Fle­chas no bam­bu­zal da no­tí­cia

Folha De S.Paulo - - Poder -

AS FLE­CHAS fi­nais pro­me­ti­das pe­lo pro­cu­ra­dor-ge­ral da Re­pú­bli­ca con­tra o pre­si­den­te fo­ram lan­ça­das na quin­ta-fei­ra pas­sa­da. Ro­dri­go Ja­not de­nun­ci­ou, pe­la se­gun­da vez, Mi­chel Te­mer. A de­nún­cia en­ca­mi­nha­da ao Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral acu­sa o pre­si­den­te de che­fi­ar uma or­ga­ni­za­ção cri­mi­no­sa, da qual fa­ri­am par­te mi­nis­tros e po­lí­ti­cos pró­xi­mos do PMDB.

“En­quan­to hou­ver bam­bu, lá vai fle­cha”, dis­se Ja­not em ju­lho, quan­do si­na­li­zou que apre­sen­ta­ria no­va de­nún­cia con­tra o pre­si­den­te an­tes de sair do car­go. Na se­gun­da-fei­ra, Ra­quel Dod­ge as­su­me o bam­bu­zal.

A no­va pro­cu­ra­do­ra-ge­ral da Re­pú­bli­ca já deu in­dí­ci­os de que pre­ten­de im­pri­mir seu es­ti­lo no ru­mo da Ope­ra­ção La­va Ja­to.

Ini­ci­a­da em mar­ço de 2014, seus nú­me­ros ofi­ci­ais, até agos­to, im­pres­si­o­nam: 165 con­de­na­ções de 107 pes­so­as (con­ta­bi­li­zan­do 1.634 anos, 7 me­ses e 25 di­as de pe­na), 158 acor­dos de de­la­ção pre­mi­a­da, pe­di­dos de res­sar­ci­men­to de R$ 38 bi­lhões, R$ 6,4 bi­lhões em pro­pi­nas.

A Pro­cu­ra­do­ria-Ge­ral da Re­pú­bli­ca in­ter­pre­ta que Te­mer (PDMB) e o ex-pre­si­den­te Luiz Iná­cio Lu­la da Sil­va (PT) são che­fes de dois gru­pos par­ti­dá­ri­os com atu­a­ção cri­mi­no­sa. Am­bos se tor­na­ram as­sim al­vos pre­fe­ren­ci­ais do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral. Tal si­mi­li­tu­de de pa­péis que, na vi­são dos pro­cu­ra­do­res, exis­te nem sem­pre se re­fle­tiu na co­ber­tu­ra da Fo­lha. As acu­sa­ções con­tra Lu­la e Te­mer fo­ram tra­ta­das de for­ma di­fe­ren­te pe­lo jor­nal.

Em 15 de se­tem­bro de 2016, a Fo­lha pu­bli­cou em sua man­che­te: “Lu­la era co­man­dan­te má­xi­mo da pro­pi­no­cra­cia, diz La­va Ja­to”; lo­go abai­xo com­ple­ta­va: “Ex-pre­si­den­te é acu­sa­do de cor­rup­ção e la­va­gem de di­nhei­ro; pe­tis­ta ne­ga ter co­me­ti­do cri­mes”.

Um ano de­pois, na úl­ti­ma sex­ta­fei­ra, 15 de se­tem­bro de 2017, a man­che­te foi: “Ja­not acu­sa Te­mer de obs­truir a Jus­ti­ça; pre­si­den­te ata­ca de­nún­cia”. Na li­nha fi­na, afir­ma­va­se: “Pro­cu­ra­dor diz que Te­mer com­prou si­lên­cio de réus e in­te­grou qua­dri­lha; pa­ra o pre­si­den­te, pe­ça es­tá cheia de ab­sur­dos”.

Não se tra­ta de exi­gir que fa­tos di­fe­ren­tes te­nham tra­ta­men­to igual. Há cir­cuns­tân­ci­as que po­dem mu­dar ava­li­a­ções, exi­gir abor­da­gens di­fe­ren­tes de no­tí­ci­as apa­ren­te­men­te se­me­lhan­tes. No en­tan­to, o jor­nal de­ve se pre­o­cu­par em se­guir pa­drões de apar­ti­da­ris­mo e equi­lí­brio.

Uma das ca­rac­te­rís­ti­cas da di­fe­ren­ci­a­ção edi­to­ri­al no jor­na­lis­mo é a ca­pa­ci­da­de dos edi­to­res de ele­ger o as­sun­to prin­ci­pal e de­ci­dir com qual en­fo­que tra­tá-lo.

O pe­río­do da La­va Ja­to tem si­do pró­di­go em si­tu­a­ções que per­mi­tem ao crí­ti­co de mídia uma aná­li­se com­pa­ra­ti­va. Em crí­ti­cas in­ter­nas, por di­ver­sas ve­zes exem­pli­fi­quei tra­ta­men­tos di­fe­ren­ci­a­dos que a Fo­lha deu a si­tu­a­ções que po­dem ser in­ter­pre­ta­das co­mo cor­res­pon­den­tes.

Na pri­mei­ra de­nún­cia con­tra Te­mer, em ju­nho, ano­tei que a Fo­lha ha­via si­do o úni­co dos prin­ci­pais jor­nais a não uti­li­zar o ver­bo “de­nun­ci­ar” —pre­fe­rin­do “acu­sar”— na man­che­te. Sua pri­mei­ra pá­gi­na não te­ve o tra­ta­men­to his­tó­ri­co que o mo­men­to exi­gia. Pe­la pri­mei­ra vez, um pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca era de­nun­ci­a­do por co­me­ter cri­me no car­go. Om­buds­man tem man­da­to de 1 ano, re­no­vá­vel por mais 3, pa­ra cri­ti­car o jor­nal, ou­vir os lei­to­res e co­men­tar, aos domingos, o no­ti­ciá­rio da mídia.

Nes­ta se­gun­da de­nún­cia, a ca­pa da Fo­lha no­va­men­te se di­fe­ren­ci­ou dos ou­tros jor­nais, não po­si­ti­va­men­te. Foi o úni­co a des­ta­car na ca­pa a acu­sa­ção de obs­truir a Jus­ti­ça, e não a de che­fi­ar or­ga­ni­za­ção cri­mi­no­sa.

A apos­ta da man­che­te do jor­nal des­toa da reportagem prin­ci­pal, que des­ta­cou as du­as acu­sa­ções (“Te­mer obs­truiu in­ves­ti­ga­ção e che­fi­ou qua­dri­lha, diz Ja­not”). Aná­li­se de re­pór­ter es­pe­ci­a­lis­ta con­si­de­rou que “a de­nún­cia tra­ta es­sen­ci­al­men­te de ou­tro su­pos­to cri­me: uma qua­dri­lha de par­la­men­ta­res co­man­da­da pe­lo pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca que usa ali­an­ças po­lí­ti­cas ‘co­mo fer­ra­men­ta pa­ra arrecadar pro­pi­na’”.

O se­cre­tá­rio de Re­da­ção, Vinicius Mo­ta, de­fen­de a op­ção. “Sobre a im­pu­ta­ção de obs­truir a Jus­ti­ça, não há dú­vi­da de que se re­fe­re a atos pra­ti­ca­dos no exer­cí­cio do man­da­to pre­si­den­ci­al, con­di­ção ne­ces­sá­ria pa­ra um pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca ser pro­ces­sa­do, de acor­do com a Cons­ti­tui­ção. Daí a op­ção pe­lo des­ta­que na man­che­te. Sobre a im­pu­ta­ção de or­ga­ni­za­ção cri­mi­no­sa, que elen­ca fa­tos ocor­ri­dos an­tes de Mi­chel Te­mer as­su­mir a Pre­si­dên­cia, o ver­bo “in­te­grar” su­ma­ri­za com efi­cá­cia o te­or das qua­se 200 pá­gi­nas de­di­ca­das a es­sa par­te da de­nún­cia, que de­ta­lham prá­ti­cas ale­ga­da­men­te de con­luio cri­mi­no­so en­tre to­dos os se­te acu­sa­dos.”

Em de­ci­são ra­ra, a Fo­lha usou par­te da man­che­te pa­ra a de­fe­sa do pre­si­den­te, no mes­mo enun­ci­a­do em que o acu­sa­va. Con­si­de­ro es­sen­ci­al que o jor­nal se em­pe­nhe em dar es­pa­ço e des­ta­que pa­ra ma­ni­fes­ta­ção de acu­sa­dos, ain­da mais se tra­tan­do do pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca.

Lei­to­res per­gun­ta­ram à om­buds­man se a Fo­lha es­ta­va de­fen­den­do Te­mer. Não há ca­so equi­va­len­te que te­nha en­con­tra­do em man­che­tes en­vol­ven­do Lu­la, Edu­ar­do Cu­nha ou Re­nan Ca­lhei­ros, pa­ra ci­tar um ex­pre­si­den­te e dois ex-pre­si­den­tes de ca­sas le­gis­la­ti­vas.

Mo­ta diz que “o ou­tro la­do é pe­dra an­gu­lar do jor­na­lis­mo pra­ti­ca­do pe­la Fo­lha e, no enun­ci­a­do da man­che­te, cum­priu a fun­ção de ex­por a li­nha de de­fe­sa con­tra uma acu­sa­ção que, em­bo­ra gra­ve, não apre­sen­tou fa­tos re­le­van­tes no­vos.”

As ques­tões aqui ex­pos­tas po­dem pa­re­cer fi­li­gra­nas pa­ra o lei­tor, mas são fun­da­men­tais na cons­tru­ção de prá­ti­cas jor­na­lís­ti­cas equi­li­bra­das, apar­ti­dá­ri­as e crí­ti­cas. Tra­ta-se da vi­tri­ne do jor­nal.

A ex­ce­lên­cia nu­ma li­nha de con­du­ta edi­to­ri­al e in­ves­ti­ga­ti­va re­ve­la­rá quão es­sen­ci­al é pa­ra o lei­tor. São as fle­chas cer­tei­ras que fa­rão a di­fe­ren­ça no bam­bu­zal das no­tí­ci­as. Fa­le com a Om­buds­man: om­buds­man@gru­po­fo­lha.com.br / tel.: 0800 015 9000 (2ª f a 6ª f, das 14h às 18h) / Fax: (11) 3224-3895

Fo­lha tra­ta com de­fi­ci­ên­cia no­tí­ci­as sobre o pre­si­den­te Mi­chel Te­mer e so­fre o ques­ti­o­na­men­to de lei­to­res

Mo­men­tos de­ci­si­vos da pre­si­dên­cia de Mi­chel Te­mer fo­ram re­gis­tra­dos nas pri­mei­ras pá­gi­nas da Fo­lha

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.