Es­can­ca­ra­da men­te

Folha De S.Paulo - - Poder - JANIO DE FREI­TAS

MUI­TOS ES­PE­RAM, com Mi­chel Te­mer, que es­te úl­ti­mo dia de Ro­dri­go Ja­not co­mo pro­cu­ra­dor-ge­ral da Re­pú­bli­ca mar­que o fim de um ci­clo. É o que a fu­tu­ra pro­cu­ra­do­ra-ge­ral Ra­quel Dod­ge, a ser em­pos­sa­da ama­nhã, pre­ci­sa im­pe­dir. Já que es­ta­mos en­la­me­a­dos de ver­go­nha pe­los bor­ri­fos do lo­da­çal de cor­rup­ção, não há por que pa­rar, nem mes­mo re­cu­ar. O me­lhor é ir em fren­te. Ir lo­go até o fim, se­ja qual for. Pa­ra is­so, o que se es­pe­ra de Ra­quel Dod­ge é a com­pre­en­são de que só se­rá pos­sí­vel com o re­en­qua­dra­men­to das ins­ti­tui­ções na sua na­tu­re­za e nos seus li­mi­tes. E nis­so a sua con­tri­bui­ção é o re­a­jus­te de va­lo­res, con­cep­ções e mé­to­dos de­for­ma­dos na bus­ca des­con­tro­la­da de pu­ni­ções co­mo mo­ra­li­za­ção.

Ro­dri­go Ja­not re­pre­sen­tou um avan­ço em com­pa­ra­ção a seus dois úl­ti­mos an­te­ces­so­res. An­to­nio Fer­nan­do de Sou­za e Ro­ber­to Gur­gel sa­tis­fi­ze­ram-se mais com ad­je­ti­vos que com apu­ra­ções subs­tan­ti­vas do que cons­ti­tuiu, de fa­to, o mal de­no­mi­na­do men­sa­lão: er­ros, pa­ra me­nos e pa­ra mais, per­du­ram ain­da. Ja­not mos­trou, no en­tan­to, uma to­le­rân­cia com des­li­zes da La­va Ja­to que a pre­ju­di­ca­ram mui­to.

Se­ria pos­sí­vel que, em vez de com­pla­cen­te, fos­se ele o in­du­tor de con­du­tas exa­cer­ba­das. Mas deu si­nais con­trá­ri­os. Quan­do a on­da de “va­za­men­tos” ile­gais, mui­tos in­ver­da­dei­ros, pro­vo­cou crí­ti­cas até no Su­pre­mo, Ja­not emi­tiu no­ta e de­cla­ra­ções que, ape­sar de si­nu­o­sas, não en­dos­sa­vam o que eram prá­ti­cas só ex­pli­cá­veis por mo­ti­va­ções po­lí­ti­cas. Se não en­dos­sa­va, não se­ria o in­du­tor, mas o che­fe so­li­dá­rio ou con­for­ma­do.

O ca­rá­ter po­lí­ti­co da La­va Ja­to até ho­je ocu­pa adep­tos seus com pre­ten­sas ne­ga­ti­vas: ar­ti­gos e de­cla­ra­ções sem fim. Nes­tes úl­ti­mos di­as, Ja­not dei­xou-lhes uma ar­ma­di­lha. Es­tá no seu pe­di­do de ar­qui­va­men­to da in­ves­ti­ga­ção de Jo­sé Sar­ney, Re­nan Ca­lhei­ros e Ro­me­ro Ju­cá, cu­ja pri­são che­ga­ra a pe­dir. Ago­ra, usou o ar­gu­men­to de que não con­su­ma­ram a ide­a­li­za­da obs­tru­ção de jus­ti­ça, ine­xis­tin­do o de­li­to. Pois bem, a no­me­a­ção de Lu­la pa­ra mi­nis­tro de Dil­ma, ou­vi­da em gram­po ile­gal fei­to por Ser­gio Mo­ro e por ele di­vul­ga­do, tam­bém não se con­su­mou, ine­xis­tin­do o de­li­to.

No ca­so da no­me­a­ção, po­rém, a La­va Ja­to quis o pro­ces­so con­tra Lu­la, pe­la ale­ga­da in­ten­ção, e Ser­gio Mo­ro quis jul­gá-lo. E nem se tra­ta­ria, com a no­me­a­ção, da obs­tru­ção de jus­ti­ça de que fa­la a La­va Ja­to: a no­me­a­ção ape­nas trans­fe­ri­ria o as­sun­to Lu­la do ca­da­fal­so de Cu­ri­ti­ba pa­ra o do Su­pre­mo. Não há, en­tre os dois ca­sos, tra­ta­men­to di­fe­ren­ci­a­do? Há ou­tra cau­sa que não a po­lí­ti­ca, pa­ra os tra­ta­men­tos di­fe­ren­tes?

O de­nun­cis­mo e a vo­ra­ci­da­de pu­ni­ti­va, in­com­pa­tí­veis com jus­ti­ça, Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, Ju­di­ciá­rio, mo­ra­li­za­ção e le­al­da­de cons­ti­tu­ci­o­nal, go­za­ram sob Ja­not, na La­va Ja­to, de li­ber­da­de in­jus­ti­fi­cá­vel. O show de Del­tan Dal­lag­nol, com aque­les cír­cu­los e se­tas con­tra Lu­la tra­ta­do co­mo se con­de­na­do, foi uma aber­ra­ção au­to­ri­tá­ria que man­chou pa­ra sem­pre o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co. Um abu­so de po­der, in­con­se­quen­te em dois sen­ti­dos: não ti­nha ra­zão de ser nas obri­ga­ções da La­va Ja­to, por is­so não pro­du­ziu qual­quer efei­to nas apu­ra­ções de­vi­das, e ne­nhu­ma pro­vi­dên­cia me­re­ceu de Ja­not, ao me­nos em res­pei­to aos es­tar­re­ci­dos com a de­pre­ci­a­ção do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co.

Ja­not dei­xa a Pro­cu­ra­do­ria en­ro­la­da com Jo­es­ley Ba­tis­ta. O pro­ble­ma começou no “prê­mio” de imu­ni­da­de ju­di­ci­al da­do ao delator. Agra­vou-se no exa­ge­ro de Ja­not ao des­cre­ver o te­or da con­ver­sa gra­va­da de Ba­tis­ta com seu par­cei­ro de subornos. Daí de­cor­reu a opor­tu­ni­da­de de Ja­not sa­tis­fa­zer às crí­ti­cas pe­lo “prê­mio”. E, co­mo com­ple­men­to pro­vi­só­rio, uma vin­di­ta que in­clui o Su­pre­mo.

O des­cri­té­rio dos “prê­mi­os” aos de­la­to­res, con­ce­di­dos pe­los pro­cu­ra­do­res e por Ja­not, me­re­cia mais es­cân­da­los do que ape­nas a imu­ni­da­de ago­ra cas­sa­da de Jo­es­ley Ba­tis­ta. A Pau­lo Ro­ber­to Cos­ta, por exem­plo, foi con­ce­di­da a per­ma­nên­cia dos bens pos­tos em no­me de fa­mi­li­a­res seus. O rein­ci­den­te Al­ber­to Yous­sef, que vol­tou ao cri­me por­que “pre­mi­a­do” com a li­ber­da­de em sua pri­mei­ra de­la­ção (ca­so Ba­nes­ta­do), pô­de tam­bém trans­fe­rir bens, co­mo vá­ri­os ou­tros. Usa­do o “prê­mio” de Yous­sef pa­ra ex­pli­ca­ção, diz a Pro­cu­ra­do­ria-Ge­ral que ele “re­co­nhe­ceu qu­ais eram os bens que são pro­du­to ou pro­vei­tos de ati­vi­da­de cri­mi­no­sa”. O di­nhei­ro de de­la­to­res tem di­fe­ren­ças quan­do pro­vém de cri­mes.

Co­mo “tan­tos são os fa­tos e tão es­can­ca­ra­da­men­te com­pro­va­dos” de cor­rup­ção, nas pa­la­vras re­cen­tes de Ro­dri­go Ja­not, é pre­ci­so con­ti­nuá-lo. Cor­ri­gi­do.

Ja­not re­pre­sen­tou avan­ço, mas mos­trou to­le­rân­cia com des­li­zes da La­va Ja­to que a pre­ju­di­ca­ram mui­to

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.