Si­tu­a­ção do país afe­ta até a li­bi­do, re­la­tam mé­di­cos

Folha De S.Paulo - - Mundo - BRA­SIL CO­LA­BO­RA­ÇÃO PA­RA A EM CA­RA­CAS

Área: 916.445 km² (pou­co mai­or que MT) Po­pu­la­ção: 30,9 mi­lhões (equi­va­len­te às de MG e PE jun­tas) PIB: US$ 468,6 bi­lhões (que­da de 10% em 2016) In­fla­ção: 545,9% (a mais al­ta da Amé­ri­ca La­ti­na) IDH: 71º lu­gar (Bra­sil é o 79º) FO­LHA,

A cri­se ve­ne­zu­e­la­na tam­bém che­gou à ca­ma. Com o país en­fren­tan­do di­fi­cul­da­des econô­mi­cas ex­tre­mas, em­po­bre­ci­men­to ge­ne­ra­li­za­do da po­pu­la­ção e pers­pec­ti­vas ne­bu­lo­sas sobre o de­sen­ro­lar de um im­bró­glio po­lí­ti­co, cres­ce o nú­me­ro da­que­les em bus­ca de apoio pa­ra me­lho­rar sua vi­da se­xu­al.

Nos con­sul­tó­ri­os de acon­se­lha­men­to de ca­sais, nas clí­ni­cas ou mes­mo nos con­sul­tó­ri­os gi­ne­co­ló­gi­cos de hos­pi­tais pú­bli­cos, a quei­xa cres­cen­te é de di­mi­nui­ção da li­bi­do. “É um re­fle­xo na­tu­ral dos pro­ble­mas que as pes­so­as es­tão en­fren­tan­do, as pes­so­as acham que são má­qui­nas, mas não são”, afir­ma a psi­có­lo­ga Jecsy Du­gar­te, que aten­de ca­sais ve­ne­zu­e­la­nos de clas­se mé­dia al­ta em cri­se.

Fer­nan­do Tor­res, ex-pre­si­den­te da So­ci­e­da­de Ve­ne­zu­e­la­na de Se­xo­lo­gia Mé­di­ca, diz que já per­ce­bia um au­men­to nos ca­sos de pro­ble­mas se­xu­ais há qua­se uma dé­ca­da. Mas, nos úl­ti­mos anos, hou­ve uma trans­for­ma­ção bru­tal no per­fil dos pa­ci­en­tes.

“An­tes as mu­lhe­res vi­nham co­mo acom­pa­nhan­tes dos ma­ri­dos”, diz ele, pós-gra­du­a­do em se­xo­lo­gia, es­pe­ci­a­li­da­de mé­di­ca es­pe­cí­fi­ca na Ve­ne­zu­e­la. “Mas ago­ra mais da me­ta­de de qu­em nos pro­cu­ra são mu­lhe­res, elas es­tão so­fren­do mais que os ho­mens”, con­ta o mé­di­co, que se diz sur­pre­so com a mu­dan­ça.

Ele atri­bui a mai­or pro­cu­ra fe­mi­ni­na ao au­men­to dos ca­sos de de­pres­são.

“A ques­tão da co­mi­da é al­go mui­to sen­sí­vel, e mui­tas fa­mí­li­as ti­ve­ram que mu­dar seus há­bi­tos ali­men­ta­res por con­ta da cri­se. Is­so pa­re­ce ter afe­ta­do mais as mu­lhe­res do que os ho­mens.” Se an­tes a pro­cu­ra fe­mi­ni­na se da­va pe­las di­fi­cul­da­des de ob­ter o or­gas­mo ou sen­tir pra­zer na re­la­ção, ho­je elas ba­si­ca­men­te se con­cen­tram na fal­ta de li­bi­do.

“E is­so em to­das as clas­ses so­ci­ais, não se tra­ta de uma ex­clu­si­vi­da­de dos mais abas­ta­dos”, diz Tor­res, que aten­de cer­ca de 20 pa­ci­en­tes se­ma­nal­men­te no Hos­pi­tal Uni­ver­si­tá­rio de Ca­ra­cas.

Du­gar­te diz que as se­pa­ra­ções de ca­sais pe­la mi­gra­ção for­ça­da de um ou ou­tro tem cau­sa­do ain­da mais es­tres­se nas re­la­ções. “Ape­sar de o ho­mem ve­ne­zu­e­la­no ser ma­chis­ta e que­rer ser o pro­ve­dor, mui­tas ve­zes to­da a frus­tra­ção e o es­tres­se es­tão sen­do com­pen­sa­dos no se­xo”, diz ela, que vi­ve dra­ma se­me­lhan­te ao de su­as pa­ci­en­tes.

Seu ma­ri­do quer dei­xar o país, mas ela não se sen­te se­gu­ra. “Não es­ta­mos em cri­se, mas es­sa é uma dis­cus­são que te­mos ti­do com ca­da vez mais frequên­cia.” (YB)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.