ME­MÓ­RI­AS DE MI­NHAS PUTAS TRIS­TES

Com cri­se no país, pros­ti­tu­tas ve­ne­zu­e­la­nas cru­zam fron­tei­ra com a Colôm­bia em di­re­ção a Cartagena pa­ra dis­pu­tar os cli­en­tes com as tra­ba­lha­do­ras lo­cais

Folha De S.Paulo - - Mundo - SYLVIA COLOMBO

É qua­se meia-noi­te e a mo­vi­men­ta­ção de gen­te é in­ten­sa atrás da fa­mo­sa Tor­re do Re­ló­gio, na en­tra­da da ci­da­de his­tó­ri­ca de Cartagena. A es­ta ho­ra, os gru­pos de tu­ris­tas com seus gui­as fa­lan­do em di­ver­sos idi­o­mas e as car­ru­a­gens que re­a­li­zam pas­sei­os ro­mân­ti­cos en­tre os edi­fí­ci­os co­lo­ni­ais da ci­da­de já de­sa­pa­re­ce­ram da pai­sa­gem.

“De­pois que os ino­cen­tes vão dor­mir, nós en­tra­mos em ce­na e fi­ca­mos aqui es­pe­ran­do os mal-in­ten­ci­o­na­dos”, con­ta à Fo­lha, aos ri­sos, Vic­to­ria (os no­mes des­ta reportagem são fic­tí­ci­os, a pe­di­do das en­tre­vis­ta­das), 24, nas­ci­da em Ma­ra­cai­bo, Ve­ne­zu­e­la, e há pou­co mais de um ano vi­ven­do na Colôm­bia.

De sal­to al­to, ca­be­los na al­tu­ra da cin­tu­ra, Vic­to­ria acei­tou fa­lar com a reportagem, mas não na rua, pa­ra não cha­mar a aten­ção, e sim num dos pe­que­nos ho­téis de­di­ca­dos à pros­ti­tui­ção den­tro da pró­pria ci­da­de amu­ra­lha­da.

São ins­ta­la­ções dis­cre­tas, sem si­na­li­za­ção na por­ta. So­be-se uma pe­que­na es­ca­da e en­con­tra-se uma an­ti­ga ca­sa com quar­tos se­pa­ra­dos do cor­re­dor por cor­ti­nas.

“Saí da Ve­ne­zu­e­la por­que lá fal­ta co­mi­da e tra­ba­lho. Quan­do che­guei aqui, ten­tei ser re­cep­ci­o­nis­ta, gar­ço­ne­te, mas não des­car­ta­va ser pros­ti­tu­ta, não te­nho pre­con­cei­to. E até que es­tá sen­do me­lhor do que eu es­pe­ra­va. Ga­nho o su­fi­ci­en­te pa­ra mim e man­do di­nhei­ro pa­ra mi­nha mãe. Ela só não sa­be em que es­tou tra­ba­lhan­do”, diz, tam­bém rin­do. “O úni­co pro­ble­ma é a com­pe­ti­ção com as co­lom­bi­a­nas, e com os ta­xis­tas que as de­fen­dem por­que ga­nham co­mis­são”, con­ta em voz bai­xa.

A pros­ti­tui­ção já tem sua re­de ins­ta­la­da há tem­pos em Cartagena, e se alimenta prin­ci­pal­men­te de tu­ris­tas es­tran­gei­ros. “An­tes tí­nha­mos pro­ble­mas ape­nas com a po­lí­cia, quan­do apa­re­ci­am aqui pa­ra pren­der os ca­fe­tões que tra­zem do in­te­ri­or me­ni­nas me­no­res de ida­de pa­ra tra­ba­lhar. Quan­do ti­nha es­sas ba­ti­das, o mo­vi­men­to fi­ca­va pa­ra­do. Ago­ra, is­so di­mi­nuiu, mas o pro­ble­ma que apa­re­ceu é o das ‘ve­ne­cas’, que es­tão rou­ban­do nos­so mer­ca­do por­que co­bram me­nos”, diz a pros­ti­tu­ta co­lom­bi­a­na Mar­ta, 26.

Sua co­le­ga, Lui­sa, 20, acres­cen­ta: “A gen­te sa­be que o país de­las es­tá uma con­fu­são, mas não dá pa­ra to­das vi­rem pa­ra Cartagena, não tem mer­ca­do pa­ra to­do mun­do”.

Se­gun­do Mar­ta, an­tes era pos­sí­vel co­brar de 80 mil a 100 mil pe­sos co­lom­bi­a­nos (R$ 88 a R$ 110) por pro­gra­ma. “Mas as ‘ve­ne­cas’ se con­ten­tam com 50 mil (R$ 55) . E tem algumas que são lin­das, não tem co­mo com­pe­tir.”

A ri­va­li­da­de é acir­ra­da. En­quan­to as co­lom­bi­a­nas se apoi­am num gru­po de ta­xis­tas que ga­ran­te cli­en­te­la em tro­ca de uma par­te do que ga­nham, as ve­ne­zu­e­la­nas cri­a­ram su­as pró­pri­as re­des.

“A gen­te faz um per­fil no Tin­der, de­pois vai abrin­do es­pa­ço na ba­se do bo­ca a bo­ca, mas tem que evi­tar to­par com

LUI­ZA, 20

pros­ti­tu­ta co­lom­bi­a­na

VIC­TO­RIA, 24

pros­ti­tu­ta ve­ne­zu­e­la­na os cli­en­tes das co­lom­bi­a­nas. Por is­so tam­bém que tro­ca­mos de pon­to com frequên­cia ou mar­ca­mos di­re­to nos ho­téis”, con­ta Vic­to­ria.

A pre­fe­rên­cia das ve­ne­zu­e­la­nas por ci­da­des cos­tei­ras ex­pli­ca-se pe­la al­ta frequên­cia de es­tran­gei­ros, a pro­xi­mi­da­de com a fron­tei­ra pe­la qual atra­ves­sam, ao nor­te, e a si­mi­la­ri­da­de do cli­ma e do so­ta­que ca­ri­be­nhos. A pros­ti­tui­ção é le­ga­li­za­da no país.

Sel­ma, 27, con­ta que veio de­pois que sou­be que a Colôm­bia po­dia re­gu­la­ri­zar sua si­tu­a­ção. “Eu já era pros­ti­tu­ta em Bar­qui­si­me­to (Es­ta­do de La­ra). Mas com a cri­se já não ha­via mais tra­ba­lho lá. Aqui os hos­pi­tais es­tão sem­pre chei­os, mas o aten­di­men­to é me­lhor. Na Ve­ne­zu­e­la já não tem co­mo a gen­te se cui­dar”, con­ta.

Tan­to as ve­ne­zu­e­la­nas co­mo as co­lom­bi­a­nas têm co­mo re­fe­rên­cia uma his­tó­ria de su­ces­so de uma lo­cal, a de Da­nia Lon­doño, ca­ta­pul­ta­da à fa­ma du­ran­te a Cú­pu­la das Amé­ri­cas de 2012, quan­do um se­gu­ran­ça do en­tão pre­si­den­te dos EUA, Ba­rack Oba­ma, con­tra­tou seu ser­vi­ço, mas se re­cu­sou a pa­gar no dia se­guin­te. Lon­doño o de­nun­ci­ou e o es­cân­da­lo ga­nhou pro­por­ções in­ter­na­ci­o­nais.

O se­gu­ran­ça, e ou­tros co­le­gas que tam­bém ti­nham con­tra­ta­do pros­ti­tu­tas, fo­ram de­mi­ti­dos. Já Lon­doño fi­cou fa­mo­sa, mu­dou-se pa­ra a Eu­ro­pa, on­de tra­ba­lhou co­mo mo­de­lo e es­cre­veu um li­vro.

“To­das so­nham com ter a sor­te de­la, de to­par com al­guém que vai mu­dar a sua vi­da as­sim, de re­pen­te”, con­ta Sel­ma, que dis­se não ter li­do o li­vro, mas que ten­ta imi­tar o pen­te­a­do da ído­la.

“Só que eu, se con­se­guir al­go as­sim, vou fa­zer di­fe­ren­te. Em vez de ir pa­ra o es­tran­gei­ro e bus­car o su­ces­so, vou é ten­tar ti­rar mi­nha fa­mí­lia in­tei­ra lá da Ve­ne­zu­e­la. Te­nho cer­te­za de que aqui na Colôm­bia há tra­ba­lho pa­ra to­dos”, diz ela.

“que o país de­las es­tá uma con­fu­são, mas não dá pa­ra to­das vi­rem pa­ra Cartagena, não tem mer­ca­do pa­ra to­do mun­do Até que es­tá sen­do me­lhor do que eu es­pe­ra­va. Ga­nho o su­fi­ci­en­te pa­ra mim e man­do di­nhei­ro pa­ra mi­nha mãe

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.