Não eram de in­ti­mi­da­de.

Folha De S.Paulo - - Poder -

Fo­lha - A Po­lí­cia Fe­de­ral con­cluiu inqué­ri­to sobre o cha­ma­do qua­dri­lhão do PMDB e im­pli­cou o pre­si­den­te e o nú­cleo do go­ver­no, in­clu­si­ve o sr., num es­que­ma de cor­rup­ção.

Moreira Fran­co - Re­ce­bi a in­for­ma­ção com mui­ta sur­pre­sa, por­que não fui ou­vi­do. A coi­sa mais ele­men­tar num inqué­ri­to des­sa na­tu­re­za é ou­vir as par­tes, não só o delator. Is­so me cau­sa um sen­ti­men­to de in­jus­ti­ça e até de im­po­tên­cia do pon­to de vis­ta do exer­cí­cio da mi­nha ci­da­da­nia. E ve­jo nes­se in­fo­grá­fi­co [es­que­ma mon­ta­do pe­la PF pa­ra ilus­trar a su­pos­ta or­ga­ni­za­ção cri­mi­no­sa] vá­ri­os fu­ros, que qu­em acom­pa­nhou as de­la­ções pu­bli­ca­das po­de cons­ta­tar. Por exem­plo?

Apa­re­ce lá o meu no­me vin­cu­la­do à OAS. Eu co­nhe­ci o pre­si­den­te da OAS quan­do era mi­nis­tro da Avi­a­ção Ci­vil, no go­ver­no Dil­ma. E co­nhe­ci com ele tra­zen­do uma de­man­da que não foi aten­di­da. Qual era a de­man­da?

Ele que­ria que fos­se sus­pen­so um cri­té­rio ado­ta­do pa­ra os lei­lões dos ae­ro­por­tos. E se mo­bi­li­zou, me ata­ca­ram na im­pren­sa... Fui con­vo­ca­do à Co­mis­são de Trans­por­tes da Câ­ma­ra, en­tra­ram com me­di­da jun­to ao TCU. Di­zem ago­ra que eu te­ria re­ce­bi­do R$ 5 mi­lhões. Na re­a­li­da­de, eles [OAS] de­ram ao PMDB uma con­tri­bui­ção de R$ 5 mi­lhões, o que ir­ri­tou pro­fun­da­men­te o Edu­ar­do Cu­nha, que nun­ca nu­triu por mim ne­nhu­ma sim­pa­tia. E vi­ce-ver­sa.

O PMDB tem co­mo ca­rac­te­rís­ti­ca uma di­vi­são in­ter­na mui­to gran­de. Eu te­nho uma re­la­ção com o pre­si­den­te Mi­chel Te­mer. É uma pes­soa com qu­em eu te­nho iden­ti­da­de aca­dê­mi­ca e in­te­lec­tu­al. Ago­ra, a par­tir daí que­rer mon­tar um con­jun­to, uma teia de com­pa­drio pa­ra a prá­ti­ca do ilí­ci­to, é uma afron­ta. Es­se grá­fi­co con­se­gue uma coi­sa fan­tás­ti­ca: ele une o PMDB. Dr. Ulys­ses [Guimarães] não con­se­guiu, Mi­chel Te­mer não con­se­guiu, mas es­se in­fo­grá­fi­co con­se­gue. Lú­cio Fu­na­ro, apon­ta­do co­mo ope­ra­dor do Cu­nha, tam­bém faz acu­sa­ções ao PMDB da Câ­ma­ra, ao pre­si­den­te e ao sr.

Nun­ca es­ti­ve com es­se se­nhor, nun­ca vi na mi­nha vi­da. Ele era li­ga­do ao Cu­nha. E mi­nhas re­la­ções com o Cu­nha Ele ci­ta ne­gó­ci­os na Cai­xa, ban­co do qual o sr. foi vi­ce­pre­si­den­te.

O FI-FGTS [li­nha de fi­nan­ci­a­men­tos que se­ria li­be­ra­da à ba­se de pro­pi­na] foi cri­a­do pe­lo pre­si­den­te Lu­la. Quan­do eu en­trei ele já exis­tia. O FI era ad­mi­nis­tra­do por ou­tra vi­ce­pre­si­dên­cia, a de Ati­vos de Ter­cei­ros. A área que eu co­man­da­va se pro­nun­ci­a­va ape­nas sobre a con­for­mi­da­de da pro­pos­ta. E era uma ava­li­a­ção fei­ta em­bai­xo, nem che­ga­va a mim. Não ti­ve ne­nhu­ma in­ge­rên­cia. Não agia no pro­ces­so de de­ci­são, não do pon­to de vis­ta fi­nan­cei­ro. Fu­na­ro diz ter pro­vas.

Que­ro ver as pro­vas. Prova exis­te ou não exis­te. E de­ve­ria es­tar nos au­tos. Uma de­la­ção é só um in­di­ca­ti­vo à apu­ra­ção. Só que no Bra­sil de ho­je a de­la­ção es­tá subs­ti­tuin­do a in­ves­ti­ga­ção. Co­mo vo­cê vai re­ce­ber re­cur­sos se vo­cê não tem po­der de de­ci­são? A im­pres­são que eu te­nho é que há um es­for­ço gran­de pa­ra com­pro­me­ter a hon­ra do pre­si­den­te. E co­mo eu te­nho uma re­la­ção com ele há anos, o es­for­ço de me in­tro­du­zir nis­so é pa­ra atin­gi-lo. Co­mo viu o re­vés na de­la­ção de Jo­es­ley Ba­tis­ta?

Te­mos que ter es­pí­ri­to pú­bli­co pa­ra com­ba­ter os ex­ces­sos. Pe­gam-se de­la­to­res e abre pro­ces­so. Ba­te, de­pois ar­qui­va, mas o da­no já es­tá fei­to. Não te­nho dú­vi­da de que a ver­da­de dos fa­tos é mui­to mais for­te do que a ver­da­de da versão. É is­so o que as pes­so­as es­tão ven­do. O sr. fa­la co­mo se ex­ces­sos O go­ver­no foi cri­ti­ca­do pe­la prá­ti­ca do ‘pre­si­den­ci­a­lis­mo de co­op­ta­ção’...

Se não hou­ver uma mu­dan­ça no sis­te­ma, o pró­xi­mo pre­si­den­te vai ter mui­to mais di­fi­cul­da­de, por­que vai ter que con­ver­sar um a um. Di­fi­cil­men­te um par­ti­do fa­rá mais de 60 de­pu­ta­dos. Pa­ra atin­gir mai­o­ria nu­ma ca­sa de 513, só na con­ver­sa in­di­vi­du­al. E a con­ver­sa in­di­vi­du­al con­ta­mi­na. To­do sis­te­ma do mun­do pre­ser­va e for­ta­le­ce a mai­o­ria. O nos­so, des­de o go­ver­no Sar­ney, for­ta­le­ceu as mi­no­ri­as. E co­mo é, nes­se ce­ná­rio, que se bar­ra uma de­nún­cia?

Nós te­mos a sor­te de ter um pre­si­den­te que é ad­vo­ga­do. Co­mo ad­vo­ga­do, ele tem con­vic­ção da ino­cên­cia de­le. Ele con­se­gue, por res­pei­to ao Ju­di­ciá­rio, se­pa­rar os cam­pos. É cla­ro que, creio eu, nun­ca fa­lei Quan­do viu a fo­to dos R$ 51 mi­lhões atri­buí­dos ao ex-mi­nis­tro Ged­del Vi­ei­ra Lima, o que foi que pen­sou?

Olha, as fotos que te­mos vis­to nes­ses epi­só­di­os to­dos, to­das elas são mui­to ruins. Não só es­sa que vo­cê ci­tou. Há ex­pli­ca­ção pa­ra ela?

Ele de­ve­rá ter. Eu es­pe­ro que te­nha... Aqui nós es­ta­mos fa­zen­do a nos­sa par­te. Apro­va­mos a TLP, por exem­plo. Is­so não é só um es­for­ço pa­ra re­du­zir ju­ros re­ais, é uma ma­ni­fes­ta­ção da per­cep­ção de que uma das fon­tes da cor­rup­ção es­ta­va na cha­ma­da “Bol­sa Em­pre­sá­rio”, é pa­ra evi­tar a pro­mis­cui­da­de na con­ces­são de cré­di­to. Uma fer­ra­men­ta pa­ra re­de­fi­nir re­la­ções na de­li­ca­de­za do de­ta­lhe.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.