‘Réu de si mes­mo’, juiz odi­a­do por PCC quer es­tre­ar car­rei­ra po­lí­ti­ca

Res­pon­sá­vel por pren­der o tra­fi­can­te Fer­nan­di­nho Bei­ra-Bar pla­ne­ja apo­sen­ta­do­ria

Folha De S.Paulo - - Poder - AN­NA VIR­GI­NIA BALLOUSSIER

O juiz Odi­lon de Oli­vei­ra, 68, mor­reu e não sa­bia. Acon­te­ceu em 2006, quan­do uma en­ti­da­de in­ter­na­ci­o­nal quis ho­me­na­ge­ar per­so­na­li­da­des as­sas­si­na­dos em no­me de uma cau­sa. A mis­si­o­ná­ria nor­te-ame­ri­ca­na Do­rothy Stang. O jor­na­lis­ta Tim Lo­pes. Ele.

Há anos, o res­pon­sá­vel pe­la pri­são de ba­rões do trá­fi­co, co­mo Fer­nan­di­nho Bei­ra-Mar, es­tá com a ca­be­ça a prê­mio — re­com­pen­sas que che­gam a R$ 2,5 mi­lhões, “cor­te­sia” de or­ga­ni­za­ções cri­mi­no­sas co­mo PCC e Co­man­do Ver­me­lho.

Por con­fu­são, Oli­vei­ra ga­nhou um tri­bu­to pós­tu­mo an­tes da ho­ra. Ele ain­da guar­da a pla­ca com mol­du­ra dou­ra­da de­di­ca­da à “me­mó­ria do juiz fe­de­ral”. Fez ques­tão de bus­cá-la pes­so­al­men­te, em ce­rimô­nia no Es­pí­ri­to San­to, pa­ra espanto do pú­bli­co.

O ma­gis­tra­do es­tá vi­vo. Ain­da. É o pró­prio qu­em te­me por sua pro­te­ção. Oli­vei­ra pla­ne­ja en­trar nes­te mês com pe­di­do de apo­sen­ta­do­ria. “Não fiz ain­da por­que o Con­se­lho Na­ci­o­nal de Jus­ti­ça não de­ci­diu se vou ter se­gu­ran­ça de­pois que me apo­sen­tar.”

As­sim que pen­du­rar a to­ga, Oli­vei­ra per­de­rá di­rei­to à es­col­ta da Po­lí­cia Fe­de­ral que o acom­pa­nha há 19 anos —de oi­to a dez ho­mens que se re­ve­zam pa­ra sal­va­guar­dá-lo aon­de quer que ele vá.

O pla­no, con­tu­do, não é pa­rar de tra­ba­lhar, mas tro­car cor­te por pa­lan­que. Odi­lon de Oli­vei­ra quer vi­rar po­lí­ti­co.

Per­nam­bu­ca­no ra­di­ca­do em Ma­to Gros­so do Sul, on­de atua co­mo juiz há mais de três dé­ca­das, ele se diz “ami­go de to­dos os go­ver­na­do­res [do Es­ta­do], do pre­fei­to, re­la­ci­o­na­do com to­do mun­do”. Em pes­qui­sas lo­cais de in­ten­ção de vo­to, apa­re­ce en­tre os pri­mei­ros lu­ga­res pa­ra Se­na­do e go­ver­no, em dis­pu­ta em­bo­la­da com opo­nen­tes da re­gião.

Oli­vei­ra vem con­ver­san­do com par­ti­dos, “e o apon­ta­men­to que eles me têm fei­to é pa­ra o Exe­cu­ti­vo es­ta­du­al”, afir­maà Fo­lha por te­le­fo­ne. Uma das con­ver­sas foi com o ex-mi­nis­tro Ci­ro Gomes, pré-can­di­da­to do PDT à Pre­si­dên­cia.

Diz que seu per­fil “é de cen­tro”, mas evi­ta es­miu­çar pre­fe­rên­ci­as par­ti­dá­ri­as por ora, por ain­da es­tar no Ju­di­ciá­rio.

Pre­za a lei que, pa­ra con­cor­rer no pró­xi­mo plei­to, ma­gis­tra­dos de­vem pe­dir exo­ne­ra­ção do car­go até abril, seis me­ses an­tes da elei­ção. ADEUS, BRA­SIL Ca­so ne­guem, adeus, Bra­sil. “Vou-me em­bo­ra. Já co­gi­tei Ro­mê­nia por­que te­nho um gen­ro lá. Não te­nho con­di­ções de mo­rar aqui sem pro­te­ção”, diz o pai de três fi­lhos, to­dos com di­plo­ma em di­rei­to.

O ma­gis­tra­do co­le­ci­o­na ame­a­ças de mor­te. A pri­mei­ra veio há 30 anos, quan­do al­guém li­gou pa­ra sua mu­lher, con­ta. “Pe­di­ram pra Ma­ria Di­vi­no es­co­lher a cor do cai­xão: ro­xo, bran­co, pre­to...”

Por WhatsApp, Oli­vei­ra en­via um depoimento pres­ta­do em 2010 à Po­lí­cia Fe­de­ral, de al­guém con­vi­da­do a as­sas­si­ná-lo. Se­gun­do o de­po­en­te, “o PCC ar­ru­ma­ria o di­nhei­ro [R$ 2 mi­lhões]”. O man­dan­te do cri­me que­ria con­tra­tar um me­nor de ida­de com es­te ar­gu­men­to: “Se no Ira­que co­lo­ca­vam cri­an­ças pa­ra ex­plo­dir, por que não co­lo­car um ado­les­cen­te pa­ra ma­tar o juiz?”.

Es­tra­té­gia ven­ti­la­da: “Ar­rom­bar a re­si­dên­cia de um po­li­ci­al ci­vil [apo­sen­ta­do], a fim de pe­gar far­da, co­le­te e dis­tin­ti­vo”, um disfarce pa­ra exe­cu­tar o aten­ta­do con­tra o juiz.

Al­guns des­ses pla­nos saí­ram do pa­pel. Oli­vei­ra es­ca­pou de ti­ros e mais de uma vez dor­miu num col­cho­ne­te no fó­rum on­de tra­ba­lha —uma va­ra de la­va­gem­de­di­nhei­ro,as­sim­co­mo a do pa­ra­na­en­se Ser­gio Mo­ro, com qu­em já fez al­guns “cur­sos de re­ci­cla­gem”, diz.

A ro­ti­na en­clau­su­ra­da é te­ma do do­cu­men­tá­rio “Odi­lon, Réu de Si Mes­mo”, de Le­an­dro Lima. O di­re­tor con­ta que no co­me­ço es­tra­nhou “ir ao mer­ca­do de me­tra­lha­do­ra, ser re­vis­ta­do pa­ra en­trar na ca­sa” de seu en­tre­vis­ta­do. A pro­du­to­ra Your Mama ten­ta cap­tar re­cur­sos pa­ra fi­na­li­zar a obra, fil­ma­da em agos­to.

O fil­me re­gis­tra há­bi­tos que Oli­vei­ra pre­ser­va, co­mo fa­zer mus­cu­la­ção ce­di­nho e be­be­ri­car “um uis­qui­nho” vez ou ou­tra. De res­to, diz o juiz, “abri mão de tu­do. Vi­da so­ci­al? Es­se tem­po to­di­nho, não te­nho. A gen­te [ele e Ma­ria Di­vi­no] fa­zia dan­ça de salão. Fa­zia.” ADEUS, IGRE­JA A vi­gi­lân­cia 24 ho­ras por dia, se­te di­as por se­ma­na tam­bém des­vir­tu­ou a vi­da de ca­tó­li­co pra­ti­can­te. “Não sou mais. O pro­ble­ma da se­gu­ran­ça atra­pa­lha mui­to. A igre­ja é a ofi­ci­na da al­ma, não de vi­o­lên­cia. En­trar com pes­so­al ar­ma­do e tal... Is­so me cons­tran­ge.”

Ou­tra fon­te de em­ba­ra­ço: o bo­a­to de que o juiz ti­nha uma aman­te. Em 2015, ao si­te sul­ma­to­gros­sen­se “Ca­pi­tal News”, atri­buiu-o à “cri­mi­na­li­da­de or­ga­ni­za­da” que “que­ria de to­da ma­nei­ra me pre­ju­di­car e ten­ta­va me ata­car mo­ral­men­te”. A versão de Oli­vei­ra: um gru­po cri­ou a far­sa de uma mu­lher que cru­za­ria a fron­tei­ra, iria até uma TV com olho ro­xo e di­ria que re­ce­beu um mur­ro do con­cu­bi­no.

Lima re­to­ma o ca­so em seu do­cu­men­tá­rio. “Oli­vei­ra iro­ni­za. Fa­la que é um ca­ra su­per­fi­el: es­tá com a mes­ma mu­lher, faz a mes­ma aca­de­mia e vai a mes­ma ma­ni­cu­re há anos.”

An­tes do do­cu­men­tá­rio, veio a fic­ção “Em No­me da Lei” (2016). Tra­ta-se da his­tó­ria do “res­pon­sá­vel pe­la con­de­na­ção de 200 tra­fi­can­tes e pe­lo con­fis­co de mais de R$ 2 bi­lhões em di­nhei­ro su­jo”, diz a si­nop­se da pro­du­ção da Globo Fil­mes. As­sim Ma­teus So­la­no des­cre­ve seu pro­ta­go­nis­ta, ins­pi­ra­do no juiz: “É um ca­ra que que­ria pren­der os ban­di­dos e aca­bou ele mes­mo pre­so”.

Di­vul­ga­ção

O juiz fe­de­ral Odi­lon de Oli­vei­ra em sua ca­sa, nu­ma ce­na do do­cu­men­tá­rio iné­di­to ‘Odi­lon, Réu de Si Mes­mo’

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.