Por 2018, Alck­min tes­ta opo­si­ção a Te­mer

Pre­si­den­ciá­vel tu­ca­no quer se des­co­lar da ima­gem des­gas­ta­da do pre­si­den­te e en­saia dis­cur­so crí­ti­co a me­di­das

Folha De S.Paulo - - Poder - BRU­NO BOGHOSSIAN

En­tre er­ros que apon­ta no atu­al go­ver­no es­tão o mo­de­lo de con­ces­sões, a se­gu­ran­ça e a de­mo­ra pa­ra mu­dar Previdência

Em bus­ca de um ca­mi­nho pa­ra con­so­li­dar sua can­di­da­tu­ra ao Pa­lá­cio do Pla­nal­to em 2018, o go­ver­na­dor Ge­ral­do Alck­min (PSDB) começou a tes­tar um dis­cur­so crí­ti­co ao go­ver­no de Mi­chel Te­mer.

De­pois de os­ci­lar no de­ba­te sobre o rom­pi­men­to do PSDB com o pre­si­den­te, o tu­ca­no deu iní­cio a um mo­vi­men­to gra­du­al pa­ra se des­co­lar da ima­gem des­gas­ta­da e im­po­pu­lar do pe­e­me­de­bis­ta.

Em reu­niões po­lí­ti­cas re­ser­va­das, Alck­min con­fi­den­ci­ou que não en­xer­ga es­pa­ço pa­ra um dis­cur­so de con­ti­nui­da­de na pró­xi­ma dis­pu­ta pre­si­den­ci­al. Ele com­pa­ra a elei­ção de 2018 à de 1989, quan­do can­di­da­tos de opo­si­ção a Jo­sé Sar­ney ti­ve­ram me­lhor de­sem­pe­nho nas ur­nas.

Nes­ses en­con­tros, o go­ver­na­dor ado­ta tom crí­ti­co à ges­tão de Te­mer em as­sun­tos co­mo pri­va­ti­za­ções, re­for­mas econô­mi­cas e se­gu­ran­ça.

Ca­so Alck­min con­so­li­de sua can­di­da­tu­ra, in­te­gran­tes de seu cír­cu­lo mais pró­xi­mo de­fen­dem até que o go­ver­na­dor aban­do­ne a ideia de bus­car o PMDB pa­ra uma ali­an­ça elei­to­ral —mes­mo que is­so sig­ni­fi­que um es­pa­ço me­nor na pro­pa­gan­da de rá­dio e TV du­ran­te a cam­pa­nha.

O go­ver­na­dor pre­ten­de re­for­çar a de­fe­sa do ajus­te fis­cal, que con­si­de­ra es­sen­ci­al pa­ra con­quis­tar o apoio do mer­ca­do fi­nan­cei­ro, mas apon­ta er­ros na con­du­ção des­sa po­lí­ti­ca por Te­mer e apre­sen­ta vi­sões al­ter­na­ti­vas.

O ob­je­ti­vo, se­gun­do ali­a­dos do tu­ca­no, é im­pri­mir um DNA pró­prio à agen­da, o que per­mi­ti­ria que ele man­ti­ves­se o apoio a es­sas me­di­das e re­du­zis­se a con­ta­mi­na­ção de seu dis­cur­so pe­la ima­gem do pre­si­den­te.

Es­se meio-ter­mo foi a so­lu­ção en­con­tra­da pa­ra o im­pas­se cri­a­do no PSDB com a re­ve­la­ção das acu­sa­ções de cor­rup­ção con­tra Te­mer, que le­van­ta­ram um lon­go de­ba­te sobre a per­ma­nên­cia da si­gla no go­ver­no pe­e­me­de­bis­ta.

O pró­prio Alck­min emi­tiu si­nais tro­ca­dos sobre o as­sun­to, ora de­fen­den­do a ma­nu­ten­ção do apoio ao pre­si­den­te, ora atu­an­do pa­ra que a si­gla de­sem­bar­cas­se. Com ba­se em cál­cu­los elei­to­rais, o go­ver­na­dor que­ria se afas­tar, mas te­mia que o rom­pi­men­to do PSDB com Te­mer in­vi­a­bi­li­zas­se as re­for­mas.

“Alck­min da­rá ên­fa­se a pro­pos­tas pró­pri­as do PSDB, que não são ne­ces­sa­ri­a­men­te iguais à agen­da do atu­al go­ver­no”, afir­ma o se­cre­tá­rio-ge­ral tu­ca­no, Sil­vio Tor­res, um dos prin­ci­pais ali­a­dos do go­ver­na­dor.

O tu­ca­no já tes­tou o dis­cur­so crí­ti­co em reu­niões com po­ten­ci­ais ali­a­dos e com o mer­ca­do fi­nan­cei­ro. Ele apon­ta er­ros, por exem­plo, no no­vo pa­co­te de con­ces­sões do go­ver­no e diz que o mo­de­lo de Te­mer ca­re­ce de pla­ne­ja­men­to.

Tam­bém afir­mou que a de­ci­são de vo­tar a pro­pos­ta que es­ta­be­le­ceu um te­to de gas­tos pa­ra o go­ver­no an­tes da re­for­ma da Previdência foi equi­vo­ca­da.

O dis­tan­ci­a­men­to de Alck­min é tam­bém uma es­tra­té­gia pa­ra se di­fe­ren­ci­ar de seu ad­ver­sá­rio no PSDB, o pre­fei­to pau­lis­ta­no João Do­ria, que op­tou pe­lo an­ti­pe­tis­mo.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.