha­via tra­ta­do do as­sun­to com Lu­la. E na au­di­ên­cia de du­as se­ma­nas atrás acres­cen­tou ao seu re­la­to uma se­gun­da reu­nião, ocor­ri­da dois di­as an­tes da pos­se de Dil­ma, com ela pre­sen­te.

Mar­ce­lo dis­se acre­di­tar que seu pai tra­tou de di­nhei­ro com Lu­la por­que Pa­loc­ci o pro­cu­rou de­pois pa­ra dis­cu­tir va­lo­res que ele te­ria men­ci­o­na­do. Mas há du­as se­ma­nas afir­mou que só Emí­lio po­de es­cla­re­cer o que hou­ve. “A úni­ca pes­soa que po­de di­zer que Lu­la sa­bia ou dei­xa­va de sa­ber é meu pai”, de­cla­rou.

Pa­ra o ad­vo­ga­do Tracy Rei­nal­det, que re­pre­sen­ta Pa­loc­ci nas ne­go­ci­a­ções do acor­do de de­la­ção pre­mi­a­da, even­tu­ais di­fe­ren­ças são “na­tu­rais”, por­que, quan­do depôs pe­la pri­mei­ra vez, o ex-mi­nis­tro ain­da não ini­ci­a­ra a dis­cus­são de sua co­la­bo­ra­ção.

“Ele es­ta­va mais de­fen­si­vo an­tes, e ho­je po­de fa­lar mais”, dis­se. “Even­tu­ais di­ver­gên­ci­as não de­vem ser in­ter­pre­ta­das co­mo si­nal de que es­te­ja men­tin­do, e mos­tram que não há com­bi­na­ção de ver­sões com ou­tros de­la­to­res.” O ad­vo­ga­do afir­mou que Pa­loc­ci apre­sen­ta­rá do­cu­men­tos pa­ra com­pro­var su­as afir­ma­ções aos pro­cu­ra­do­res.

A Ode­bre­cht en­tre­gou à La­va Ja­to agen­das e do­cu­men­tos sobre 13 en­con­tros de Emí­lio com Lu­la, ocor­ri­dos en­tre 2004 e 2010. No­tas as­so­ci­a­das a uma reu­nião de de­zem­bro de 2010 se re­fe­rem a fa­vo­res pres­ta­dos a Lu­la, mas ne­nhum dos pa­péis faz men­ção ex­plí­ci­ta a do­a­ções po­lí­ti­cas. Os ad­vo­ga­dos de Lu­la con­si­de­ram os do­cu­men­tos apó­cri­fos e con­tes­tam sua va­li­da­de.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.